A Administração Regional de Saúde do Algarve celebrou, no dia 18 de agosto, um protocolo de parceria com a Associação para o Planeamento da Família (APF), intitulado «Aquém e Além Margens - Risco Ø», que visa desenvolver atividades e formação em saúde sexual e reprodutiva e deteção precoce da infeção VIH junto de populações mais vulneráveis. O protocolo abrange grupos como homens que têm sexo com homens, trabalhadoras/es do sexo e seus clientes, população sem-abrigo, utilizadores de drogas intravenosas e populações migrantes, no âmbito do Projeto «Aquém e Além Margens - Risco Ø», em processo de Candidatura a Financiamento Público no âmbito do Programa Nacional para a Infeção VIH/sida – SIPAFS (Sistema Integrado de Programas de Apoio Financeiro em Saúde).
Através da assinatura deste protocolo pretende-se promover junto dos públicos-alvo o aumento de conhecimentos acerca de Direitos em Saúde Sexual e Reprodutiva, a prática de comportamentos sexuais saudáveis, contribuindo para a redução dos índices de transmissão da infeção por VIH e outras infeções sexualmente transmissíveis (IST) e para a prevenção da gravidez indesejada, a sua acessibilidade ao Serviço Nacional de Saúde, a material de prevenção e a métodos de contraceção eficazes. Tem ainda como objetivo conhecer o estado serológico da população abrangida perante a infeção por VIH, bem como os determinantes da infeção.
As atividades propostas abrangem a sensibilização e informação, a intervenção em saúde sexual e reprodutiva e na prevenção e deteção da infeção VIH e outras IST, a realizar através do atendimento/aconselhamento e encaminhamento para serviços especializados, da disponibilização de contraceção regular e de emergência e testes de gravidez, da realização do teste rápido VIH, VHB, VHC e Sífilis, da distribuição de preservativos e lubrificantes, da disponibilização de material informativo. Estas atividades serão realizadas recorrendo a vários meios, nomeadamente à Unidade Móvel de saúde sexual e reprodutiva e através de visitas a apartamentos onde se encontrem Trabalhadoras/es do Sexo. As equipas técnicas que intervêm na comunidade serão sempre constituídas por dois profissionais das áreas psicossocial e/ou de enfermagem, com formação especifica nesta área.
O trabalho no âmbito deste protocolo, assinado pelo Presidente do Conselho Diretivo da ARS Algarve, Paulo Morgado e o Presidente Nacional da Associação para o Planeamento da Família, António Filhó, é desenvolvido em colaboração com o Centro de Aconselhamento e Deteção do VIH (CAD) de Faro do Departamento de Saúde Pública e Planeamento da ARS Algarve e o Centro Hospitalar do Algarve e produz efeitos a partir de 1 de setembro.

A Festa de Verão 2017 do Grupo Garvetur | Enolagest, que decorreu no Água Moments, em Vilamoura, no dia 14 de agosto, reuniu cerca de 2100 convidados, com a particularidade de muitos deles serem jovens da geração «millenial». “Foi uma excelente oportunidade para rever amigos e clientes que há mais de 34 anos confiam em nós, quer no setor da mediação imobiliária, quer nos serviços que prestamos para as férias de muitos turistas nacionais e internacionais”, salientou o administrador do grupo, Reinaldo Teixeira, que realçou também “a fusão geracional” que proporcionou aos convidados um contacto descontraído, já que reinou a boa disposição, com a festa a prolongar-se pela noite dentro.


Marcaram presença representantes de várias autarquias do Algarve, bem como os responsáveis das associações empresariais do setor, de cariz internacional, nacional e regional, empresários do setor imobiliário e turístico, da Banca, agentes de viagens, operadores turísticos, campos de golfe, hotelaria e restauração. O empresário aproveitou a ocasião para frisar os bons resultados, não só do Grupo Garvetur Enolagest, cujas previsões de crescimento para 2017 estão já a ser ultrapassadas, na maioria das 38 empresas associadas, com números muito positivos no Algarve e em Lisboa.
Sem desvalorizar o atual “círculo virtuoso de crescimento do Turismo”, Reinaldo Teixeira considera que “o maior desafio ao qual as empresas participadas do Grupo Garvetur | Enolagest procuram responder, na ampla fileira de negócios que englobam, é a adaptação a novas realidades, não só económicas, mas igualmente no tecido social e nos mercados". “As vantagens de um clima ameno durante todo o ano, de um destino de seguro, não invalidam a necessidade de empresários e instituições com poder decisão continuarem a reforçar a imagem positiva de um bom destino para viver e aplicar investimentos e poupanças, em espaços urbanos, zonas turísticas no litoral ou em espaços rurais e ambientais preservados”, concluiu.

A Associação de Municípios Portugueses do Vinho reuniu, na comemoração do seu 10.º aniversário, a caracterização dos atuais 77 municípios seus associados, fazendo um retrato dos territórios com vincada ligação ao vinho e à viticultura e das suas ricas e diversificadas tradições. O livro, com 360 páginas profusamente ilustradas, serve de guia das Regiões Vinícolas Portuguesas – Verdes, Douro, Dão, Beira Interior, Bairrada, Tejo, Lisboa, Península de Setúbal, Alentejo, Algarve, Açores e Madeira – identificando os Municípios vinhateiros, com a caracterização dos seus produtos enológicos, e divulga também um pouco das potencialidades turísticas de cada Concelho.
Lagoa, como associado da AMPV, também faz parte desta obra, onde são destacados os grandes produtores, os eventos relacionados com o vinho e os principais locais do Concelho, ilustrados por imagens que convidam a uma visita. O livro será apresentado no dia 22 de agosto, pelas 19h30, no espaço Lounge da FATACIL, em cerimónia que contará com a presença dos Presidentes da Assembleia e Câmara Municipal de Lagoa, membros do executivo e outras entidades.

No final de agosto, Lagos volta a estar em festa, desta vez para reviver a tradicional Festa do Banho 29, que se transformou, há muito, numa manifestação de caráter popular já enraizada na cultura lacobrigense, sendo um dos principais eventos do município. Como forma de relembrar, reviver e preservar esta tradição, a autarquia preparou para este dia um programa recheado de animação musical, animação de praia, comes e bebes, artesanato e doçaria regional.
Também não vão faltar o Concurso de Trajes de Banho Antigos e o obrigatório banho noturno. O conhecidíssimo Quim Barreiros será o cabeça-de-cartaz desta festa, com entrada livre. O evento conta com o apoio da ACRAL - Associação do Comércio e Serviços da Região do Algarve (Delegação de Lagos), Moto Clube de Lagos, Associação dos Artesãos do Barlavento e Rádio Utopia.
Também na Praia da Luz a Festa do Banho 29 vai acontecer, estando a sua organização a cargo do Clube Recreativo, Cultural e Desportivo Luzense. Entre as 21h e as 3h está prometida muita animação musical com Ruth Marlene, Humberto Silva e DJ Toby One, também com entrada livre.

A 38.ª edição da FATACIL, a maior feira generalista do Algarve e uma das maiores do país, abriu portas, em Lagoa, no dia 18 de agosto. À semelhança de outros anos, todos os dias estão subordinados a um tema específico, sendo o primeiro dedicado ao município de Lagoa. A 19 de agosto é a vez do artesão, prosseguindo a FATACIL com o Dia da Agricultura e Pescas do Algarve (20), do Empreendedor (21), da Gastronomia Algarvia (22), do Cavalo Lusitano (23), do Turismo (24), dos Vinhos do Algarve (25) e do Crédito Agrícola (26). A feira encerra a 27 de agosto com um dia dedicado à criança.
O cartaz do Palco Principal, como de costume, contempla artistas de top nacional capazes de potenciar o reencontro de várias gerações e, depois de Agir animar a multidão no primeiro dia, seguem-se Richie Campbell (dia 19), João Pedro Pais (dia 20), GNR (dia 21), Dengaz (dia 22), Quim Barreiros (dia 23), a dupla Carminho/Tiago Bettencourt (dia 24), Xutos e Pontapés (dia 25), Matias Damásio (dia 26) e D.A.M.A (dia 27).
Na feira estão presentes cerca de 700 expositores, distribuídos por uma área superior a 50 mil metros quadrados, e os motivos para uma visita não se esgotam nos concertos do Palco Principal. De facto, o Setor Equestre já se tornou uma referência nacional e internacional e o elenco de 2017 faz justiça a esse estatuto. O espaço foi inaugurado, na sexta-feira, pelo presidente da Associação Brasileira do Puro Sangue Lusitano, Ismael Silva, momento que antecedeu o espetáculo «Patrimónius». No dia 20, disputa-se uma poule de obstáculos e, no dia seguinte, Francisco Cancella de Abreu realiza a primeira parte de um estágio, com a Vilamoura Equestrian School a efetuar também uma apresentação pública.
No dia 22 acontece a parte final do estágio e, no dia 23 de agosto, decorre uma avaliação estática e dinâmica ao Cavalo Lusitano. Um dos destaques do cartaz tem lugar precisamente nesta noite, o «Patrimónius» com Clemence Faivre, que faz a sua estreia em Portugal. No dia 24 de agosto ocorre uma prova de ensino de Equitação de Trabalho, antes de uma lição equestre ao vivo com Maria Paes do Amaral. No dia 25 de agosto é a vez de uma prova de maneabilidade e velocidade de Equitação de Trabalho e o fim-de-semana volta a acolher o espetáculo «Patrimónius», sendo que, no dia 26 de agosto, será feita uma homenagem ao falecido José Francisco Cruz e Crujo, criador da prestigiada Ganadaria e Coudelaria Varela Crujo e que era uma presença assídua nas corridas de toiros e atividades equestres da FATACIL.
À gastronomia, muita e variada, e aos momentos de animação de rua junta-se a visita obrigatória ao espaço «Amar a Terra», sob a responsabilidade da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. É neste espaço que se podem encontrar os produtos típicos da região como o vinho, o mel, os doces regionais, os enchidos, o figo, a amêndoa, a alfarroba, os citrinos, o artesanato, entre muitos outros. O setor agropecuário dá especial enfase aos criadores de todo o Algarve e, além da mostra de raças nacionais e algarvias, propõe o concurso nacional de ovelha churra algarvia, bem como uma atenção especial ao cão do Barrocal Algarvio.
A vertente agropecuária é, sem dúvida, uma das estrelas da FATACIL e encontram-se 32 stands na zona «Amar a Terra», entre os quais se pode assistir a demonstração ao vivo do artesanato regional. Em parceria com a DOCAPESCA e a Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve vão ser dinamizados showcookings e não falta uma tenda institucional com a presença da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, a DOCAPESCA, os Grupos de Ação Costeira, a Agência Portuguesa do Ambiente, a Universidade do Algarve, o Centro de Ciência Viva e o EuropeDirect, entre outros.
Em termos de entradas, os preços mantêm-se (3,5 euros/dia; 12,5 euros/dia para uma família de quatro pessoas; 20 euros para os 10 dias) e reforçou-se a capacidade de estacionamento em cerca de mil viaturas. Deste modo, a feira conta com um novo parque, junto aos Supermercados Aldi e Apolónia, elevando para sete o número de parques e a capacidade total para perto de quatro mil viaturas. Tudo isto implica um orçamento de 850 mil euros para a edição de 2017 da FATACIL, valor idêntico ao do ano transato.
Texto: Daniel Pina | Fotografia: Daniel Pina

Leia a reportagem completa em:
https://issuu.com/danielpina1975/docs/algarve_informativo__121

Embora tenha começado a dar nas vistas, em 2002, com um romance tradicional, foi na escrita minimalista que Luís Ene se tornou um verdadeiro mestre e «Guru de Algibeira» é disso um perfeito exemplo. Mas mais pequenas histórias estão na calha para verem a luz do dia nos próximos tempos e, depois de «arrumada a casa», é altura de partir para novas aventuras, porque Luís Ene adora, acima de tudo, fazer experiências com as palavras.

Texto: Daniel Pina | Fotografia: Daniel Pina

Foi no renovado Café Aliança, na Baixa de Faro, que encontramos Luís Nogueira, ou Luís Ene, como é conhecido no mundo da escrita, a escrevinhar no seu bloco de notas, enquanto ia bebericando um café. De longo cabelo branco despenteado, pera branca e bigode grisalho, óculos de pensador, t-shirt de espírito jovem, tem mesmo pinta de guru. E foi por causa do «Guru de Algibeira» que nos abeiramos do autor que há cerca de 15 anos se tem dedicado a um formato breve de escrita. Curiosamente, a sua entrada no mundo da literatura deu-se com o romance «A Justa Medida», que venceu, inclusive, a primeira edição do concurso «Novos Talentos», corria o ano de 2002.
Depois do livro ter sido publicado pela Porto Editora, Luís Ene abraçou os blogues, um dos primeiros de Portugal a aderir a esta ferramenta de comunicação, tendo criado o projeto literário «Mil e Uma Pequenas Histórias». “Era uma espécie de diário, todos os dias escrevia uma pequena história, mas mesmo pequena, podia ter três, quatro, cinco linhas, um parágrafo. Levei dois anos e meio até chegar à 1001.ª história, mas cheguei”, recorda, uma aventura que deu, depois, lugar a novo livro. “Hoje, utilizo o Facebook não para colocar fotografias minhas, mas para partilhar textos diários, sempre com um intuito literário. Este livro insere-se um pouco nessa linha, alterei muitas coisas, até pensei em não o publicar, mas decidi ir para a frente porque temos que mostrar aquilo que escrevemos. É essencial que os livros cheguem aos leitores, não por vaidade, mas para que fiquem completos. Está feito, está feito, deixa de ser meu e passa a ser dos leitores”, refere, com o seu modo característico de falar.
Um livro que é anormalmente pequeno, reconhece Luís Ene, num tamanho A6, mesmo de algibeira, com 64 textos, a que se somam outros 14 mais reduzidos, quase frases, e que respondem a questões que o próprio se foi colocando ao longo da vida. “Estão numa determinada ordem, mas aconselho que a leitura seja aleatória. A ideia é as pessoas fazerem uma pergunta – não se vão ganhar o totoloto ou se vão ser felizes com as atuais namoradas –, abrirem o livro numa página qualquer e tentar ver se dali ressalta alguma sabedoria”, indica, um género dos famosos bolinhos da sorte chineses que dão dicas cuja interpretação varia de pessoa para pessoa. “O que está no livro são coisas que toda a gente sabe e sente, mas que nem todos conseguem exprimir por palavras e eu tenho essa facilidade. Aliás, o primeiro título que tinha pensado era «O que eu não consigo explicar, posso sempre escrever». Escrever é algo que me traz alguma paz, sentido e orientação no dia-a-dia”.
Engane-se, porém, quem pensa que escrever pequenas histórias é fácil, do mesmo modo que colocar no papel os pensamentos do quotidiano não está ao alcance de qualquer um. Luís Ene considera, contudo, que tudo é relativo e recorda a experiência do «Mil e Uma Pequenas Histórias». “Escrevendo uma pequena história por dia, ao fim de dois anos e meio tinha 1001 histórias, o que dava umas 500 páginas. Se fizeres uma página por dia, tens 365 no fim do ano, é uma questão de não teres medo de avançar. Gostava de voltar aos romances, mas isso exige muito tempo e concentração. Não consigo estar a escrever, ir fazer outra coisa durante três dias, e depois regressar ao livro, já não estou sintonizado”, admite o entrevistado.

Foi há sensivelmente um mês que se conheceram os vencedores da edição de 2016 do «Ideias em Caixa», concurso desenvolvido pelo NERA em parceria com a ANJE, a Caixa Geral de Depósitos e o IAPMEI. A grande vencedora deste ano foi a Pluralo, plataforma colaborativa que pretende ajudar empresários, agentes e comissionistas que operam negócios de animação turística.

Texto: Daniel Pina | Fotografia: Daniel Pina

Foram anunciados, no dia 14 de julho, os vencedores do Concurso de Ideias de Negócio «Ideias em Caixa 2016», promovido pela Associação Empresarial da Região do Algarve (NERA), Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), Caixa Geral de Depósitos e Agência para a Competitividade e Inovação, I.P. (IAPMEI). O objetivo do concurso é fomentar a iniciativa empresarial e o empreendedorismo qualificado e inovador, em especial nos setores de referência da RIS3 Algarve, nomeadamente «Turismo», «Mar», «Agroalimentar», «Economia Verde», «Saúde e Ciências da Vida» e «TIC e Atividades Culturais e Criativas».
De um extenso lote de participantes, destacou-se a Pluralo, uma plataforma colaborativa que pretende criar uma ferramenta que dê assistência a empresários, agentes e comissionistas do ramo da animação turística, ou seja, que ajude na gestão das operações diárias destas empresas, dando suporte às vendas nos múltiplos canais de distribuição dos tempos modernos. “As empresas vendem os seus serviços nos agentes comissionistas, nas suas plataformas online e nos seus balcões de venda direta, mas sentem uma grande dificuldade em conseguir gerir toda esta informação em tempo real, de uma forma simples e rápida, ao mesmo tempo que procuram melhorar as experiências vividas pelos seus clientes. Este projeto tem alguns sócios ligados precisamente à animação turística que sentiam este problema e verificamos que existia aqui uma oportunidade de mercado para desenvolver a Pluralo”, explica Natacha Parreira, licenciada em Novas Tecnologias de Comunicação e que foi consultora durante vários anos nos ramos da tecnologia e design. 
Depressa se compreendeu, igualmente, que esta plataforma faria mais sentido se envolvesse um grande número de agentes, de empresários, unidos por uma dificuldade comum. E depressa se percebeu, também, que estes empresários estavam dispostos em fazer parte de um projeto que pretende ser colaborativo, onde todos possam ganhar uns com os outros, até porque os «segredos do negócio» de cada um estão perfeitamente salvaguardados. “Não precisamos ter acesso a informações sensíveis para conseguirmos desenvolver este produto. Convidámos várias empresas para integrar a fase-piloto, que está a decorrer neste momento, porque não queríamos criar um produto com base naquilo que já conhecíamos do mercado, ou naquilo que achávamos que o mercado sentia. A ideia era que as empresas e os agentes partilhassem as suas experiências e problemas do dia-a-dia, contribuindo com sugestões para um software que desse resposta às suas necessidades”, refere a entrevistada, à conversa na Marina de Albufeira.
De facto, vive-se uma época de partilha, de se trabalhar em rede, de se criar parcerias, não fazendo sentido monopolizar conhecimentos que possam contribuir para o desenvolvimento de todos. É neste cenário que a Pluralo tem crescido, mesmo sabendo-se que algumas pessoas podem ser mais resistentes a esta partilha de informação. “Contudo, aqueles que querem dar o salto para um patamar superior, que querem passar para o próximo nível, sejam pequenos, médios ou grandes empresários, alteram a sua abordagem, a sua filosofia. Para se dar esse passo é preciso construir em conjunto e o nosso foco está na vertente tecnológica, não estamos interessados em fazer concorrência a quem opera na animação turística. Essas empresas também estão concentradas em prestar o melhor serviço possível aos seus clientes e não propriamente em desenvolverem ferramentas tecnológicas, portanto, há uma boa conjugação de interesses”, observa Natacha Parreira.

Pelo quarto ano consecutivo, o Centro Histórico de São Brás de Alportel foi anfitrião do «Calçadas – A Arte sai à Rua», no dia 14 de agosto, com um programa recheado de música, dança, poesia, teatro, design, escultura, fotografia, artesanato, doçaria e petiscos. A iniciativa é da Câmara Municipal de São Brás de Alportel, organizada em parceria com a «Comissão Calçadas», um grupo informal da comunidade são-brasense que voluntariamente se empenha todos os anos na concretização deste evento que também faz parte do Plano de Revitalização do Centro Histórico de São Brás de Alportel.
O «Calçadas 2017» começou com a atuação, no adro da Igreja, do Grupo de Folclore da Casa do Povo de Santa Cruz, do Arquipélago da Madeira e, poucos minutos depois, era a vez dos fadistas César Matoso e Sara Paixão pisarem o Palco Praça Velha, acompanhados pelos virtuosos da guitarra portuguesa e viola, os são-brasenses Ricardo Martins e Nuno Martins. Entretanto, no Palco Vila Adentro, escutava-se a música do grupo «Cante Andarilho», de São Brás de Alportel, que combina a música tradicional portuguesa com as influências da world music. Em simultâneo, no «À do Calçadas», era o duo Luke Redmond e Luís Oliveira que interpretava os seus temas originais.
Com os primeiros artistas da noite em ação, o Centro Histórico de São Brás de Alportel ganhava uma moldura humana cada vez maior, com os residentes e os turistas, nacionais e estrangeiros, a aproveitarem para comprar peças originais de artesanato ou provarem os deliciosos doces regionais, mas também para assistir a diversas manifestações de arte, fosse no Centro de Artes e Ofícios, na Biblioteca Municipal ou no número 7 da Rua Ferreira de Almeida, que acolhia o movimento artístico «Espreitarte» da Peace and Art Society. Mas as ruelas davam a conhecer também a arte ao vivo de Brígida Banha, as Rendas de Bilros ou as «Formas de Arte» nos armários de distribuição de eletricidade.
No Palco Adro da Igreja foi a vez da Escola de Dança Municipal apresentar o trabalho desenvolvido pelos seus alunos, a que se seguiu as atuações da Companhia de Dança do Algarve e do projeto Movingstar. No Palco Praça Velha, o fado deu lugar às histórias do cantautor brasileiro Thomas Bakk e, mais tarde, do músico Fernando Leal. Música trouxe-nos também o irlandês Appo, no Palco Vila Adentro, com a sua voz áspera e temas bens construídos. Este era, aliás, o palco destinado aos ritmos mais mexidos e, já depois da meia-noite, o britânico Daniel Kemish interpretou as canções do seu álbum de estreia «Fools and Money».
Ali bem perto, no «À do Calçadas», atuaram igualmente Botas & Candeias e o DJ Miká, mas outro espaço deu nas vistas por esta hora, o «Calçadinha», onde se escutaram histórias de arrepiar pelas vozes tenebrosas de Maria José Carocinho e Fernando Guerreiro. Outras histórias, mais divertidas, tinham feito as delícias dos pequenotes no Espaço Infantil da Biblioteca, com o espetáculo «Uma escuridão bonita» da Associação Cultural UMCOLETIVO. “É um evento que reúne todas as condições para ser apelativo aos residentes e visitantes, com artesanato e petiscos, músicos e artistas, num ambiente bastante agradável, quase familiar”, observa Vítor Guerreiro, presidente da Câmara Municipal de São Brás de Alportel.
Música e arte em palcos improváveis, pois São Brás de Alportel tem, de facto, muitos espaços que podem ser aproveitados para acontecimentos culturais, reconhece o autarca. “Existem vários recantos no Centro Histórico ideais para música, dança, poesia e o «Calçadas» é uma semente que dá frutos para a economia local, mas também um exemplo do que poderemos vir a fazer no futuro”, frisa Vítor Guerreiro, aproveitando para destacar o empenho dos cidadãos anónimos que compõem a «Comissão Calçadas». “A Câmara Municipal dá todo o apoio necessário, em termos monetários e logísticos, mas quem acaba por fazer o trabalho de seleção dos participantes e de organização do espaço é um grupo informal que tem vindo a juntar diversas pessoas de diferentes sensibilidades artísticas. A nossa comunidade é muito ativa e o mentor do «Calçadas» até é um lisboeta que se mudou para São Brás há cerca de 15 anos, o Rui Medina”, revela, antes de regressar à moldura humana que, por esta hora, já preenchia quase por completo as ruas do Centro Histórico de São Brás de Alportel. 

Texto: Daniel Pina | Fotografia: Daniel Pina

A Festa em Honra de Nossa Senhora da Orada é uma tradição que vem de longe e que todos os anos reúne centenas de pessoas em Albufeira para agradecer e pedir a proteção da Virgem, conhecida por abençoar os pescadores da terra. De 7 a 11 de agosto, a Igreja Matriz acolheu Eucaristias, às 9h e às 21h e, no dia 12, houve Eucaristia pelas 18h e, às 21h, a Missa foi seguida de Procissão até à Ermida da Orada, onde decorreu o Terço da Família. Em Olhos de Água, a Eucaristia teve lugar às 20h. A 13 de agosto, às 21h, foi a vez da Adoração Eucarística e Oração do Terço com os pescadores na Ermida da Orada.
Os festejos culminaram com um grande programa no Largo da Ermida de Nossa Senhora da Orada, junto à Marina de Albufeira, no dia 14 de agosto. Às 15h15 houve oração do Terço, na Ermida da Orada, seguida de Eucaristia Solene, às 16h. A partir das 17h15 os barcos reuniram-se numa procissão pelo mar, onde foi venerada a Imagem de Nossa Senhora da Orada. À noite, o Largo da Nossa Senhora da Orada acolheu um espetáculo musical com o fadista Ricardo Ribeiro.
As festividades encerraram no dia 15 de agosto – dia Santo – com solenes Eucaristias na Igreja Matriz, pelas 10h, na Quinta da Balaia, às 11h30, e às 19h na Ermida da Orada.


De 11 a 15 de agosto, Castro Marim esteve ao rubro com as Festas em Honra de Nossa Senhora dos Mártires, padroeira desta vila raiana. As celebrações mais emblemáticas para a população deste concelho do extremo do sotavento recebem milhares de visitantes, pela força e beleza do momento religioso e pela excelência do cartaz musical, este ano abrilhantado pela atuação de Mickael Carreira.
Depois de 18 anos longe do coração de Castro Marim, as Festas em Honra de Nossa Senhora dos Mártires regressaram, em 2016, ao seu local original, conferindo-lhe uma maior familiaridade e envolvência com a comunidade local, mas também uma reaproximação da sua essência, sobretudo religiosa, e cujo ponto alto teve lugar, no dia 15 de agosto, com a Procissão em Honra da padroeira castro-marinense. Às celebrações religiosas juntaram-se o artesanato, a etnografia, a gastronomia e a animação musical.
Pelo palco da Praça 1.º de Maio passaram as ARUTLA, «Baby Lores & Luís», «ALBuhera» e Mickael Carreira. No arranque das comemorações, e de forma a assinalar o Dia Internacional da Juventude, realizou-se uma Color Run e Festa da Espuma, numa iniciativa de um grupo de jovens de Castro Marim com o apoio da autarquia local, da Associação Rodactiva e do Motoclube «Os Piratas». Outras novidades de 2017 foram as atividades desportivas, nomeadamente o futebol, que era uma prática comum nestas comemorações. Assim sendo, disputou-se o torneio anual de futsal «Nelson Solá», numa homenagem póstuma do Castromarinense ao seu antigo jogador. As Festas em Honra de Nossa Senhora dos Mártires têm a organização da Câmara Municipal de Castro Marim e da Paróquia de São Tiago e o apoio das Associações Locais.


A freguesia de Ferragudo esteve em festa em honra da sua padroeira, Nossa Senhora da Conceição, com uma procissão pelas águas do Rio Arade, no dia 15 de agosto, ao som da Banda Filarmónica Portimonense. O percurso teve ponto de partida junto ao Instituto de Socorro a Náufragos de Ferragudo, seguindo até ao cais da Marinha e retornando para a Praia Grande. Neste ponto, a procissão retomou o seu trajeto terrestre no Salva-Vidas, onde se realizou a bênção das embarcações e pescadores. Depois deste momento, a procissão percorreu as ruas de Ferragudo em direção ao Largo Rainha Dona Leonor e à igreja.
A par do programa religioso, houve mais festa no Jardim do Regato, com uma noite de fados, a 14 de agosto, com Teresa Viola e Pedro Viola, antes de se escutar a música popular do grupo de cantares Fonte Nova. No feriado, 15 de agosto, depois de concluída a procissão, houve arraial no mesmo local, com os Companhia Limitada e Cathy e suas bailarinas. A finalizar as festividades, teve lugar um espetáculo de fogo-de-artifício na zona ribeirinha de Ferragudo, ao bater das 12 badaladas.
As festas em honra de Nossa Senhora da Conceição contaram com o apoio da Câmara Municipal de Lagoa, da Guarda Nacional Republicana de Lagoa, dos Bombeiros Voluntários de Lagoa, da Capitania do Porto de Portimão, do Instituto de Socorros a Náufragos e empresários, comerciantes, pescadores e população de Ferragudo.

Texto: Daniel Pina | Fotografia: João Conceição, Kátia Viola, Câmara Municipal de Albufeira e Câmara Municipal de Castro Marim






Vai ter lugar este sábado, 19 de agosto, pelas 19h, a cerimónia de lançamento da primeira pedra do edifício da nova Creche/pré-escola de Almancil, um projeto da ASCA – Associação Social e Cultural de Almancil, financiado também pela Câmara Municipal de Loulé e pelo Grupo IKEA.
Localizado na Rua do Centro Comunitário, este estabelecimento de apoio à infância terá capacidade para receber 157 crianças com idades compreendidas entre os 0 e os 5 anos. Irá integrar um berçário; uma sala-parque equipada com brinquedos adequados para a estimulação sensorial e motora das crianças; copa de leites e fraldário; duas salas divididas entre idades (1-2 anos, 2-3 anos); e uma sala de atividades diversas. Já na área onde irá funcionar a pré-escola, existirão duas salas de atividades para crianças com idades entre 3 e 4 anos e duas salas para crianças com idades entre os 4 e os 5 anos de idade.
O espaço será complementado por um anfiteatro e diversas áreas de recreio exteriores e jardim reservados para as brincadeiras. As instalações ficarão totalmente equipadas e preparadas para receber crianças de Almancil e freguesias vizinhas, cujos pais e familiares necessitem deste apoio durante o dia. De acordo com o presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vítor Aleixo, este é mais um equipamento que vem reforçar a rede social e educativa do Concelho e que se reveste de especial importância numa freguesia com uma população jovem e em acelerado crescimento demográfico, mas também com muitas famílias de migrantes. A obra terá um valor total de 1,5 milhões de euros.

Está de volta o maior festival de folclore do Sul de Portugal, o FOLKFARO, que promete inundar a cidade de Faro, e muitas outras localidades algarvias, com o colorido das músicas e danças do mundo, de 19 a 27 de agosto. Trata-se de uma organização anual do Grupo Folclórico de Faro, que conta com o apoio principal do Município de Faro e que vai já na sua 15.ª edição.
Estarão representadas as músicas, danças e trajes de povos de diferentes continentes, através de grupos provenientes de sete nações. Mais de 300 participantes, entre bailadores e músicos, irão mostrar a riqueza das tradições populares das suas terras. «Povos, Culturas e Tradições!...» é o lema da edição deste ano e os grupos presentes foram selecionados entre mais de uma centena de propostas recebidas pela organização, estando confirmados os Folk Ensemble Madara (Shumen), da Bulgária; os Ensembles Murager e Inju Marzhan (Atyrau), do Cazaquistão; o Grupo Folklórico Costa Rica (Asserri), da Costa Rica; o Gruppo Gergent (Sicília), da Itália; o Ballet Folklórico de Orizaba (Orizaba), do México; e o Ensemble Warszawianka (Varsóvia), da Polónia. Para além dos grupos internacionais, também as tradições portuguesas estarão bem representadas por prestigiados grupos folclóricos de diversas regiões de Portugal: Grupo Tradicional «Os Casaleiros» - Azambuja; Rancho Folclórico Rosas do Lena – Batalha; Grupo Folclórico de São Torcato – Guimarães; Grupo Etnográfico da Serra do Caldeirão – Cortelha (Loulé); Rancho Folclórico da Casa do Povo da Conceição de Faro; Grupo Folclórico de Faro (organizador) – Adulto, Infantil e Cancioneiro.
A Gala de Abertura no Teatro das Figuras, na noite de 19 de agosto (21h30), com todos os países participantes, marcará o arranque de nove intensos dias, repletos de espetáculos e inúmeras atividades, naquele que é um dos acontecimentos mais aguardados no Verão cultural de Faro. Esta Gala contará com as participações especiais da CDA - Companhia de Dança do Algarve e da cantora Sandra Cristo, a apresentação do grupo anfitrião e a estreia de todos os seis grupos internacionais convidados.


Os espetáculos diários regressam este ano ao Palco do Passeio da Docas, entre 20 e 27 de agosto, em simultâneo com a Feira dos Doces, Frutos Secos e Bebidas Regionais. Em cada uma dessas noites, atuarão sucessivamente os diversos grupos estrangeiros, como também diversas participações especiais: Clube de Danças João de Deus, Associação S. Brás Bailando, Grupo «Amar Guitarra» e Fado com Cátia Alhandra acompanhada por José Alegre e Rafael Pacheco. O FolkFaro apresenta ainda diversos espetáculos nas freguesias de Faro e nos concelhos de Loulé, Olhão, S. Brás de Alportel, Albufeira, Tavira e Silves, num total de 15 localidades.
As Animações de Rua, na baixa e no Mercado Municipal, assim como os desfiles dos grupos da Pontinha ao Passeio da Doca, e as animações musicais na «Tertúlia Algarvia» irão trazer um ambiente de alegria e a festa à cidade. Os Programas Especiais para crianças na Biblioteca e no Refúgio Aboim Ascensão, os programas para idosos em diversas instituições e um programa especial para os reclusos no Estabelecimento Prisional reforçam a componente social do festival. Os Ateliers de Dança na Escola EB 2,3 Santo António irão permitir, aos mais curiosos, aprender e praticar um pouco das danças do mundo através dos grupos que nos visitam. A Celebração Ecuménica na Igreja da Sé, no último dia, com uma mensagem de paz e união entre os povos, constitui também motivo de interesse deste festival.
Recorde-se que o FOLKFARO é o único festival do sul de Portugal com a certificação internacional do CIOFF – Conselho Internacional das Organizações de Festivais de Folclore e Artes Tradicionais, uma organização não-governamental com relações formais de consulta com a UNESCO, criada em 1970 com o objetivo de salvaguardar a promoção e difusão da cultura tradicional e do folclore. Está atualmente representado em mais de 70 países e reúne mais de 250 festivais internacionais em todo o mundo. 

No dia 12 de agosto, a Câmara Municipal de Loulé, em colaboração com o Club BTT Terra de Loulé, organizou mais uma edição do emblemático passeio de BTT «TransAlgibre», uma homenagem ao professor Arménio Fernandes, o grande impulsionador desta modalidade na região e o mentor do percurso que segue a ribeira de Algibre. A meio da manhã, elementos da direção do clube, atletas e representante do Município depositaram no cemitério de Loulé uma coroa de flores em sua memória.
Face ao calor que se faz sentir nesta altura do ano, a organização optou por realizar o passeio ao final do dia, pelas 19h, proporcionando uma experiência diferente aos participantes. O percurso com perto de 60 quilómetros teve início junto ao acesso à Praia da Falésia e, minutos antes da partida, um «briefing» explicou o tipo de marcações e alguns locais a ter em conta, pois era necessário atravessar algumas estradas ao longo de um trajeto que é sempre ligeiramente a subir, tendo como ponto de passagem mais alto, em Clareanes, a 320 metros de altitude.
Houve três zonas de abastecimento, o na Fonte de Paderne, em Algibre e na Fonte Filipe. No final, no Parque Municipal de Loulé, foi servido a ceia aos participantes, composto por porco no espeto e sardinha assada, com muito convívio, o que levou muitos a ficar no local pela noite dentro.

O Município de Albufeira assinala o seu feriado municipal, data que simboliza a entrega da Carta de Foral, em 1504, pelo rei D. Manuel I. Este ano, o programa volta a começar mais cedo, no dia 18, com uma Sessão Solene dirigida aos deputados da Assembleia Municipal de Albufeira, que serão alvo de uma homenagem no âmbito do mandato que compreende as Comemorações dos 40 Anos do Poder Local Democrático. A homenagem terá início às 17h, no Auditório Municipal, e vai envolver os 148 deputados que desempenharam funções desde o 25 de abril.
No dia 19, sábado, realiza-se a 12.ª Prova de Mar de Albufeira, na Praia dos Pescadores, às 11h30. Trata-se de uma organização do Futebol Clube de Ferreiras que conta com ao apoio da Câmara Municipal de Albufeira, da Associação de Natação do Algarve, Junta de Freguesia de Albufeira e Olhos de Água, Marina Yatch Club e Surf Clube de Albufeira.
No dia 20, Dia do Município de Albufeira, as cerimónias oficiais têm início às 9h30, com o tradicional Hastear das Bandeiras, junto aos Paços do Concelho, ao som do Hino Nacional interpretado pela Banda da Sociedade Musical e Recreio Popular de Paderne. A Guarda de Honra será feita pelos Bombeiros Voluntários e a Fanfarra desfilará pelas ruas da cidade. Pelas 10h30 será inaugurado o Moinho do Cerro do Malpique, alvo de uma intervenção com o objetivo de recuperar este elemento marcante na imagem de Albufeira, que possui uma localização privilegiada, sendo avistado por quem entra na cidade pela sua estrada principal.
A encerrar o programa da manhã está agendada uma visita à obra de beneficiação do Parque Verde Urbano na Entrada Principal da Cidade, onde foi construído um novo espaço com parque infantil, equipamento multigeracional e de crossfit, praça central com bancos, e foram ainda plantadas 155 espécies arbóreas. Às 18h será apresentado o Programa de Fim de Ano, no hotel Alísios. Aproveitando a elevada ocupação turística da região, a Câmara Municipal e a APAL – Agência de Promoção de Albufeira procuraram unir esforços para fechar a programação do evento o mais cedo possível, correspondendo assim às solicitações dos empresários, que têm agora mais tempo para promover o cartaz do Réveillon 2017/2018.
À noite, pelas 22h30, Ana Moura subirá ao palco da Praça dos Pescadores para um espetáculo único e emotivo. A artista é uma das fadistas portuguesas da atualidade com mais sucesso a nível nacional e internacional. Com um disco lançado no final de novembro do ano passado, «Moura», a cantora vem a Albufeira interpretar os novos temas, sem esquecer os grandes êxitos conhecidos por todos os portugueses. Às 24h, os céus da cidade serão coloridos com a tradicional sessão de fogo-de-artifício na Praia dos Pescadores, que marca o encerramento do Dia do Município de Albufeira.

Integrado nas Festas de Verão da União das Freguesias de Moncarapacho e Fuseta, José Cid vai atuar em Moncarapacho, no dia 18 de agosto, num concerto intimista a solo, apenas com o seu piano. O palco está montado na Praça Major João Xavier de Castanheda (Largo da Junta) e, antes do concerto de José Cid, realiza-se um baile com os Bailasons, com início às 21h30. A organização é da União das Freguesias de Moncarapacho e Fuseta.



O Ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, vai estar no auditório do Centro Autárquico de Quarteira, no dia 21 de agosto, pelas 11h30, para apresentar o plano de implementação de um Laboratório Vivo para a Descarbonização nesta cidade. Recorde-se que a candidatura do Município de Loulé ao Fundo Ambiental foi uma das 12 aprovadas pelo Governo português para receber este projeto de grande alcance para a promoção da defesa ambiental.
Com este Laboratório pretende-se fomentar a descarbonização das cidades através de soluções tecnológicas que aumentem a eficácia e reduzam o consumo de energia, contribuindo para criar cidades inovadoras, sustentáveis e inclusivas, que melhorem a qualidade de vida dos cidadãos.


O projeto «Turismo em Zonas de Baixa Densidade (Baixo Guadiana)», já se encontra na sua reta final e os resultados começam a ser visíveis, estando já disponível para download o «Guia de Apoio ao Empresário». Lançado na Primavera de 2016, a meta é conhecer o posicionamento da oferta nos mercados internacionais e concertá-la com o setor empresarial da região, focand-se num turismo sustentável e que pretende combater a sazonalidade através de uma grande oferta: o Turismo de Natureza.
O «Guia de Apoio ao Empresário» é uma ferramenta de trabalho para todos os agentes económicos que, no território de Baixa Densidade do Baixo Guadiana, exercem a sua atividade no setor do turismo. Aponta direções e tenta agilizar informações, processos e metodologias aos empresários e potenciais empresários e/ou investidores do e no Baixo Guadiana. O documento compila informações úteis em contexto de promoção externa; informações sobre as tendências atuais no turismo e mercados internacionais; propostas de atuação e organização do tecido económico; redes, parcerias e a oportunidades de apoio e incentivo.
O documento encontra-se disponível  para download em: https://mega.nz/#!9WJhnTzS!QHFL3VamUCAU6k9fW3hnqKvR-W3dziA7z4s-KH9arRc. “O objetivo deste documento é valorizar a identidade e recursos distintivos do Baixo Guadiana e, em conjunto, desenvolver abordagens aos mercados de forma mais atrativa e assertiva, afirmando-nos como destino turístico autêntico e de qualidade ímpar”, atesta o Diretor da Odiana, Valter Matias. A recordar que, neste âmbito, o projeto lançou até à data um total de sete sessões, desde temáticas sobre linhas de apoio, matchmaking, boas práticas, capacitação para a internacionalização (entre outras), tendo como eixo basilar o combate à sazonalidade e as assimetrias entre o litoral e as baixas densidades. Em fase de conclusão será produzido também um vídeo promocional, dirigido aos mercados internacionais, que convida o visitante a conhecer o que de mais genuíno existe no Baixo Guadiana.

A Câmara Municipal de Loulé felicitou publicamente o Louletano Desportos Clube e o seu atleta Vicente de Mateos pela prestação na 79.ª Volta a Portugal em Bicicleta, a maior prova velocipédica do país. Na classificação geral, o ciclista espanhol ao serviço da equipa algarvia conquistou o primeiro lugar por pontos, envergando, assim a Camisola Verde. Vicento de Mateos subiu ao pódio na classificação geral individual, alcançando o terceiro lugar, logo atrás de Raul Alarcon Garcia e de Amaro Antunes, ambos do W52/FC Porto.
Por equipas, o Louletano-Hospital de Loulé conseguiu um honroso sexto lugar. Para os responsáveis autárquicos, esta prestação na Volta a Portugal constitui um orgulho imenso para o Município de Loulé, não só porque vem premiar o trabalho do Louletano e de todos os seus atletas, mas também pelo contributo para a projeção do nome do Concelho de Loulé. Por outro lado, sendo o ciclismo uma modalidade com grande tradição e fortemente enraizada no Concelho, bastante acarinhada por todos os louletanos, estes resultados têm ainda maior impacto junto da comunidade e dos responsáveis por este Município.

Vai decorrer, de 21 a 26 de agosto, a 7.ª edição do FARCUME – Festival Internacional de Curtas-Metragens de Faro, tendo como palco a Sociedade Recreativa Artística Farense «Os Artistas», situado na Rua do Montepio, n.º 10. As sessões terão início todos os dias às 21h30 e este ano, fruto dos apoios conseguidos, serão de entrada livre.
O festival é da responsabilidade da FARO 1540 – Associação de Defesa e Promoção do Património Ambiental e Cultural de Faro e regressa ao local que o viu nascer e que tem sido seu parceiro desde a primeira hora. Para além disso, o certame passa dos habituais quatro dias, para seis dias de cinema de curta-metragem. Ao todo, foram recebidos cerca de 1500 curtas-metragens, oriundas dos quatro cantos do mundo, tendo a organização selecionado para exibição perto de duas centenas de trabalhos, o que representa quase 30 horas de cinema repartidas por quatro categorias: Animação, Documentário, Ficção e Videoclips.
À semelhança do que sucedeu em 2016, houve um número significativo de curtas-metragens portuguesas a concorrer e a serem selecionadas para exibição. Para além de Portugal, que volta a ser o país mais representado, estão selecionados filmes de 40 países, entre eles Espanha, Alemanha, França Itália, EUA, Canada, Argentina, Peru, Bolívia, Brasil, Irão, Iraque, India, China, Israel, Austrália e Azerbeijão. O objetivo do FARCUME passa por procurar, dentro de um ambiente informal, bem-disposto e descontraído, premiar e reconhecer a dedicação, o empenho, a criatividade e o mérito dos realizadores, atores e equipas técnicas que, sem terem os orçamentos da indústria cinematográfica de Hollywood, executam excelentes trabalhos mas que nem sempre têm a divulgação desejada e merecida.

O Centro Cultural de Lagos apresenta, pela primeira vez em Portugal, o documentário «Gurumbé, Canciones de Tu Memória Negra», pelas 21h30 do dia 23 de agosto, por ocasião do Dia Internacional da Memória do Tráfico Negreiro e da sua Abolição. Da autoria do realizador e antropólogo andaluz Miguel Angel Rosales, e falado em espanhol, o documentário será projetado com legendas em inglês.
A obra pretende resgatar do esquecimento o contributo das populações negras para a história e cultura da Andaluzia, especialmente entre os séculos XVI-XVIII. A propósito, destaca-se que, no século XVI, a população negra representava 10 por cento da população de cidades portuárias como Sevilha ou Lisboa. Se assumimos, sem entraves, a herança cultural islâmica, a investigação demonstra agora o contributo das populações negras para a riqueza cultural que caracteriza os povos ibéricos, justificando-se inteiramente esse reconhecimento.
O ponto de partida deste documentário andaluz é o porto de Lagos e a descoberta de 158 esqueletos na lixeira urbana medieval e moderna, descoberta que veio corroborar o papel ativo de Portugal e de Lagos no tráfico negreiro. Na apresentação estará presente o realizador Miguel Angel Rosales, num espaço de debate que pretende essencialmente promover os comentários do público e recolher as suas impressões. Encerra-se a jornada com o quadro flamenco da «bailaora» londrina Yinka Esi Graves, com raízes no Gana e na Jamaica, para quem, nas suas próprias palavras, o documentário permitiu reconciliar a sua cabeça com o seu coração e que, com os seus bailes, contribui para resgatar a herança da dança africana no baile flamenco.

O largo da Fundação Manuel Viegas Guerreiro, em Querença, vai ser palco de um concerto da Orquestra Clássica do Sul, no dia 18 de agosto, pelas 22h, durante o qual será homenageado Luís Guerreiro, presidente desta Fundação, falecido esta semana. «Portugal, a Terra e o Mar» é o mote para este espetáculo conduzido pelo Maestro Titular Rui Pinheiro.
Neste momento musical serão apresentadas obras de Cherubini (Hospedaria Portuguesa), Honegger (Pastoral de Verão), Mendelssohn (As Grutas de Fingal), Tomás de Lima (3 cenas Algarvias) e Freitas Branco (Fandango). A Orquestra pretende, desta forma, evocar a memória, através da música erudita, de um dos nomes que mais se destacaram na investigação histórica e cultural da região nos últimos anos, prestando-lhe a devida homenagem na terra que o viu nascer. O concerto é aberto ao público e tem entrada livre.

Esta quarta-feira, a partir das 22h, a Praça Marquês de Pombal, em Vila Real de Santo António, recebe uma homenagem aos atletas algarvios que brilharam na 79.ª Volta à Portugal em Bicicleta: Amaro Antunes, Samuel Caldeira (naturais de Vila Real de Santo António) e Ricardo Mestre (todos da equipa W52-FC Porto).
A W52-FC Porto foi a vencedora da edição de 2017 da prova rainha do ciclismo em Portugal, tendo o atleta vila-realense Amaro Antunes garantido igualmente o primeiro lugar na geral da montanha (camisola azul) e o segundo lugar na classificação geral da volta. Amaro Antunes é também o líder do novo projeto de ciclismo de estrada algarvio – o «Clube de Ciclismo Amaro Antunes» -, equipa que está sediada em Vila Real de Santo António e pretende reativar a modalidade no concelho e dar resposta ao crescente número de praticantes.
O município de Vila Real de Santo António é atualmente um dos patrocinadores e impulsionadores desta equipa local, que surge também com o objetivo de apostar na formação das camadas jovens, sendo prioridade a constituição de uma escola.


Ao último dia do 32.º Festival do Marisco de Olhão, o Jardim Pescador Olhanense foi pequeno para acolher a verdadeira multidão que ali acorreu para saborear os melhores marisco s e bivalves e assistir ao concerto de Seu Jorge. A edição deste ano ultrapassou a meta das 50 mil visitas, proposta pela organização. “Estamos muito satisfeitos com a forma como decorreu esta edição do Festival do Marisco. É com imenso prazer que, ano após ano, recebemos de braços abertos as dezenas de milhares de pessoas que nos visitam. Vamos agora recuperar energias e, brevemente, começar já a trabalhar na edição de 2018”, anunciou o presidente da Autarquia, António Miguel Pina, na derradeira noite do Festival.


O certame, uma iniciativa do Município de Olhão, organizada pela empresa municipal Fesnima, afirma-se após ano como o maior evento gastronómico a sul de Portugal: nesta edição, foram consumidas mais de 10 toneladas de mariscos e bivalves. Camarão, sapateira, amêijoas e ostras foram os mais procurados, cozinhados ao natural, ou em paella, arroz e açorda, como só os olhanenses sabem. No que diz respeito ao cartaz musical, a organização considera que as escolhas para este ano foram “apostas ganhas”, tendo em conta as enchentes verificadas ao longo dos seis dias do evento. Passaram pelo palco do Festival do Marisco Tony Carreira, Richie Campbell, D.A.M.A, Diogo Piçarra, Nelson Freitas e Seu Jorge. “A programação deste ano procurou ser o mais eclética possível, como, de resto, tentamos que seja todos os anos, de forma a agradar e atrair um número diversificado de públicos. Este ano, esse objetivo foi particularmente bem conseguido, e prova disso foram as enchentes verificadas do primeiro ao último dia”, sublinha o presidente da Câmara Municipal, António Miguel Pina.


O Festival do Marisco de Olhão contou este ano com as visitas do Primeiro-Ministro, António Costa, do Ministro das Finanças, Mário Centeno, e do Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. Outro dos pontos altos foi a passagem pelo certame do elenco da nova novela da SIC, Paixão, que vai para o ar já em setembro, e é rodada em vários pontos do Algarve, entre os quais Olhão. Projetar a Ria Formosa, a cidade e o concelho de Olhão e promover a sua economia e turismo são os objetivos sempre renovados da iniciativa da Câmara Municipal, organizada pela Fesnima.



No próximo dia 25 de agosto, pelas 20h30, a Let’s Go Run e as Corridas à 6.ª Feira vão organizar a 4.ª edição da Corrida Branca, este ano em véspera da famosa Noite Branca de Loulé. O evento tem como parceiros o Aquashow e o Pestana Vila Sol e conta com o apoio da Câmara Municipal de Loulé e da Junta de Freguesia de Quarteira.
Aproveitando a presença no Algarve de milhares de turistas e o excelente tempo que ainda se faz sentir, com noites quentes e muito agradáveis, a Let’s Go Run e as Corridas à 6ª Feira idealizaram uma corrida / caminhada que juntasse o desporto e atividade física ao convívio e lazer, tirando o melhor partido das infraestruturas existentes na região. Feito o convite ao parque de diversões Aquashow e empreendimento de golfe Pestana Vila Sol, foi possível desenhar um interessante traçado com duas distâncias alternativas de oito e 12 quilómetros, que une os dois empreendimentos, sendo desta forma possível iniciar e terminar a corrida / caminhada numa piscina de ondas e pelo meio atravessar os muito exclusivos e muito reservados campos de golfe.
Estes eventos são inteiramente gratuitos para os participantes e dispensam qualquer formalidade de inscrição. A única obrigação é terem uma t-shirt branca e fazerem-se acompanhar de uma luz, pois o percurso tem partes bastante escuras. É aberto a todas as idades, pois o grau de dificuldade é fácil. A participação a portadores de mobilidade reduzida é condicionada num ponto do percurso, sendo necessária a ajuda de duas pessoas. Está vedada a participação a animais de estimação dentro do parque do Aquashow. A abertura das portas ocorrerá pelas 20h e o aquecimento e partida para ambos os percursos faz-se pelas 20h30, com final previsto para as 23h. 

No âmbito das medidas sociais promovidas pela Câmara Municipal de Loulé de apoio ao associativismo e às atividades desenvolvidas pelas instituições particulares de solidariedade social, a Autarquia atribuiu um montante de 727 mil e 531,53 euros, através da celebração de contratos-programa com 23 instituições. À semelhança do que aconteceu com as associações desportivas e culturais, com este pacote de apoios a Autarquia pretende apoiar a atividade social, manutenção e conservação do edificado, materiais e equipamentos genéricos, equipamento informático e aquisição de viaturas, contribuindo, assim, para o importante trabalho levado a cabo por estas entidades junto da população.
Celebraram estes contratos-programa a ASCA, ASMAL, Associação Bem-Estar Amigos de Querença, Associação Esperança e Paz, Associação Humanitária Alzheimer/Parkinson, Associação Social de Benafim, Associação Social e Cultural da Tôr, Casa da Primeira Infância, Casa do Povo do Ameixial, Centro Comunitário Vale Silves, Centro de Animação da Freguesia de Alte, Centro de Apoio à Criança de Quarteira, Centro Paroquial de Quarteira, EXISTIR, Fundação António Aleixo, Grupo Amigos de Salir, IPSS Serra do Caldeirão, Liga dos Combatentes/Núcleo de Loulé, MAPS, NT Social, Santa Casa da Misericórdia de Boliqueime, Santa Casa da Misericórdia de Loulé e UNIR. Os apoios foram precedidos de candidaturas efetuadas pelas instituições, tendo sido apresentadas 65 candidaturas de 23 IPSS.

O município de São Brás de Alportel deu início à primeira fase de alargamento e abertura de caminho entre a Chibeira e a Gralheira. A intervenção vai facilitar a circulação de meios de vigilância e combate a incêndios, assim como o acesso dos proprietários aos seus terrenos. Um investimento é de quatro mil euros, devendo os trabalhos estarem concluídos no final de agosto.
Esta é uma ligação que, além de possibilitar a gestão florestal mais eficaz, permite um acesso mais rápido entre estes dois sítios do Concelho, bem como a realização futura de diversas infraestruturas, como é o caso do saneamento e do reforço da rede de águas. Também em curso está o projeto de ampliação da rede de esgotos desde o Lagar de Azeite existente em Chibeira até à zona poente da Gralheira, cuja execução vai constar no próximo plano de investimentos na rede de saneamento. A beneficiação deste caminho entre a Chibeira e a Gralheira contribui ainda para a valorização da área envolvente e garante a melhoria de acessibilidades a pessoas e veículos.



No âmbito das celebrações do Dia Internacional da Juventude, assinalado a 12 de agosto, o Município de Albufeira recebeu cerca de meia centena de jovens albufeirenses no Salão Nobre dos Paços do Concelho, que se destacaram em diversas áreas, desde o desporto à cidadania, passando pela cultura e pelo mundo académico, e também pelo trabalho voluntário que desenvolvem em diversas associações do concelho. Carlos Silva e Sousa fez questão de homenagear “os futuros homens e mulheres do nosso país, da nossa cidade, que certamente irão alcançar feitos dignos de louvor”.
Com idades compreendidas entre os 12 e os 20 anos, os jovens foram presenteados com um troféu comemorativo do Dia Internacional da Juventude e um livro do Foral de Albufeira, entre outras lembranças. “É uma alegria ter o Salão Nobre recheado de juventude”, afirmou o presidente da Câmara Municipal de Albufeira, enfatizando o facto de este ser um dos concelhos mais jovens do país. “O melhor investimento que uma sociedade desenvolvida pode fazer é na formação dos seus jovens”, frisou o autarca. Já o presidente da Assembleia Municipal, Paulo Freitas, aconselhou os jovens a terem como princípio o seu bem-estar e a desfrutarem da vida. “São tempos diferentes, vocês têm visões diferentes da vida, vão ter um caminho profissional, pessoal, estudantil, que esperemos que seja sempre de sucesso”, reforçou.
No seguimento da visita aos Paços do Concelho, o grupo participou num almoço com o presidente e elementos da vereação, num ambiente descontraído e informal. Para encerrar o programa do Dia Internacional da Juventude, os jovens foram brindados com o habitual passeio de barco pela costa algarvia, onde se juntaram a outros que frequentam atividades de Verão do GAJ – Gabinete da Juventude.

No dia 18 de agosto, sexta-feira, pelas 22h, o Jardim das Comunidades, em Almancil, recebe um concerto com Richie Campbell, o maior cantor de reggae português da atualidade.  Apesar de muito jovem, Richie apresenta já um longo e invejável currículo, onde se contam colaborações com Kymani Marley e a abertura do concerto de Nas & Damien Marley no Pavilhão Atlântico.
«That’s how we rol», «Best Friend», «I feel amazing» ou «Do you no wrong» são alguns dos temas que o artista traz a Almancil nesta noite de Verão. A entrada é livre.
Vai ser apresentada, no dia 24 de agosto, pelas 19h30, no Espaço Lounge da FATACIL, a Rainha das Vindimas de Lagoa 2017, Inês Carvalho, à semelhança do que aconteceu, em 2016, com Ana Rita Faustino, que representou Lagoa no Concurso Nacional que decorreu no Centro de Congressos do Arade, no ano em que Lagoa foi a «Cidade do Vinho» e anfitriã do evento. A «Rainha das Vindimas» é promovida pelo Município de Lagoa pelo quarto ano consecutivo, na sua qualidade de membro da Associação dos Municípios Portugueses do Vinho, com o objetivo de valorizar e divulgar os usos e costumes do Concelho relacionados com a cultura da vinha e a produção do vinho, desde sempre ligados à história de Lagoa.
A «Rainha das Vindimas 2017» é Inês Carvalho, natural de Lagoa, unanimemente eleita pelo júri e será a representante de Lagoa na Gala Nacional que terá lugar, em Águeda, a 9 de setembro. Daniela Lopes, também natural de Lagoa, foi eleita 1.ª Dama de Honor. O Concurso Nacional é promovido, desde 2009, pela Associação de Municípios Portugueses do Vinho em parceria com a Cidade do Vinho de cada ano e tem vindo a conquistar uma visibilidade cada vez maior e uma mais expressiva participação dos Municípios. Esta 9.ª edição vai reunir o maior número de candidatas de sempre, 20.

O presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDR Algarve), Francisco Serra,  revelou, no dia 14 de agosto, no auditório da Visualforma, em Faro, que o Algarve tem das taxas de compromisso mais elevadas dos Programas Operacionais Regionais do atual quadro comunitário do PORTUGAL 2020. “A taxa de compromisso do Programa Operacional Regional do Algarve – CRESC ALGARVE 2020  neste momento é na ordem de 40 por cento e, para o  final deste ano, esperamos alcançar um valor próximo dos 60 por cento”,  referiu Francisco Serra, durante o briefing realizado na Delegação Regional na Ordem dos Economistas, uma iniciativa onde participou conjuntamente com o Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral. 
O presidente da CCDR Algarve adiantou que o mérito desses resultados do Portugal 2020 se deve às empresas e às autarquias “que perceberam a necessidade de apresentar projetos inovadores e alinhados pela estratégia de especialização inteligente”, dando como exemplo o caso da Infralobo – Smart Resort. Recorde-se que o CRESC ALGARVE 2020 dispõe de 319 milhões de euros de fundos da UE (FEDER E FSE), sendo 140 milhões destinados às empresas.
Na sua intervenção «Evolução da Economia Portuguesa no 1.º semestre de 2017», o Ministro da Economia destacou que mais de 2/3 do crescimento do Turismo em 2017 foi na época baixa.

No dia 17 de agosto, o Município de Lagos e a UNIARQ (Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa) promovem as VII Jornadas de Portas Abertas na estação arqueológica do Monte Molião, dando a, de perto, este ex-libris da cidade recheado de história.
O Monte Molião é uma pequena colina ovalada, localizada na margem esquerda da foz da ribeira de Bensafrim (Rio de Lagos). A investigação que, desde 2007, a UNIARQ tem vindo a efetuar sobre o sítio, com o apoio financeiro da Câmara Municipal de Lagos, permitiu recolher importantes dados e aproxima-nos deste habitat ocupado desde o século IV A.C. até ao século II D.C. e cujos vestígios confirmam a integração do Monte Molião nas grandes rotas comerciais da antiguidade e a interação dos seus habitantes com outras comunidades humanas mediterrâneas.
Para o final da tarde do dia 17, e também no local, está prevista uma mesa-redonda para debater «Que fazer com este sítio? (um futuro para o Monte Molião)», que tem como objetivo suscitar a discussão acerca do retorno social da investigação neste local e da sua conservação e valorização para a atratividade de Lagos como turístico e cidade inteligente. As iniciativas são de carácter gratuito e não são necessárias inscrições.

O Grupo de Folclore da Casa do Povo de Santa Cruz, da ilha da Madeira, está em São Brás de Alportel até dia 18 de agosto no âmbito de um intercâmbio cultural com o Rancho Típico Sambrasense. Durante a sua estadia, os 37 elementos do Grupo de Folclore terão oportunidade para dar a conhecer as tradições do arquipélago madeirense, em quatro atuações que integram a agenda bem preenchida da semana. Assim, depois da atuação na XXV Concentração Motard de São Brás de Alportel, o grupo subiu ao palco no dia 14 de agosto, do evento «Calçadas – A Arte sai à rua» e, no dia 15, atua no Lar de Idosos da Santa Casa da Misericórdia de São Brás de Alportel, proporcionando aos utentes um momento especial.
O grupo, dirigido por Gonçalo Quintal, foi recebido, no dia 11 de agosto, pelo executivo municipal no Salão Nobre da Câmara Municipal, na presença do Presidente da Câmara Municipal Vítor Guerreiro e da Vice-Presidente Marlene Guerreiro e, seguidamente, pelo Presidente da Junta de Freguesia, David Gonçalves, na sede daquela autarquia. O presidente da Casa do Povo de Santa Cruz, Paulo Renato Spínola, e o presidente da Junta de Freguesia de Santa Cruz, Paulo Alves, acompanham o grupo nesta visita a São Brás de Alportel, que proporcionará uma enriquecedora troca de experiências e saberes.
O Rancho Típico Sambrasense também esteve na Madeira a convite do Grupo de Folclore da Casa do Povo de Santa Cruz, entre 10 e 17 de julho deste ano. O Município de São Brás acolhe o Grupo de Folclore da Casa do Povo de Santa Cruz com o apoio da Santa Casa da Misericórdia de São Brás de Alportel e da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários.



Encontra-se a decorrer, na Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe, em Vila do Bispo, a VI Edição do ciclo de música antiga «Sons Antigos a Sul». O projeto anual da Academia de Música de Lagos para promoção e divulgação da Música Antiga no Algarve estende-se, em 2017, ainda para a Igreja Matriz de Monchique, consagrada a Nossa Senhora da Assunção.
Integrada neste ciclo, a Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe recebe a estreia em Portugal do Ensemble «Le Voci delle Grazie» (Holanda/Portugal), no dia 18 de agosto, pelas 17h. O jovem ensemble de música de câmara conjuga a soprano Bethany Shepherd e a mezzosoprano Laura Lopes com o baixo contínuo do cravista Mariano Boglioli, a viola da gamba de Garance Boizot, a harpa de Kit Spencer e a teorba e alaúde de Talitha Witmer. Dirigido por Laura Lopes, o programa «Dialogo delle due Marie» tem como tema a morte de Jesus aos olhos das duas figuras femininas fulcrais na sua vida: a Virgem Maria e Maria Madalena.
A dor conjunta destas duas Marias é consagrada no dueto de Legrenzi Dialogo delle due Marie, inspiração para este programa de concerto: após a crucificação de Jesus, as duas Marias refletem sobre o sofrimento de uma vida sem Ele, e rezam pela salvação. Para complementar os lamentos e diálogos, neste concerto escolhemos hinos marianos e obras instrumentais que espelham as possibilidades tímbricas que podem colorir o som do ensemble «Le Voci delle Grazie».
A iniciativa conta com o apoio da «Quinta do Barranco Longo» e integra o DiVaM, o programa de dinamização e valorização dos monumentos promovido anualmente pela Direção Regional de Cultura do Algarve. Este festival de música tem o Rótulo de qualidade EFFE – Europe for Festivals, Festivals for Europe, da European Festivals Association, apoiado pela União Europeia.
Um grupo de 27 jovens oriundos de Portugal, Hungria e Alemanha estão em São Brás de Alportel a participar num projeto de formação em dança, que tem por objetivo promover a inclusão e que culminará, a 19 de agosto, com o espetáculo «The Selfish Giant». A Associação Jovens e Natureza e a equipa IN DANCE de São Brás de Alportel são responsáveis por concretizar o projeto IN DANCE, apoiado financeiramente pelo fundo europeu ERASMUS, que está a acolher jovens húngaros, da Associação Never Give Up de Budapeste e alemães do Centro Francês de Berlim.
Os jovens participantes são oriundos de meios sociais desfavorecidos ou são portadores de deficiência e necessidades especiais. A seleção teve justamente em conta as suas habilidades específicas, de modo a proporcionar-lhes a oportunidade de desenvolver as suas competências, nas áreas do teatro, do canto e da dança. Será uma experiência única que marcará para sempre as suas vidas pois, a par da vertente artística, o grupo tem ao seu dispor um programa de atividades que inclui visitas aos diferentes locais de interesse de São Brás de Alportel, idas à praia e ao teatro, provas nos restaurantes locais.
A apresentação do espetáculo «The Selfish Giant» marca o fim desta experiência, agendado para as 20h do dia 19 de agosto, no Cineteatro São Brás. A entrada é livre para os menores de 10 anos e os ingressos estão à venda por cinco euros para o restante público, na Associação JNC (Praceta da Misericórdia, junto à Oficina dos Sons) e no Cineteatro São Brás. A Câmara Municipal de São Brás de Alportel apoia logisticamente o projeto, disponibilizando espaço, transporte e refeições. Destaque igualmente para a parceria da Santa Casa da Misericórdia e do Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas, que proporcionam o alojamento para os jovens.





Conhecidos pelo rigor da recriação histórica, os Dias Medievais vestem Castro Marim com a luz encantada das tochas e espalham pela vila o ritmo da música profana, de 23 a 27 de agosto, na 20.ª edição do evento. São cinco dias de regresso à Idade Média, que prometem transportar os visitantes a toda a multiplicidade e contradições de uma época, simultaneamente bárbara e culta, palco de acontecimentos e decisões que ficaram na história e de magníficas produções culturais e artísticas.
Com um recinto alargado durante as últimas duas edições, os Dias Medievais em Castro Marim apostam este ano em algumas novidades na área da animação, com destaque para o espetáculo de videomapping, que vai transformar uma das fachadas do Castelo numa tela gigante onde, numa viagem de luz, design e som, se revelará a história que transformou esta vila raiana. Intitulado «A Luz das Trevas, D. Dinis e o Dragão de Sal», o espetáculo acontece pelas 23h dos dias 25, 26 e 27 de agosto. Esta iniciativa é apoiada pelo PO CRESC ALGARVE 2020, com uma taxa média de cofinanciamento de 70 por cento pelo FEDER.


O palco principal é, sem dúvida, o Castelo, o cenário mais leal à Idade Média, onde acontecem as principais recriações, como as de artes e ofícios, onde estão representadas mais de 45 profissões, e os grandes espetáculos, como os torneios medievais a cavalo. É também o Castelo, no paiol, que acolhe a renovada exposição de Instrumentos de Tortura e Punição, mostrando-nos uma das razões pela qual a Idade Média é considerada como a Idade das Trevas. Outra dos grandes destaques desta XX edição é a experiência «Seja Rei por um dia», uma inovação do Banquete Medieval, um dos cunhos dos Dias Medievais em Castro Marim, dando a provar aos convivas as melhores iguarias da época, num espaço exclusivo, no chamado Castelo Velho, e por onde passam todos os grupos de animação do evento. A experiência permite desfrutar do Banquete na Mesa Real, com toda a grandiosidade e diferenciação que isso comportava. 


Pelas ruas e ruelas de Castro Marim pode-se encontrar a recriação da vida quotidiana do homem da Idade Média, com a representação de todas as classes que estruturavam a sociedade na época – clero, nobreza, burguesia e povo. Guerreiros, grupos de música e de dança, cavaleiros, malabaristas, zaragateiros, cuspidores de fogo, contadores de histórias, gaiteiros, equilibristas, espadachins e contorcionistas, entre muitos outros, colorem o resto do cenário medieval. Nas mesmas ruas e ruelas encontra-se todo o imaginário de uma época que carregava criaturas mitológicas, monstros, criaturas demoníacas e mágicas, que explicavam tudo o que era ainda vago e impreciso.
Os Dias Medievais em Castro Marim abrem primeiro o Mercado Medieval, pelas 15h, ao passo que o Castelo abre portas pelas 18h. Os bilhetes estão à venda na bilheteira online BOL, no Gabinete de Apoio ao Munícipe (GAM), no Mercado Local de Castro Marim, na Casa do Sal, nos Quiosques do Património colocados nas praias do concelho - Alagoa/Altura, Praia Verde e Cabeço, no Centro Comercial Tavira Gran Plaza, no Fórum Algarve. Podem também ser adquiridos no próprio dia, nas várias bilheteiras dispersas pela vila. Os residentes do concelho de Castro Marim terão acesso gratuito a todo o evento, tendo apenas que levantar as suas pulseiras no Gabinete de Apoio ao Munícipe, Juntas de Freguesia e através do serviço Castro Marim Consigo. Gratuita será também a entrada para crianças, no Castelo, até aos cinco anos e na Feira Medieval até aos 12 anos, e para todos os figurantes devidamente trajados.