A ampliação do Parque de Desporto Municipal, com a instalação de novos equipamentos e a constante melhoria das condições nas infraestruturas desportivas para garantir a sua adequação à prática da atividade física, ao dispor de todos, tem sido uma prioridade da Câmara Municipal de São Brás de Alportel. Nesse sentido, a autarquia adquiriu recentemente um praticável de ginástica, num investimento de perto de uma dezena de milhar de euros.
O novo equipamento pode ser utilizado para a prática de diversas modalidades, como a Ginástica Acrobática, Artística, Rítmica ou Ginástica de Solo. As suas características e os materiais de composição permitem que tenha uma grande absorção do impacto, proporcionando a execução de exercícios sem qualquer efeito de vibração. Desenvolvido para facultar uma elevada performance, o praticável com 14 metros de comprimento por 14 metros de largura, foi concebido de acordo com as normas definidas pela Federação Internacional de Ginástica. 

No âmbito do ciclo musical «O Longe é Aqui», o sexto desafio lançado pelo Cine-Teatro junta o recém-criado Trio de Jazz de Loulé e Pedro Abrunhosa, num diálogo que acontece no dia 3 de maio, pelas 21h30.
Composto por João Pedro Coelho (piano), António Quintino (contrabaixo) e João Pereira (bateria), o Trio de Jazz de Loulé estreou-se em julho de 2016 no encerramento do 21.º Festival de Jazz de Loulé e foi constituído no âmbito de uma iniciativa lançada pela Câmara Municipal de Loulé ao nível da sua política cultural, isto após uma seleção, entre nove candidaturas, que teve como júri Mário Laginha, Pedro Moreira e Hugo Alves. O Trio de Jazz de Loulé é uma novidade no panorama cultural algarvio e pretende cimentar o trabalho de duas décadas desenvolvido na área do Jazz em Loulé, permitindo quer a constituição de uma oferta regular na área, quer a apresentação do agrupamento em contextos nacionais e internacionais, colocando Loulé como um dos destinos culturais de excelência a Sul e possibilitando a fixação de criadores na região algarvia.
Neste concerto inédito, Pedro Abrunhosa revisita o seu repertório (e não só) à luz de ambientes e tonalidades jazzísticas que lhe são bem familiares. Sendo mais conhecido do grande público pelo seu ascendente e aclamado percurso desde o lançamento do álbum «Viagens», em 1994, com os «Bandemónio», até ao mais recente «Contramão» (2013) com os «Comité Caviar», o reconhecido intérprete e compositor chegou à música pela via erudita e nos anos 80, quando chegou ao jazz, era um erudito a tocar jazz, tendo fundado a Escola de Jazz do Porto e a Orquestra da mesma, e colaborando, por toda a Europa, com grandes nomes da cena jazzística. É assim possível confirmar que, desde sempre, Pedro Abrunhosa escolheu o caminho mais difícil e mais desafiante, como este espetáculo especialmente concebido para Loulé em parceria com um talentoso e inspirado trio de jovens músicos.
O concerto tem a duração de 90 minutos e um custo associado por pessoa de 12 euros, passando para 10 euros no caso de maiores de 65 ou menores de 30 anos. O Cartão de Amigo é aplicável a estes espetáculos. 


No dia 25 de abril, a equipa BTT Loulé/BPI/Elevis deslocou-se à localidade de Alte, no concelho de Loulé, para disputar a segunda prova da Taça do Algarve XCM (maratonas BTT), uma organização da Escola Profissional de Alte, Grupo Desportivo Serrano e Centro de Animação Infantil de Alte. Os atletas tiveram de enfrentar um percurso com 75 quilómetros de extensão e cerca de 1500 metros de acumulado de subidas. Para a recentemente criada categoria de competição para juniores, o percurso foi de 50 quilómetros com 900 metros de acumulado de subidas.
A prova decorreu a bom ritmo e os mais rápidos concluíram com tempos abaixo das três horas. Quanto à prestação dos atletas da equipa de Loulé, corresponderam à expectativa e levaram uma vez mais as cores do BTT Loulé/BPI/Elevis e dos seus patrocinadores ao lugar mais alto do pódio, dominando em todos os escalões em que participaram. Assim, em Elites, Hernâni Silva foi 1.º e Andrew Henriques 2.º; Elites Feminino - Charlotte Davies 1ª e Celina Carpinteiro 2ª; Master 35 - Valério Ferreira 1.º; Master 40 - Filipe Salvado 1.º; Master Feminina - Elisete Sousa 1ª; Master 45 - António Brissos 1.º; Master 50 - Mário Sebastião 1.º, Duarte Palma 3.º; Master 60 - Carlos Cabrita 1.º, Rens Grevenstuk 2.º; Juniores Masculino - Rafael Rita 1.º, Márcio Peralta 2.º, Duarte Lourenço 3.º; Júnior Feminina - Raquel Silva 1ª.
A próxima prova do regional XCM é o Campeonato do Algarve XCM 2017, que vai ter lugar em Odemira, no dia 18 de Junho.
A Arandis Editora, projeto editorial algarvio que tem como lema a «Promoção dos Valores Literários do Algarve», decidiu homenagear o poeta Manuel Neto dos Santos, natural de Alcantarilha, que celebrou os seus 25 anos de atividade literária em 2015, com a criação do Prémio de Poesia Manuel Neto dos Santos, que foi formalmente apresentado no dia 30 de maio desse ano. A primeira edição foi ganha por obra do poeta e escritor João Morgado e a segunda por Filomena Sequeira. A terceira edição já se encontra aberta, terminando o prazo para a entrega dos trabalhos a concurso no dia 10 de junho.
Das 20 obras de Manuel Neto dos Santos já publicadas desde 1988, com a recolha de poemas de estreia «O fogo, a luz e a voz», «Atalaia» (1989), «Trovas de um homem da terra» (1991), «No país de Amália» (1992), «Idílios de Al-Buhera» (1996), «Timbres» (1999), «Ídola» (2002), «Versos de redobre» (2004), as seguintes seis foram lançadas pela Arandis Editora: «Sulino» (2012), «Claves do sol e da lua» (2013), «O corpo como nudez» (2014), «Aurora boreal ao sul» (2015), «Círculo de fogo» (2016) e «Passionário» (2016). Cada vez mais reconhecido e traduzido em Espanha, está representado em várias revistas de poesia, editado com caderno trilingue «Juego de Espejos» e em breve sairão no país vizinho as obras «Terca Marea - Teimosa Maré» e «Sangre de Nubes - Sangue de Nuvens».

O 25 de abril voltou a ser comemorado em todas as Freguesias e Uniões do Concelho de Lagoa, este ano com um vasto programa que abrangeu várias áreas, desde a cultura, com música, poesia, exposições, ao desporto, com provas nas piscinas municipais, encontros de BTT, marcha/passeio, futebol, aulas de zumba, passando pelo simples lazer, com visita às feiras de produtos tradicionais ou passeando pelo passadiço de Carvoeiro, agora já com iluminação noturna de presença.
Ferragudo abriu os festejos, no dia 23, com a tradicional Marcha/Passeio, uma aula de Zumba, animação musical com os Companhia Limitada e outras atividades coletivas nos dias 24 e 25, que contaram com a participação de residentes e turistas que, nesta altura, procuram esta Vila candidata às 7 Maravilhas de Portugal. No dia 24, em Lagoa, foi inaugurada a exposição «Abril», com pinturas de jovens expressando o seu contato com o Dia da Liberdade, ouviu-se poesia alusiva à data por Napoleão Mira e, no Largo do Auditório Municipal, a música das bandas que participaram na tradicional arruada pelas ruas da cidade, antecipou o muito aguardado espetáculo de Rita Guerra. A seguir à cerimónia do içar da bandeira, com o Hino Nacional cantado pelos presentes, foi oferecido à população o bolo comemorativo dos 43 anos do 25 de abril, acompanhado de um copo de vinho quente.


O dia 25 começou cedo em Porches, onde centenas de ciclistas partiram para uma prova de BTT – enquanto decorria um torneio de futsal – no final da qual participaram num almoço-convívio. Em Carvoeiro, os alunos da EB1 cantaram o Hino ao içar da bandeira, houve uma largada de pombos, música e jogos tradicionais. Em Lagoa, as comemorações consistiram num Mercadinho de Rua, na atuação dos alunos da EB1 de Lagoa com «Cantares de Abril» e no espetáculo musical com Domingos Caetano, que recordou Zeca Afonso.
No estádio da Bela Vista, no Parchal, decorreu um «Torneio Quadrangular de Veteranos», em futebol, entre as equipas do Grupo Desportivo de Lagoa, Sociedade Capricho Estombarense, Sociedade Irmãos Unidos e Boa União Parchalense, seguindo-se um beberete com distribuição de prémios. A encerrar as comemorações deste ano, decorreu, no Convento de S. José, a 3ª edição da «Assembleia Jovem» onde os alunos dos Agrupamentos de Escolas Espamol, Rio Arade e Nobel International School apresentaram, debateram e votaram os projetos que, na sua perspetiva, contribuirão para valorizar o Concelho de Lagoa. 

Tomás Melo Gouveia foi convidado pela Federação Portuguesa de Golfe para disputar o 55.º Open de Portugal, torneio do European Tour que irá decorrer, de 11 a 14 de maio, no Morgado Golf Course, em Portimão. A organização do torneio de meio milhão de euros em prémios monetários está a cargo da FPG, PGA de Portugal e Grupo Nau Hotels & Resorts e decidiu que só haveria um amador português a receber um wild card.
Nesse contexto, a escolha óbvia recaiu sobre o irmão mais novo de Ricardo Melo Gouveia, o atual N.º 1 do golfe português, uma vez que detém neste momento os dois títulos «Majors» amadores: no final do ano passado conquistou a Taça FPG/BPI e esta semana venceu o Campeonato Nacional Absoluto Peugeot. Vai dar-se, assim, um caso não muito habitual de dois irmãos portugueses disputarem um torneio da primeira divisão europeia, sendo que Ricardo Melo Gouveia, de 26 anos, devido à sua boa cotação internacional, entrou diretamente na lista de inscritos do Open de Portugal, tal como Filipe Lima e Ricardo Santos.
Em dezembro de 2016, na Taça Manuel Agrellos, em Palmela, Tomás integrou a seleção nacional da FPG e Ricardo a equipa da PGA de Portugal. Defrontaram-se duas vezes em pares e registou-se uma vitória para Tomás e um empate. Outro momento importante em que estiveram juntos no campo foi quando Ricardo conquistou o seu segundo título do Challenge Tour, na época de 2015, Aegean Airlines Challenge Tour by Hartl Resort, em Bad Griesbach, na Alemanha, onde Tomás foi o caddie de luxo do irmão mais velho, ajudando-o a vencer a prova.




Rita Guerra vem ao Auditório Municipal de Albufeira, no dia 6 de maio, apresentar «No Meu Canto», trabalho que reúne temas em dueto com os mais conceituados artistas, desde Michael Bolton a Ronan Keating, Beto ou Paulo de Carvalho.
Rita Guerra começou a cantar aos 16 anos e gravou o primeiro disco aos 23. Foi cantora residente no Casino do Estoril durante mais de duas décadas, representou Portugal na Eurovisão, ofereceu a voz a algumas das mais bonitas canções portuguesas da Disney, gravou com as maiores vozes nacionais e com alguns dos seus maiores ídolos, gravou centenas de canções, colecionou primeiros lugares no Top e discos de platina. Escreveu um livro, que foi um sucesso de vendas e onde contou a sua história de vida e com o qual tantas mulheres se identificaram. 
Em 2015, 32 anos passados desde que cantou profissionalmente pela primeira vez, Rita Guerra resolve fazer um resumo de carreira e edita «No Meu Canto – O melhor de Rita Guerra», disco composto por 19 canções. Com uma formação em trio – Rita Guerra (piano e voz) Marco Reis (guitarras) e Gonçalo Santus (bateria e percussão) - o concerto percorre em 90 minutos as histórias e as canções mais emblemáticas da carreira, daquela que é unanimemente considerada uma das maiores intérpretes nacionais

Mais de mil apresentações e oito meses depois da sua inauguração, a primeira edição do programa cultural «365 Algarve» está a chegar ao fim. Em maio há, contudo, ainda tempo para 130 apresentações de 30 eventos, a acontecer em toda a região. Festivais literários e de artes performativas, recriações históricas e eventos de animação do património, cinema, teatro e artes visuais juntam-se à música, ópera e dança, que estão em destaque este mês.
Uma dezena de concertos de música erudita e dança, a realizar de 4 a 28 de maio, em diversas salas de espetáculo algarvias e espaços não convencionais, prometem oferecer uma experiência marcante e enriquecedora a residentes e turistas, no encerramento do Festival Internacional de Música do Algarve.
Nos dias 6 e 7 de maio, Acordeão d’Alma retrata, em Loulé e Castro Marim, a alma de acordeonista que ainda hoje é audível no coração dos algarvios, proporcionando momentos de invulgar beleza musical e harmonia visual. Mais para o final do mês (dias 26 e 27), o acordeão junta-se ao trompete para as últimas três apresentações de Morphosis, projeto de Hugo Alves e João Frade que dá asas à improvisação sobre temas originais escritos a pensar nas potencialidades destes dois icónicos instrumentos.



Os tempos áureos das grandes orquestras, que marcaram os anos 1930, vão ser recreados no evento «Big Bands Battle», apresentando em palco 40 músicos em despique pela Orquestra de Jazz do Algarve e pela Orquestra Jorge Costa Pinto. Os vencedores desta batalha serão os espetadores que se deslocarem a Lagoa (dia 19) e a Faro (20). Segredos de Lucía é um concerto de homenagem ao genial guitarrista espanhol de flamenco Paco de Lucía, que tem ascendência algarvia. Acontece no dia 19, em Loulé. Entretanto, os museus e igrejas do Algarve recebem uma mão cheia de apresentações do Ciclo Guitarras e Património (de 13 a 20) e quatro igrejas do concelho de Olhão são palco de um Festival de Coros de Câmara (de 20 a 28).
A Companhia de Ópera do Porto apresenta em Portimão (dia 6) Così Fan Tutte, ópera de Mozart interpretada pela primeira vez em Viena, na Áustria, em 1790. A moral e os costumes femininos do séc. XVIII, revelados de forma ao mesmo tempo divertida e terrível nesta obra do compositor clássico. E na dança são esperadas Interferências em Loulé (26): performances que resultam de oficinas de pesquisa e criação coreográfica com a comunidade portuguesa e estrangeira.
Em plena Serra do Caldeirão, a aldeia de Alte, com a sua Fonte Grande e a sua Fonte Pequena, entre outros espaços emblemáticos, recebe a primeira edição de FUSOS, Festival de Fusões Artísticas (de 26 a 28). O mote é a fusão entre arte e artesanato, não faltando os apontamentos musicais. Um festival de jazz que também é uma experiência gastronómica gourmet, assim se pode apresentar o Algarve Jazz Gourmet Moments, evento inovador que combina​ o melhor da música jazz com a excelência da gastronomia e vinhos do Algarve. Concertos de Tom Harrell, Virginie Teychené e Jane Monheit, ícones do jazz mundial, e momentos gourmet para desfrutar durante três dias (de 12 a 14) em Albufeira.
Destaque final para BARRO CAL – 1.ª Festa-Feira do Barrocal Algarvio, na aldeia de Santo Estevão, concelho de Tavira, que se inspira nos recursos culturais do barrocal, incluindo a música popular e o folclore, os produtos da agricultura tradicional e a gastronomia do barrocal. Visitas guiadas e uma Feira do Barrocal são outros atrativos deste evento, que se desenrola de 26 a 28 de maio.

As Ruínas Romanas de Milreu, em Estói, serão palco, no dia 2 de maio, pelas 18h, da palestra «O Amor e as suas representações», por Leonor Santa Bárbara, classicista e professora da Universidade Nova de Lisboa. Esta será a terceira palestra do ciclo «Amatores in Situ – O Mundo Antigo visto por aqueles que o amam», desenvolvido pela Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve e coordenado por Adriana Nogueira, que promove um novo olhar sobre o Mundo Antigo através da literatura, da arte, filosofia e arqueologia. O projeto faz parte do Programa DiVaM – Dinamização e Valorização dos Monumentos – 2017.
O objetivo do evento é mostrar o modo como Eros foi descrito pelos autores e pelos artistas da Antiguidade, relacionado com representações posteriores, tanto em Livros de Emblemas, como na arte. Leonor Santa Bárbara é professora na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde também é investigadora do CHAM. Doutorou-se em Literatura Grega, centrando-se na época helenística, período que a atrai cada vez mais, tanto pelas produções literárias e artísticas, como pelo cosmopolitismo.

Foi já divulgada pela Associação Bandeira Azul da Europa a lista de praias que ostentarão a Bandeira Azul em 2017 e, pelo segundo ano consecutivo, todas as praias do concelho de Olhão – Armona-mar, Armona-ria, Fuseta-mar e Fuseta-ria – hastearão este símbolo de reconhecimento de qualidade ambiental. “Como autarca e como olhanense, não poderia deixar de estar extremamente satisfeito e esta é a prova cabal do trabalho reiterado e constante que tem vindo a ser feito em termos de preservação da qualidade ambiental nos nossos espaços balneares. Esta é, e continuará a ser nos anos vindouros, uma prioridade constante para este Executivo”, garantiu o presidente da Autarquia, António Miguel Pina.
A Bandeira Azul vai ser este ano hasteada em 320 praias nacionais, 292 costeiras e 28 fluviais. 14 portos ou marinas também são distinguidos, tal como cinco embarcações ecoturísticas, o que acontece pela primeira vez. O novo recorde coloca o país no sexto lugar internacionalmente e, em termos percentuais, Portugal também lidera o ranking, com 55 por cento das praias a receberem o galardão, que é atribuído anualmente às praias, marinas e portos de recreio que cumpram um conjunto de critérios de gestão ambiental, educação ambiental, informação, qualidade da água balnear, serviços e segurança dos utentes.
Em Portugal, o galardão é desenvolvido pela Associação Bandeira Azul, secção portuguesa da Foundation for Environmental Education, e conta com o apoio técnico da Agência Portuguesa do Ambiente, entre outras entidades públicas e privadas com responsabilidades na gestão das praias, marinas e portos de recreio.


A MALA – Mostra de Artistas de Lagos, este ano integrada no programa «365 Algarve», é uma atividade organizada pela autarquia lacobrigense que dá a conhecer a vasta atividade dos artistas de Lagos, acompanhando o balanço criativo e multidisciplinar do trabalho dos artistas do concelho. Este ano, o convite para a participação nesta mostra foi estendido a todos os que, não sendo residentes no município, ali nasceram, trabalham ou com Lagos têm laços de proximidade. Também as cidades geminadas com Lagos foram convidadas, tendo a Cidade Velha, em Cabo Verde, aceite de imediato o desafio.
Nesta 6ª edição estão representadas obras na área das artes visuais, abrangendo diversas sensibilidades artísticas que exploram técnicas da pintura, escultura, fotografia, desenho, instalação ou o vídeo. São 158 obras, da autoria de 83 artistas, que podem ser visitadas em quatro polos expositivos da cidade: Antigos Paços do Concelho (25 obras), Museu Municipal (33 obras), Forte Ponta da Bandeira (18 obras), e no Centro Cultural de Lagos (82 obras), tendo este ano esta iniciativa alcançado o mais elevado número de obras expostas.


A cerimónia de inauguração decorreu no dia 24 de abril, nos Antigos Paços do concelho, e contou, para além dos vários artistas, amigos e familiares, com a presença do executivo municipal, do presidente da Assembleia Municipal, Paulo Morgado, e com a comissária do «365 Algarve», Dália Paulo. “Foi muito gratificante ver esta casa cheia de gente. É sinónimo de que há cultura a acontecer”, considerou Dália Paulo. A Presidente da Câmara Municipal de Lagos, Maria Joaquina Matos, aproveitou o momento para agradecer a todos os que tornam a MALA possível – programadores, artistas plásticos, associações e coletividades, técnicos e trabalhadores da autarquia – fazendo votos de que este exemplo de participação e cidadania ativa se multiplique.

A mais recente produção do AL Teatro para o público infantojuvenil, intitulada «Salt(e)adores de Histórias», vai ser  apresentada ao público escolar do conselho de Silves, no Teatro Mascarenhas Gregório, em 12 sessões a partir do dia 3 de maio.
Os salteadores trazem uma bagagem cheia de histórias. Com alegria, cosem-nas umas nas outras, juntam-lhes uma pitada de música, poesia e dança, e transformam tudo num espetáculo que é uma espécie de salada de frutas divertida, colorida e vivaça. Para esta salada de frutas decidiram usar histórias que escolheram ser contadas por autores portugueses. Porque é em português que comunicam, que pensam, que imaginam, que criam.
«Salt(e)adores de Histórias» é a 28ª criação do AL Teatro, para maiores de seis anos, dirigida por Bárbara Soares, que também interpreta, juntamente com André Cabrita e Filipe Gonçalves. O AL Teatro é financiado pelo Ministério da Cultura / Direção Geral das Artes e tem o apoio da Câmara Municipal de Silves.
Integrado no programa «Música nas Igrejas» decorre, no dia 29 de abril, pelas 18h, na Igreja da Misericórdia, um recital do pianista e compositor Luís Conceição.
Luís Conceição nasceu em 1974. Iniciou os estudos musicais com cinco anos, no Conservatório Regional do Algarve, tendo concluído o Curso Geral de Piano. Licenciou-se em Ciências Musicais, na Universidade Nova de Lisboa, e em Piano, na Universidade de Évora. Trabalhou como pianista acompanhador, professor de piano e de história da música em diversos conservatórios nacionais.
Enquanto pianista e compositor, apresentou-se em inúmeras salas nacionais e internacionais, a solo e em formações de câmara e orquestras. Como compositor, tem mais de 250 obras, desde 1993, parte delas gravadas em cinco cd’s de edição de autor. A sua linguagem é, essencialmente, de fusão, apresentando afinidades com a música étnica, erudita e jazz. Leciona, atualmente, na Academia de Música de Tavira e lidera vários projetos musicais, onde privilegia a interdisciplinariedade das artes, nomeadamente, uma relação simbiótica entre música, poesia e cinema. Destes projetos destacam-se o «Trio Osmose», «Entre nós e as palavras» e «Metrópolis». Luís Conceição é, também, autor de obras pedagógicas para crianças no domínio do piano.
O «Música nas Igrejas» visa dinamizar o património edificado, bem como promover o gosto pela música. Os concertos ocorrem todos os sábados e destinam-se ao público em geral.

As comemorações do 43.º aniversário do 25 de abril em Lagos tiveram início na Praça Gil Eanes, onde se procedeu à tradicional cerimónia do Hastear da Bandeira, com a presença dos eleitos locais, forças militares e policiais e das coletividades da cidade, altura em que a Banda Filarmónica Lacobrigense 1.º de Maio e o Grupo Coral do Centro de Estudos de Lagos, interpretaram o Hino Nacional. Antes da Sessão Solene Conjunta da Assembleia Municipal de Lagos, da Câmara Municipal e da Assembleia da Juventude, foi igualmente apresentado o tema de José Afonso «Grândola Vila Morena», seguindo-se as várias mensagens simbólicas deste dia.
As intervenções dos deputados municipais e das escolas representadas na Assembleia da Juventude de Lagos foram-se sucedendo, de forma intercalada, proporcionando uma sessão pontuada por momentos de poesia, cantigas e de uma encenação cénica. Depois de todos os representantes das forças políticas terem discursado, foi a vez da Presidente da Câmara Municipal de Lagos, Maria Joaquina Matos, focar a sua intervenção na esperança na juventude. “O espírito do 25 de abril continua agora, e com mais força, com as gerações mais novas. Com os jovens, abril nunca acaba, porque não permitirão, nunca, ser amordaçados ou silenciados. Com a força da juventude dos nossos dias, ninguém mais fechará as portas da liberdade”, frisou.
A Presidente da Câmara Municipal aproveitou a ocasião também para reforçar a importância do poder local, “decisivo na promoção do desenvolvimento do país”. “Os testemunhos e as intervenções não se resumiram apenas e somente à saudade de um tempo vivido, mas cheios de vontade, entusiasmo e esperança num futuro promissor assente em fortes alicerces de liberdade. Estamos hoje a celebrar a vida e a liberdade que conquistámos”, destacou a edil, defendendo que “um sistema cada vez mais descentralizado contribuirá, de forma determinante, para a afirmação da justiça e eficácia de todos os propósitos traçados para o país, em geral, e para as regiões/ localidades, em particular”.



A autarca não tem dúvidas de que a descentralização do poder central, com a transferência de mais competências para as autarquias, é o reconhecimento do seu bom desempenho e que “vem potenciar a promoção de um desenvolvimento mais equitativo dos sítios e das suas gentes, a valorização e salvaguarda das identidades locais, dos patrimónios genuínos e únicos de cada espaço, em suma a valorização das culturas regionais”.
O último discurso da Sessão Solene coube ao Presidente da Assembleia Municipal de Lagos, Paulo Morgado, que frisou que estas comemorações servem para “homenagear, de forma simbólica, todos os heroicos militares que ajudaram a tornar Portugal em país livre”. Em simultâneo, elencou três factos que, na sua opinião, deveriam estar sempre presentes: “A liberdade é condição de progresso e de felicidade na condição humana; A liberdade não é adquirida, constrói-se todos os dias; A nossa liberdade não pode oprimir a liberdade do outro, causando dano individual ou coletivo”.
À Sessão Solene seguiu-se o tradicional almoço comemorativo do 25 de abril e, durante a tarde, teve lugar no Cinema de Lagos uma sessão comemorativa do 40º. aniversário da antestreia do filme «Continuar a viver ou os índios da Meia Praia», com a exibição do filme. As comemorações fecharam com um Concerto no Centro Cultural de Lagos, em que subiu ao palco o Quinteto Jazz de Lisboa, prestando um Tributo a Zeca Afonso e Ary dos Santos.

Com o início no mês de maio, o Cartão Mensal do Pavilhão Desportivo Municipal de Loulé vai abranger também a aula de MixTraining, sem aumento de valor da taxa. Para além dos já incluídos ginásio, squash, serviços complementares e Gabinete de Apoio ao Utente, aumenta assim o número de serviços disponíveis para a prática de exercício físico com um único pagamento.
O MixTraining consta numa aula com um médio/elevado nível de intensidade propício para quem deseja perder peso e melhorar a sua capacidade física. São aulas diversificadas de treino funcional, circuito, HIIT, que combinam exercícios de força com exercícios cardiovasculares promovendo um maior gasto de calorias mesmo após o treino. Estas aulas não estão incluídas nos cartões estudante/reformado/isento.



A inauguração da sede administrativa da Junta de Freguesia de Ferreiras foi o ponto alto das comemorações do 25 de abril em Albufeira. Num ambiente de manifesta alegria, assistiu-se à Guarda de Honra e hastear da Bandeira Nacional ao som do Hino, depois do mesmo já ter acontecido nas freguesias de Albufeira e Olhos d’Água, Guia e Paderne.
A nova sede da Junta de Freguesia das Ferreiras foi uma aquisição do Município de Albufeira que, após as devidas obras, somou um investimento de 250 mil euros. Na ocasião foi também realizada a assinatura pública do contrato de comodato por um período de 20 anos renováveis. O espaço vai também, em breve, abrir as portas a cinco agregados familiares por ter cinco habitações acopladas.
Note-se que Ferreiras é a freguesia que mais cresceu demograficamente nos últimos dez anos, logo a seguir a Albufeira, passando de 4951 habitantes em 2001 para 6406 uma década depois, segundo o recenseamento do INE. “Ferreiras merece este espaço, as pessoas merecem o melhor e esta freguesia tem um património que urge descobrir no plano cultural e desportivo, o que constitui um passo significativo para o nosso turismo”, salientou por o presidente da Câmara Municipal, Carlos Silva e Sousa.


O autarca manifestou a vontade de ter um concelho o mais homogéneo possível, “para que Albufeira seja um território de harmonia e assim nos possamos realizar enquanto autarcas”. Depois deste momento, foi tempo para entrega de troféus aos participantes do 2.º Duatlo organizado pelo F.C. Ferreiras, prova que mobilizou uma parte significativa da população ao longo da manhã. As comemorações de Abril prosseguiram com uma Caminhada Noturna organizada pelos Bombeiros Voluntários de Albufeira, com diversas ofertas às centenas de participantes. Na noite anterior, já o concerto «Domingos Caetano tica Zeca Afonso» tinha esgotado o Auditório Municipal de Albufeira.

Na edição deste ano do Festival do Marisco de Olhão, que decorre de 10 a 15 de agosto, reforça-se ainda mais o conceito de família. De facto, a organização, a cargo do Município de Olhão e da empresa municipal Fesnima, aposta nos preços baixos para atrair famílias inteiras que pagam valores bastante convidativos.
Se as crianças até aos seis anos, desde que acompanhadas por um adulto, não pagam entrada, os jovens com idades entre os sete e os doze anos pagam somente três euros, à exceção dos dias 10 e 15 de agosto, quando o valor da entrada nesta faixa etária será de 4,50 euros. Os adultos, nestes dois dias – quando atuam Tony Carreira e Seu Jorge – pagam nove euros pela entrada no recinto, valor que baixa para os seis euros por pessoa nos restantes dias.
Outra novidade do Festival deste ano é a introdução dos Bilhetes Festival, ou seja, um bilhete que pode ser utilizado durante os seis dias do evento por um preço mais acessível. Assim, para os adultos, este custa 36 euros e, para as crianças dos 7 aos 12 anos, fica-se pelos 18 euros. Os bilhetes podem ser adquiridos nas bilheteiras existentes no recinto do Festival ou, brevemente, através da rede Ticketline.

«Acordeão d´Alma» tenta retratar uma história única, a alma de um acordeão que o Algarve traz no peito. O concerto enquadra-se nas comemorações do Dia Mundial do Acordeão, celebrado em todo o mundo durante o mês de maio, recordando o dia 6 de maio de 1829, data em que foi apresentada a patente do acordeão.
O projeto contempla duas apresentações, sendo a primeira no dia 6 de maio, pelas 21h30, no Cine-Teatro Louletano. No dia seguinte, o espetáculo repete-se, desta feita pelas 16h, no Auditório da Biblioteca Municipal de Castro Marim. Em palco haverá um painel em formato de tertúlia, composto por cinco oradores, moderados por um jornalista, onde será feito um enquadramento histórico do instrumento, assim como uma abordagem sobre a alma única e diferenciadora existente no Algarve em torno do Acordeão.
Os momentos de tertúlia serão intercalados por apontamentos musicais a cargo de conceituados acordeonistas de nível mundial: Duo Paris Moscovo (composto pelos campeões mundiais Domi Emorine e Roman Jbanov), João Frade (campeão do mundo), João Filipe Guerreiro (vice campeão do mundo), Nelson Conceição, Emanuel Marçal e Anabela Silva. «Acordeão d´Alma»” é um projeto da Mito Algarvio – Associação de Acordeonistas do Algarve, membros oficiais da Confédération Internationale des Acordéonistes Member of the International Music Council, an NGO oficial partner of UNESCO e apoiado pelo Programa «365 Algarve» e pelos Municípios de Loulé e Castro Marim.

Durante o mês de maio, a Câmara Municipal de Loulé volta a promover um programa de formações, com a realização de três ações com temáticas distintas. Nos dias 12 e 13 de maio, decorre a formação «Plano de Marketing para Organizações Desportivas», pelo formador Horácio Lopes, com o objetivo de dotar os formandos dos conhecimentos necessários para compreender e saber desenvolver um plano de marketing adaptado ao sector do desporto.
No dia 20 tem lugar a ação «A natação para bebés – princípios, objetivos e metodologias», destinada a técnicos (treinadores) de natação, professores de educação física, educadores de infância e a todos os interessados. Esta ação pretende apresentar os princípios que devem orientar o trabalho com bebés no meio aquático, tendo em conta o seu desenvolvimento neuro e psicomotor. «Ciclismo de Iniciação e Escolas de Ciclismo? é a formação que decorre a 28 de maio e que tem como público praticantes, técnicos, professores e todos os interessados nesta modalidade que é emblemática no Concelho de Loulé.
O concelho de Loulé tem-se afirmado a nível regional e nacional pela sua vasta oferta formativa na área desportiva e 2017 não tem sido exceção, no intuito de transformar o Loulé numa referência no que concerne a formações, num «espaço» de conhecimento, partilha de saberes e experiências com vista a uma construção progressiva da qualificação profissional dos agentes associativos.


A 71.ª Conferência do Distrito 1960 vai realizar-se em Albufeira, de 5 a 7 de maio, no Hotel NAU São Rafael Atlântico. O tema desta edição é «Rotary e o Mar – a Construção de Pontes ao Serviço da Humanidade».
A Sessão de Abertura Solene do evento está agendada para a sexta-feira, 5 de maio, às 17h30, e incluirá a cerimónia das bandeiras e apresentação dos hinos com a participação da Fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Albufeira. Pelas 17h55, o presidente da Câmara Municipal de Albufeira realizará o seu discurso, seguido das intervenções de outros autarcas algarvios e dos Governadores dos Distritos de 1960 e 1970. Pelas 19h, Moita Flores dará uma palestra sobre o tema «Há mar e mar, há ir e voltar…a pirataria e a segurança no mar». O dia terminará com o jantar «Paul Harris», onde serão atribuídas as insígnias de reconhecimento da «Rotary Foundation».
No dia 6, sábado, destaque para a intervenção de Assunção Cristas, ex-Ministra do Mar e atual Deputada da Assembleia da República, que falará sobre «A importância do Mar como plataforma de desenvolvimento económico dos países», às 11h35. No último dia, domingo, realce para a palestra de Pedro Viterbo, diretor do departamento de Meteorologia e Geofísica do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, sobre «As Alterações Climatéricas, Desenvolvimento Sustentável do Planeta».
Ao longo dos três dias serão apresentados diversos trabalhos e projetos rotários por vários governadores e companheiros, será aprovado o Relatório de Contas do Ano Rotário e será ainda eleito o representante ao Concelho de Legislação de 2019. A Conferência encerra no final da manhã do dia 7 de maio, com a intervenção do representante do presidente de Rotary International, John Germ, e do Governador do Distrito 1960, Abílio Lopes.
«Caminhos Literários – a importância da leitura literária na formação do leitor» é o tema central do VI Encontro Partilhar Leituras, uma iniciativa da Biblioteca Municipal de Faro António Ramos Rosa que terá lugar no dia 16 de maio, a partir das 9h30, no Auditório da Biblioteca. O Encontro reunirá vários convidados entre professores e profissionais das bibliotecas, que vão abordar questões relacionadas com a promoção e mediação da leitura junto de diferentes públicos. Reveste-se, também, de um cariz prático com a realização de oficinas que pretendem dotar os participantes de recursos e ferramentas eficazes no desenvolvimento da sua atividade como mediadores da leitura.
«Partilhar Leituras» tem como objetivos: proporcionar um espaço de partilha de ideias em torno da importância da formação dos leitores como fator de sucesso educativo, para além da divulgação de conhecimentos, boas práticas, recursos e experiências dentro da perspetiva da obtenção dos melhores resultados comuns, dos profissionais que trabalham na mediação e promoção do livro e da leitura. O Encontro terá como parceiros a Universidade do Algarve, a Rede de Bibliotecas Escolares (RBE), Instituto Português de Desporto e Juventude e a Associação ARCA e é destinado a profissionais da área da educação e técnicos das Bibliotecas Universitárias, Públicas e Escolares do Algarve, bem como ao público em geral. 

Tavira acolhe, no dia 30 de abril, pelas 10h, com partida e chegada na Praça da República, uma marcha distrital alusiva à prevenção dos maus-tratos na infância e juventude. A ação integra a campanha de consciencialização da comunidade e da família para os direitos das crianças e dos jovens, a qual tem vindo a decorrer durante o mês de abril.
A campanha Laço Azul (Blue Ribbon) surgiu, em 1989, na Virgínia, nos EUA, quando uma avó, Bonnie W. Finney, amarrou uma fita azul à antena do seu carro com o intuito de suscitar a curiosidade. A história que Bonnie contou foi trágica e revelou os maus tratos exercidos nos seus netos. O azul simboliza a cor das lesões e deverá servir como um lembrete para a defesa dos mais desprotegidos. A campanha, que começou como a homenagem de uma avó aos netos, expandiu-se e, atualmente, muitos países usam as fitas azuis, durante o mês de abril, em memória daqueles que morreram como resultado de abuso infantil e como forma de apoiar as famílias e fortalecer as comunidades nos esforços necessários para prevenir o abuso infantil e a negligência.
A marcha, inserida no calendário regional do Algarve 2016/2017, é uma organização do Município de Tavira, com a colaboração da Oficina do Barrocal e parceria do Instituto Português do Desporto e Juventude.
A CDU realizou, no dia 25 de abril, na Escola Gil Eanes, em Lagos, perante largas dezenas de participantes, a apresentação pública das candidaturas de Ana Paula Viana à Câmara Municipal de Lagos, de José Manuel Freire de Oliveira à Assembleia Municipal de Lagos e de Luís Renato Seixas Fagundes à Assembleia de Freguesia de S. Gonçalo de Lagos. A Sessão Pública contou igualmente com a presença de José Maria Pós de Mina, membro do Comité Central.
Os Orelha Negra vão atuar no Auditório Municipal de Albufeira, no dia 28 de abril, pelas 21h30, no âmbito do Ciclo de Concertos GAJ. O grupo, constituído por um conjunto de músicos apaixonados pelas sonoridades afro-americanas – Sam The Kid (MPCs), Cruzfader (DJ), Fred Ferreira (bateria), Francisco Rebelo (baixo) e João Gomes (teclas) – vai interpretar alguns dos temas originais que integram o seu terceiro álbum. A primeira parte do espetáculo vai ficar a cargo do artista algarvio Ehliu, tal como vem acontecendo em todos os Concertos GAJ, que se prolongam até ao próximo mês de maio.
O Município de Albufeira volta também a associar-se às comemorações do Dia Mundial da Dança, que se assinala a 29 de abril, com a realização de um espetáculo que conta com a participação das escolas e academias de dança do concelho, a partir das 16h, no Palácio de Congressos dos Salgados. Serão centenas de crianças, jovens, adultos e uma classe sénior, num espetáculo que promete presentear o público com momentos de rara beleza, ritmo e cor aliados aos conhecimentos técnicos e artísticos dos que fazem da dança a sua forma de expressão. Hip-Hop, Sapateado, Danças Contemporâneas, Danças de Salão e Danças Orientais são as modalidades predominantes em que vão ser protagonistas as seguintes academias: Artedosul (Ballet e Dança Criativa), Danças Orientais do Guia Futebol Clube, Danças de Salão do Futebol Clube de Ferreiras, FUETE – Academia de Dança de Albufeira, Academia de Dança Praia da Falésia e LUEL – Arte em Movimento.
No dia 30 de abril, o Auditório Municipal de Albufeira volta a abrir as portas para receber o espetáculo comemorativo do Dia Internacional do Jazz, desta feita uma dupla celebração, uma vez que a artista convidada é Maria Viana, que este ano celebra 40 anos de Jazz. Para este concerto especial, marcado para as 16h, a artista convidou os talentosos e reconhecidos Ricardo Carriço, Rogério Charraz e João Galante. Após várias digressões ao estrangeiro, com destaque para França, Itália e Reino Unido, e de cinco anos à frente do Cascais Jazz Club, regressa com a sua voz calorosamente sedutora, quase em jeito de despedida, para uma digressão nacional. «Smile – You must believe in Spring» é não só o título desta digressão nacional, mas também do disco que em 2015 gravou ao vivo no Centro Cultural de Belém, no ciclo «Os Dias da Música». 
Nos dias 29 e 30 de abril, o Teatro Lethes, em Faro, abre as portas para a grande estreia de «Re-pouso», encenado e interpretado por Filipa Rodriguez, em parceria com o músico Luís Miguel e a Orquestra Visual do Algarve. O espetáculo combina a dança contemporânea e o jazz e faz parte das celebrações do Dia Mundial da Dança (29 de abril) e do Jazz (30 de abril).
«Re-pouso» é baseado na lenda do «Arco do Repouso». Conta a lenda que, na conquista do Castelo de Faro aos Mouros, as almas de uma princesa moura e do seu irmão mais novo ficaram aprisionadas nas paredes do arco. Um feitiço lançado pelo pai, ao saber que a filha se tinha encontrado com um soldado rival, e que só seria quebrado quando o mundo deixar de ser mundo.
Luís Domingos Miguel iniciou o seu percurso musical depois de terminar a licenciatura em Geografia na Faculdade Nova de Lisboa. Tocou em locais como o Festival de Jazz de Zaragoza, Casa da Música do Porto, entre outros. Já deu aulas na Academia de Música de Lagos, Conservatório de Portimão e na Escola Profissional de Lagoa, no Curso de Sopros e Teclas. Atualmente é professor na Escola Secundária da Bemposta, em Portimão, onde leciona diversas disciplinas do curso profissional de Jazz.
Filipa Rodriguez é natural de Faro e iniciou os estudos em dança aos cinco anos no Conservatório Regional do Algarve. Licenciada pela Escola Superior de Dança em Lisboa (2004/07), participou como bailarina/atriz no musical «Jesus Cristo Superstar», de Filipe La Féria, em 2008/09. Durante o ano 2009/10, participou como bailarina na Companhia de Dança Contemporânea Laura Alvarez, em Barcelona.
Mestre em Especialização de Composição Coreográfica Contemporânea (2010/12), no ano seguinte apresentou o espetáculo «Num todo e por partes» e, em 2014, participou como coreógrafa do ICA no Festival Dansul. Em 2015 estreou os espetáculos para a infância «Formosa é a Ria» e «Mariomente». Desde 2012 que leciona ballet clássico e contemporâneo, sendo atualmente professora e diretora da Escola de Dança Contemporânea Incorpora, em Faro.

A música erudita continua a marcar as noites do TEMPO – Teatro Municipal de Portimão, que vai receber mais um grande espetáculo, no dia 6 de maio. A Ópera Norte e a Escola Superior de Música e das Artes do Espetáculo do Porto (ESMAE) trazem a Portimão a Ópera «Cosi Fan Tutte», de Wolfgang Amadeus Mozart, no que promete ser mais um momento memorável da agenda cultural algarvia.
«Così Fan Tutte» surgiu de uma encomenda do Imperador Joseph II, após uma apresentação bem-sucedida de «As Bodas de Fígaro», em Agosto de 1789, e estreou no Burgtheater de Viena, em 26 de Janeiro de 1790. Hoje, esta ópera é uma peça que faz parte da programação regular nos teatros de ópera de todo o mundo. Foi classificada, em diversas ocasiões, como uma «ópera geométrica», tanto musical, pela disposição das suas árias, como pelo argumento: dois pares, frente a frente, Ferrando e Dorabella, Guglielmo e Fiordiligi. Mozart consegue resultados excelentes sem a necessidade de recorrer a tantos recursos, como n’As Bodas, ou no Don Giovanni.
É, sobretudo, uma ópera escrita para divertir plateias. Não será, segundo a maioria dos críticos, uma das obras-primas de Mozart; no entanto Così é, das suas obras, a que apresenta algumas das mais belas árias e o maior número de «cenas de conjuntos», duos, tercetos e quartetos. O espetáculo conta com direção artística e produção de António Salgado, fundador da Ópera Norte professor da ESMAE, e direção musical de António Saiote, um dos mais reputados maestros do nosso país. Integra o Programa «365 Algarve», uma iniciativa financiada pelo Turismo de Portugal com coordenação da Região de Turismo do Algarve.

No dia 23 de abril, a Câmara Municipal de Aljezur e a Junta de Freguesia de Odeceixe, conjuntamente com as organizações não-governamentais GEOTA – Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente e Ação Ambiental para o Barlavento, plantaram dois Carvalhos-de-Monchique no futuro Parque da Vila (projeto a iniciar este ano), em Odeceixe. Esta ação surge no âmbito do Projeto TerraSeixe – Gestão Ambiental Partilhada no Sudoeste de Portugal, e coincidiu também com a elevação de Odeceixe a Vila.
O projeto nasceu de preocupações com o estado de conservação da biodiversidade na Bacia Hidrográfica da Ribeira de Seixe, mais especificamente com a vulnerabilidade do Carvalho-de-Monchique (Quercus canariensis), espécie endémica desta região. Esta espécie, um tesouro esquecido do património nacional natural, é uma das duas árvores autóctones maiores do país. Em conjunto com a restante flora e fauna endémica da região, confere um valor inestimável às florestas autóctones da bacia; valores formalmente reconhecidos pela integração de grande parte deste território na Rede Natura 2000, Important Bird Area (IBA) e na Rede Nacional de Áreas Protegidas, que no seu total correspondem a 90 por cento da bacia. A plantação inédita desta árvore em espaços verdes tem como objetivo salientar a importância de a proteger nesta região do país.

«O Sul de José Afonso», por João Afonso (sobrinho de Zeca Afonso) e Luís Galrito, acompanhados do coletivo «Barco do Diabo», lotou o auditório da Biblioteca Municipal de Castro Marim, no dia 25 de abril, assinalando a revolução que há 43 anos deu origem ao atual regime democrático. Em palco juntaram-se então o compositor e cantor João Afonso, o professor de música e intérprete Luís Galrito, reconhecido divulgador da obra de Zeca, e os «Barco do Diabo», com Rogério Pires, Paulo Pires, João Espada e Sónia Pereira, numa homenagem a um dos maiores ícones da Revolução dos Cravos, «Zeca Afonso».
O espetáculo interdisciplinar comporta na sua essência a ligação de José Afonso ao Algarve, mostrando o seu percurso na região, revelando como esta relação influenciou a sua vida e obra e apresentando novas roupagens para as suas canções, que passam pela combinação de música, vídeo e poesia. O concerto evocou o seu ofício de professor no Algarve e a influência que deixou nos seus alunos, mas também os seus locais de convívio e inspiração, as memórias dos concertos clandestinos que deu na região e a sua ligação ao mar e à Ria Formosa.


Com o ponto alto e último no concerto «O Sul de José Afonso», as comemorações do 25 de Abril em Castro Marim começaram com um rico e diversificado programa cultural e desportivo, que decorreu entre os dias 22 e 25 de abril, composto por um workshop de defesa pessoal, promovido pelo Leões do Sul Futebol Clube, pelo Peddy Paper da Alta Mora (Associação Recreativa, Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora) e por um Passeio Familiar de Bicicleta, pelo Clube Recreativo Alturense. No dia 25 de Abril, também a assinalar a admirável arruada da Banda Musical Castromarinense, que percorreu, durante todo o dia, as principais localidades do concelho. 
Organizado pela Câmara Municipal de Castro Marim, o programa do 25 de Abril em Castro Marim teve os apoios da Associação Recreativa, Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora, do Clube Recreativo Alturense, da Banda Musical Castromarinense, da Sociedade Columbófila Castromarinense, da Associação Rodactiva e do Leões do Sul Futebol Clube.



A Núbia nasceu, no dia 13 de março, filha de Rociera, égua puro sangue lusitano, de 18 anos, e de Peralta, também um cavalo puro sangue lusitano, com 22 anos. Criação do cavaleiro são-brasense Daniel Pires, é uma pequena égua lusitana, de apenas um mês de idade mas com um imenso futuro pela frente, representando uma grande promessa no mundo da equitação no Algarve e no país.
Da mãe, pura lusitana pontuada, com pontuação de 79 pontos, Núbia herdará certamente a elegância e destreza. Do pai, reprodutor de mérito e medalha de bronze no Campeonato da Europa para cavalos novos e já com vários outros filhos campeões, a pequena trará a força e a valentia para conquistar o futuro. Ao longo dos oito anos de dedicação às competições e aos cavalos, Daniel Pires já alcançou duas medalhas de ouro nos Campeonatos do Algarve, duas medalhas de bronze em Campeonatos Nacionais e duas medalhas de bronze no Festival Internacional. Os excelentes resultados apresentados pelo jovem são-brasense são fruto de muita dedicação, trabalho e uma paixão incomensurável por estes majestosos animais.
Daniel Pires é, de facto, um dos mais bem-sucedidos cavaleiros portugueses da atualidade, tendo conquistado o título de campeão do Algarve em 2014 e 2016 (nível M e P) e sido vencedor da Medalha de Bronze no Festival Internacional 2014 e 2016 (nível M e P); Medalha de Bronze no Campeonato de Portugal 2014 e 2016 (nível M e P) sempre com cavalos lusitanos; Campeão da 1.ª Taça Algarve (nível M) disputada em São Brás de Alportel e da 2.ª Taça Algarve.

Inaugurado no dia 19 de setembro de 2014, no Carvoeiro, o passadiço em madeira entre o Algar Seco e as ruínas do Forte de Nossa Senhora da Encarnação, e área envolvente, onde agora está o novo anfiteatro, tem sido uma zona de eleição para os milhares de pessoas que ali vão em passeio ou o utilizam para a prática de exercício físico. Numa extensão de 570 metros, este passadiço faz parte de um grande projeto designado por Sete Vales Suspensos que, construído sobre as fragas (5,7 quilómetros), ligará as praias da Marinha e de Vale Centeanes.
A 2ª fase da empreitada foi agora concluída com a instalação, em toda a extensão do passadiço, de 114 luminárias LED de iluminação rasante (com vida útil de 50 mil horas), num investimento de 56 mil e 282,78 euros. Assim, desde o dia 21 de abril, os visitantes podem dar um simples passeio ou praticar exercício físico no período noturno, com segurança, sendo que o passadiço passou a apresentar uma imagem mais cativante, seja de dia, seja de noite.

O dia 24 de abril marcou os 100 anos sobre as operações do Submarino da Marinha Imperial da Alemanha «U-35» ao largo de Sagres. Tratou-se de um dos episódios da 1.ª Guerra Mundial ocorridos na costa portuguesa, envolvendo ainda o navio-patrulha da Marinha Portuguesa «Galgo» e navios civis da Noruega, Dinamarca, Itália e Espanha. Três dos destroços resultados deste episódio militar encontram-se nas águas fronteiras à Vila de Sagres e passaram, a partir desta data, a integrar o Património Cultural Subaquático da Humanidade (UNESCO).
Para assinalar a efeméride, a Câmara Municipal de Vila do Bispo e a Marinha Portuguesa levaram a cabo algumas iniciativas que se desenrolaram no Forte de Santo António do Beliche, em Sagres. No início da sessão comemorativa usaram da palavra o tenente-general Mário Cardoso, presidente da Comissão Coordenadora da Evocação do Centenário da 1.ª Guerra Mundial; o contra-almirante António Gomes, comandante da Escola Naval (representando a Marinha Portuguesa) e o presidente da Câmara Municipal de Vila do Bispo, Adelino Soares. Seguidamente, procedeu-se à assinatura da adenda ao protocolo entre a Câmara Municipal de Vila do Bispo e a Escola Naval, mediante a qual a autarquia vila-bispense atribui nove mil e 200 euros à Escola Naval para que recorra à experiência do Servicio de Gestión de la Investigación y Transferencia de la Tecnología, da Universidade de Alicante (Espanha) e assim consiga tornar mais acessível ao grande público o destroço do navio «Torvore», através da obtenção de um modelo tridimensional, da elaboração de um pequeno filme e da criação de conteúdos informativos. Recorde-se que o protocolo foi celebrado em 2014, documento através do qual a autarquia também apoiou o projeto de investigação referente à ação militar da unidade naval alemã e ao estudo dos seus destroços.


Outro dos momentos importantes foi a apresentação do livro «Ações do U-35 no Algarve», da autoria de António José Telo, de Augusto Salgado e de Jorge Russo, que, ao longo de sete capítulos, narra aspetos sobre a situação da Marinha por alturas da 1.ª Guerra Mundial e sobre toda a aventura do submarino alemão, dos seus combates e afundamentos, bem como os aspetos relacionados com o estudo arqueológico dos seus vestígios materiais. A manhã terminou com o descerramento de uma placa evocativa da efeméride que contou com as presenças do presidente da Câmara Municipal de Vila do Bispo, do presidente da Junta de Freguesia de Sagres (Luís Paixão), do comandante da Escola Naval e do presidente da Comissão Coordenadora da Evocação do Centenário da 1.ª Guerra Mundial. Depois, os convidados realizaram um passeio de barco ao local dos destroços
Da parte da tarde, às 16h, teve lugar uma saída para mergulho nos destroços do navio «Torvore», aberta a todos os interessados. O destroço que se encontra a mais de 30 metros de profundidade foi visitado por cinco mergulhadores, acompanhados por monitores de duas empresas especializadas de Sagres. Merece igualmente uma referência a presença de várias individualidades civis e militares, bem como de representantes diplomáticos estrangeiros nestas iniciativas, nomeadamente o tenente-coronel Bjorn Taube, Adido Militar da Embaixada da República Federal da Alemanha e o capitão-de-fragata Christian Queffelec, Adido de Defesa da Embaixada da República Francesa, ambos em representação dos respetivos embaixadores em Portugal.
Esta foi a primeira vez que em Portugal se fez a evocação da passagem dos 100 anos sobre um episódio naval da Grande Guerra e o acontecimento irá integrar o primeiro dos seis episódios do documentário que a estação de televisão SIC está a realizar sobre naufrágios da época contemporânea.

Tavira foi palco, entre os dias 22 e 25 de abril, da V Mostra da Primavera, na baixa da cidade (Rua do Cais, Jardim do Coreto e Mercado da Ribeira), com os produtos tradicionais e o artesanato do concelho e da região da Serra do Caldeirão a encantarem milhares de visitantes. Ao todo, foram cerca de 65 stands e 100 expositores que aliaram os saberes ancestrais à inovação e o design, num evento onde a componente musical esteve em grande destaque. Assim, a primeira noite contou com o certo dos «Virgem Suta», com os restantes dias a serem animados por «Domingos Caetano canta Zeca», «Filhos da Música» (projeto de covers da Banda Musical de Tavira) e a Banda Musical de Tavira com a «Armação do Artista» (música e poesia).


Ao longo de quatro dias, pode-se ver, e comprar, o que de melhor é feito na região em termos de cestaria e empreita, malhas e rendas, cerâmica e azulejaria, trapologia e tecelagem, joalharia artesanal e bijutaria, assim como velas decorativas, miniaturas e brinquedos em madeira. A todos estes produtos juntaram-se as aguardentes, os licores, a doçaria regional, as compotas e os frutos secos, o pão e as costas, o mel e seus derivados, as ervas aromáticas e medicinais, o azeite e o vinho, para além de produtos de agricultura biológica, numa panóplia de sabores e cheiros que refletem a essência e autenticidade algarvias.



A Cumeada de Alta Mora recebeu, no dia 23 de abril, pelo 14.º ano consecutivo, o «Peddy Paper da Cumeada da Alta Mora», organizado pela Associação Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora. Participaram na iniciativa cerca 200 pessoas, distribuídos por 28 equipas, colocadas à prova num sagaz teste ao conhecimento e astúcia, num percurso de oito quilómetros de desafios baseados em jogos tradicionais, artes e ofícios e saberes locais, associados à vida no campo. Em primeiro lugar ficou a equipa dos «Homo Erectus» (169 pontos), seguidos dos «Australopitecos» (158 pontos), «CCD 2» (151 pontos), «CCD 1» (151 pontos) e «Pica nas galáxias» (139 pontos). 
A promoção e valorização do potencial dos recursos endógenos e culturais da freguesia de Odeleite foram os principais objetivos da iniciativa, que contou com o apoio da Câmara Municipal de Castro Marim e Junta de Freguesia de Odeleite e com a colaboração da Associação Odiana, do Centro de Cultura e Desporto do Pessoal da Autarquia de Castro Marim (CCD) e de várias empresas da região. 



O Centro Sénior de Porches é uma das instituições do concelho de Lagoa que presta assistência aos mais idosos e procura ocupar os seus tempos livres com iniciativas diversificadas e de acordo com as suas capacidades e idades. Das várias atividades realizadas em março, destacaram-se uma tarde com a utente e voluntária Dinorá, a manhã de Yoga com a técnica Sandra Simões, a tarde de visita à Escola de Artes em Lagoa e a Sessão de Esclarecimento sobre Segurança, com agentes da GNR do Destacamento de Silves.
A tarde com a utente e voluntária do Centro Sénior, Dinorá, foi um tempo de partilha em que ensinou como se fazem botinhas de lã e cachecóis, alguns destes até sem usar as agulhas, somente trabalhando a lã com os dedos. Na manhã programada para o Yoga, nem a chuva prejudicou os objetivos e a técnica Sandra Simões ofereceu momentos únicos. Juntos e com a sua ajuda, os utentes tentaram harmonizar o corpo com a mente e a respiração, ficando a imensa vontade de continuar.
Na tarde do dia 22, na visita à Escola de Artes em Lagoa, com a ajuda e colaboração do artista Patico e outros voluntários do estabelecimento de ensino, todos trabalharam o barro, aproveitando também para conhecer o espaço, porque muitos dos utentes nunca lá tinham estado. O mês terminou com uma sessão de esclarecimento sobre segurança, com agentes da GNR do Destacamento de Silves. Durante uma tarde, os utentes puderam partilhar as suas vivências, esclarecer algumas dúvidas e ouvir as recomendações dos agentes, tudo para que saibam mais facilmente identificar situações de risco e possam defender-se delas. 



No dia 7 de maio, a Companhia de Música Teatral apresenta, no Cine-Teatro Louletano, o inovador espetáculo AliBaBach, dirigido a bebés até aos 24 meses e seus pais. Haverá duas sessões, uma pelas 11h e outra às 16h, com lotação limitada e requerendo inscrição prévia.
Depois da palestra inaugural (fevereiro) e da formação transitiva (março) já realizadas no âmbito da parceria estratégica entre o Cine-Teatro e a Companhia de Música Teatral definida para 2017, a qual se centra na arte para a infância, chega agora a vez de apresentar uma das propostas performativas mais reconhecidas da Companhia. AliBaBach é um espetáculo para pais e bebés que explora o universo de J.S. Bach como elemento de mediação para a comunicação musical entre adultos e crianças muito pequenas. Fundamenta-se na vasta experiência da CMT em projetos com ou para bebés, como Bebé Babá, Bebé PlimPlim ou Andakibébé, em que se expõem os bebés a estímulos musicais ricos e contrastantes, e a elementos basilares da construção do discurso musical e da sua compreensão (como padrões melódicos e rítmicos), e em que se promovem interações e a comunicação entre pais e bebés através de jogos baseados em elementos musicais.
Este espetáculo foi construído a partir das Variações Goldberg, num exercício livre em que elementos de cada uma das variações deram origem a novos quadros que conjugam música, dança e teatro. Atravessa uma variedade de caraterísticas musicais contrastantes (pulsações, tonalidades), radicada na voz dos dois intérpretes (abordada com plasticidade e com referências claras a várias influências da música vocal erudita e étnica), com a intervenção pontual de instrumentos de brincar.
AliBaBach alterna momentos de energia e outros de grande interioridade com um humor delicado e subtil, num registo íntimo e poético, de grande proximidade e interatividade com o público. É um convite para que Pais e Bebés entrem na Música (e na de Bach em particular) de ouvidos e olhos abertos. O espetáculo tem a duração de 45 minutos e tem um custo associado de três euros por bebé, sendo que os pais não pagam bilhete.