A Câmara Municipal de Alcoutim deliberou, no dia 26 de julho, continuar a prescindir da coleta de 5% em sede de IRS sobre os rendimentos auferidos pelos contribuintes individuais com domicílio fiscal no município. Decidiu igualmente fixar pela taxa mínima (0,3%) o IMI a cobrar no próximo ano e optou pela redução máxima prevista na lei da taxa do IMI de acordo com o número de dependentes.
No que concerne à aplicação do coeficiente familiar, os benefícios fiscais traduzem-se numa redução da taxa de IMI a aplicar ao prédio urbano destinado à habitação própria e permanente do sujeito passivo, de acordo com o número de elementos que compõem o agregado familiar, sendo de 20 euros para as famílias com um filho, 40 euros para as famílias com dois filhos e 70 euros para as famílias com três ou mais dependentes a cargo. Estas medidas, apesar de se traduzirem numa diminuição das receitas municipais – obrigando a um esforço adicional da autarquia – permitem aliviar a carga fiscal dos residentes no concelho, constituindo um estímulo à manutenção e atração de novos residentes.


À semelhança de anos anteriores, a Casa Manuel Teixeira Gomes terá patente, de 1 a 30 de agosto, a Exposição Coletiva de Fotografia e Pintura de Artistas Portimonenses «Laços de Família», uma mostra diversificada em família que pretende estabelecer um exercício de diálogo e de confrontação entre as obras tão diferentes e «olhares» da mesma genealogia.
Uma exposição inédita que revela a criatividade, a capacidade e a destreza de «pequenos grandes» artistas com dom para pintar e fotografar, sempre acompanhadas pela perspetiva da mãe, da avó, do avó, do pai ou do tio, dando assim às crianças elementos capazes para a compreensão do fenómeno estético sobre o mundo material. Os momentos em família podem ser verdadeiramente artísticos num final de tarde após a escola, no fim-de-semana e até nas férias e originar verdadeiras obras de arte passíveis de estarem presentes numa exposição e em Portimão.
São vários os artistas que estarão presentes para celebrar a pintura e a fotografia com diferentes idades, entre eles, Emanuel de Almeida (pai) e Raquel de Almeida (filha), Ana Bernardino Vieira (mãe), Marta B. Vieira (filha) e Clara B. Vieira (filha), Luciana Rosado (mãe) e Maria Costa (filha), José Garrancho (avô) e Júlia Candeias (neta), Pedro Pereira (pai) e Carolina Pereira (filha), Ana Sofia Varela (mãe) e Catarina Varela da Costa Farinha (filha), Bruno Santos (tio) e Antónia (sobrinha), Robson (tio) e Santiago Pina (sobrinho), João Sena (pai) e Lourenço Sena (filho), Paula Sousa Faria (mãe), Emília Sousa Faria (filha) e Helena Sousa Faria (filha).





Todas as praias concessionadas e vigiadas do concelho de Vila Real de Santo António voltam, em 2017, a ser acessíveis a pessoas com mobilidade condicionada. A valência constitui uma resposta social, proporcionando conforto e segurança aos visitantes com mobilidade reduzida, através da cedência de cadeiras anfíbias. A este serviço, junta-se a já existente rede de passadeiras adaptadas, rampas e estacionamentos reservados existentes na rede de praias do município que, em conjunto, permitem a todos os utentes usufruir de um banho de mar ou de um passeio à beira-mar em condições de segurança.
Para dar continuidade ao projeto «Praia Acessível» nas zonas balneares de Vila Real de Santo António, a autarquia estabeleceu um protocolo de colaboração com os concessionários das praias de Santo António, Monte Gordo, Manta Rota e Lota. Assim, os interessados deverão dirigir-se à concessão e solicitar a utilização do serviço, bastando para tal o utente e/ou familiar acompanhante assumir por escrito a responsabilidade pelo manuseamento da cadeira durante o tempo de utilização. Este ano, em Monte Gordo, a acessibilidade à praia fica também reforçada com o novo passadiço pedonal, que proporciona o acesso rampeado à praia através de todos os pontos e estacionamentos da Avenida Marginal.
Recorde-se que a praia da Manta Rota foi já distinguida com o primeiro lugar prémio «Praia + acessível», tendo a sua requalificação e equipamentos sido considerados um exemplo de boas práticas a ser seguido pelas zonas balneares de todo o país. Além de acessíveis, todas as praias do município de Vila Real de Santo António contam com Bandeira Azul e foram classificadas pela associação Quercus como tendo «Qualidade de Ouro». 

No dia 5 de agosto é inaugurada, no Museu de Portimão, às 18h, a exposição «Agosto Azul», da pintora alemã Kerstin Wagner. A obra, inspirada nas tonalidades e vibrações cromáticas do mar e da luz do Algarve, onde a autora reside grande parte do ano, mostra claramente a influência e a utilização de três princípios opostos – movimento versus calma, caos versus harmonia, escuridão versus luz – os quais, através da cor, da técnica e das tintas acrílicas utilizadas, fazem ressaltar a forte intensidade e a dinâmica visual das suas pinturas, mas igualmente a vastidão, a profundidade e a harmonia dos ambientes marítimos, ao longo do dia, na diversidade dos seus «azuis». «Agosto Azul» é igualmente uma homenagem da artista a esse atento observador da paisagem algarvia, o portimonense Manuel Teixeira Gomes, pela forma estética e de grande sensibilidade literária como, na sua obra, em particular no seu livro «Agosto Azul», de 1904, o antigo viajante, escritor e Presidente da República, descreve o mar e a costa algarvia.
Kerstin Wagner nasceu perto de Colónia/Alemanha e formou-se em Belas Artes em Bonn/Alfter e, em 1989, em Arte e Desenvolvimento Social pela Alanus Art Academia. É membro da Internacional Association of Art e da Algarve Artists Network (AAN) e, desde 1987, participou em mais de 180 exposições, sobretudo na Europa e na Ásia. Em 2015 fez parte e expôs na primeira Artist Residency International em Goa, Índia, tendo sido convidada a expor no MOG - Museu de Goa, em 2016.
A exposição ficará patente no Museu de Portimão de 5 a 27 de agosto e poderá ser visitada à terça, das 19h30 às 23h, de quarta a domingo, das 15h às 23h e, aos sábados, das 15h às 19h. 



Abre no dia 4 de agosto e encerra no dia 17 de setembro uma mostra fotográfica que reúne trabalhos sobre a Feira Medieval de Silves, de quatro fotógrafos: António Guerreiro, Michel Januário, João Ramos, Alexandre Guerreiro. Intitulada «Memórias Recentes de um Passado Longínquo», poderá ser visitada em diversos espaços da cidade de Silves, como a Igreja da Misericórdia, o Museu de Arqueologia, o Torreão da Almedina e o Mercado Municipal (aqui abrirá a 10 de agosto).
Estes fotógrafos acompanham, há longos anos, o evento, revelando um interesse e uma paixão pelo retratar de todos os seus aspetos, que agora fica patente nesta mostra que terá 25 fotos de cada um. Quanto à XIV Feira Medieval de Silves, acontece de 11 a 20 de agosto, no centro histórico desta cidade, tendo como figura central da história a relatar Ibn Ammar, figura importante, dotado para a poesia e para a política.
Entre as 18h e a 01h, os visitantes poderão experimentar dois torneios a cavalo, animação exclusiva no Castelo, manjares medievais e a imponência dos monumentos, num evento que é organizado pela Câmara Municipal de Silves.
Um falcão peneireiro foi devolvido à natureza, mais concretamente na Quinta da Rocha, na zona da Ria de Alvor, por Isilda Gomes, no dia 27 de julho. Este falcão foi entregue por um cidadão à presidente da Câmara Municipal de Portimão, depois de o ter encontrado numa das ruas da cidade, ainda cria, tendo os serviços de ambiente de autarquia encaminhado a ave para o RIAS - Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens, onde aprendeu a voar e a alimentar-se sozinho.
O Falcão Peneireiro é uma espécie que é frequente ser encontrada na cidade de Portimão, sendo comum nidificarem em prédios urbanos.



Os World Luxury Spa Awards 2017 tiveram lugar, nos dias 22 e 23 de julho, no Vietnam, e Maria D’Orey, diretora do Serenity Spa e Fitness, foi considerada a melhor gestora de SPA’s do mercado português. “Receber este prémio é um orgulho pelo trabalho que temos vindo a desenvolver, colocando Portugal na rota dos melhores SPAs do mundo. Desde o início do projeto que nos propusemos a fazer o melhor, a criar um espaço de luxo único, que reunisse as melhores condições e as mais diversas opções de tratamento, em linha com o conceito exclusivo de saúde e bem-estar que queremos promover”, referiu Maria d’Orey. 
Laureta Maria Pereira Nunes d’Orey é especialista em SPA’s desde 2014. A especialização foi feita na Universidade do Algarve com uma tese sobre SPAs Medicinais. É perita na gestão de SPAs desde 2012. Responsável pela marca Serenity – The Art of Well Being, no Pine Cliffs Resort e no Sheraton Cascais Resort, definiu desde o início as marcas com que queria trabalhar em ambos os SPAs. Uma escolha que teve em conta o posicionamento do Serenity – The Art of Well Being e o local onde este se insere, mas também teve em consideração as viagens e a especialização que fez de 2014 a 2016 nas marcas Sensai, Ila, Charme d’Orient, Margarett Dabbs, Thalgo, Gentlemens’s Tonic, The Organic Pharmacy e Kérastase. Para além da gestão diária do Serenity, assegurou marcas exclusivas para Portugal como a Gentlemen’s Tonic, só para homens, e a Charme d’Orient.  
O Serenity – The Art of Well Being está situado no coração do Pine Cliffs, a Luxury Collection Resort, constituindo um autêntico paraíso de saúde e bem-estar de 1.100 metros quadrados. Inserido num cenário idílico, envolto em pinheiros e áreas verdes, no topo da icónica Praia da Falésia, oferece um conjunto de valências que vão desde tratamentos de assinatura exclusivos e meditação, até ao exercício físico ou hábitos alimentares saudáveis.

Foi assinado, no dia 25 de julho, entre a Fesnima e a empresa Norasil – Sociedade de Construção Civil, o contrato da empreitada de manutenção de 24 fogos de habitação social devolutos, localizados em vários pontos do concelho de Olhão. As obras, cuja gestão se encontra a cargo da Fesnima, por força do contrato-programa celebrado com o Município de Olhão, pretendem restituir a estas casas as condições de salubridade e habitabilidade que lhes permitam vir a ser habitadas pelas famílias a quem venham a ser outorgadas, no âmbito do concurso para atribuição de habitações em regime de renda apoiada. “Estes são os primeiros sinais da gestão mais eficaz do parque habitacional municipal por parte da Fesnima, cujos resultados já se começam a ver no terreno, nomeadamente com estas obras, que vão reabilitar mais 24 fogos sociais, que irão ser o lar de outras tantas famílias olhanenses que deles necessitam. A habitação é um dos pilares essenciais para uma vida condigna e, pela nossa parte, tudo continuaremos a fazer para assegurar que todos tenham acesso a ela”, frisou o presidente da Câmara Municipal de Olhão e presidente do Conselho de Administração da Fesnima, António Miguel Pina.
Os fogos a intervencionar localizam-se no Bairro da Armona (6), Bairro Fundo Fomento à Habitação (6), Bairro Manuel de Oliveira (2), Bairro Horta Dr. Pádua (4), Largo da Feira (2), Horta da Cavalinha (1), Loteamento Municipal dos Murtais (1), Bairro Nossa Senhora do Carmo (1), e Rua da Cruz Vermelha Portuguesa, em Pechão (1). O valor de adjudicação da empreitada é de 141 mil e 512,38 euros, com um prazo de execução de 90 dias.



A região do Algarve alcançou, nos primeiros cinco meses de 2017, fortes índices de crescimento sustentado em comparação com o período homólogo de 2016, quer quanto a valores acumulados, quer em relação ao mês de maio. De acordo com os principais indicadores agora divulgados, os valores dos proveitos acumulados no período em referência ascenderam a 240 milhões de euros contra cerca de 200 milhões em 2016, o que corresponde a uma significativa taxa de crescimento de 19,7 por cento (19,2 por cento no mês de maio).
Nas dormidas, os valores acumulados de janeiro a maio de 2017 na Região foram acima dos 5,7 milhões contra 5,2 milhões no período homólogo de 2016, o que representa um crescimento de 9,5 por cento (5,4 por cento só em maio). No que respeita ao número de hóspedes, no período em apreço estes aumentaram para 1,3 milhões nos primeiros cinco meses do ano (uma taxa de crescimento de 4,8 por cento em valores acumulados e de 3,8 por cento no mês de maio). Importa sublinhar que, em maio, o Algarve acompanha a tendência nacional, lidera o ranking das dormidas e alcança um lugar de destaque nos proveitos totais gerados.
Para Desidério Silva, presidente da Região de Turismo do Algarve, a performance da Região nestes cinco primeiros meses do ano é motivo de orgulho e satisfação por revelar o dinamismo, a diversidade e a qualidade do turismo algarvio. “É também um incentivo para o Turismo do Algarve, para que continuemos com o empenho e o entusiasmo de sempre no trabalho que temos vindo a desenvolver em prol da Região”.

O Ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes, e a Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, estiveram em Olhão, no dia 26 de julho, para a assinatura do Protocolo entre a APS - Administração dos Portos de Sines e do Algarve e a Direção Geral da Autoridade Marítima Nacional para cedência da antiga casa dos pilotos da Ilha de Farol para instalação de um posto marítimo. Em contrapartida, a Autoridade Marítima Nacional disponibilizou-se para apoiar a APS na fiscalização dos usos e atividades na área de segurança portuária, assim como na deteção de construções ilegais, de obras realizadas durante a época balnear, de deposição ilegal de resíduos e de utilização abusiva do espaço.
Procedeu-se também à assinatura do Protocolo entre a Docapesca e a Câmara Municipal de Olhão relativo à requalificação e valorização das três rampas de acesso a embarcações situadas no Porto de Olhão, com o intuito de melhorar as condições de trabalho e segurança para os armadores, pescadores e demais utilizadores da infraestrutura. “Na Ilha da Culatra há uma aldeia de pescadores onde vivem 500 pessoas. Na Ilha da Armona temos 900 casas e, no Verão, estão lá cinco mil pessoas. Nos Hangares e no Farol podem estar mais duas ou três mil pessoas no Verão. Há municípios do nosso país que não têm uma população tão numerosa, e qual é o ponto de acesso para as ilhas? Como é que estas pessoas vivem assim há tantos anos, carregando e descarregando por umas rampas perigosas? Este pequeno investimento tem uma importância extraordinária no dia-a-dia destas populações”, afirmou António Miguel Pina, presidente da Câmara Municipal de Olhão, após a assinatura dos protocolos.


Exigindo maior atenção e respeito para estes homens e mulheres, o autarca reconhece que, há uns anos, foi realizado um grande investimento na Ilha da Culatra, nomeadamente a construção de um Porto de Pesca e de Abrigo. Contudo, nada foi feito deste lado da Ria Formosa, no Porto de Olhão, lembrou António Miguel Pina, que apelou ainda ao reforço de policiamento na Ilha do Farol. “As outras forças de segurança reforçam os seus efetivos no Algarve durante o Verão e, na Ria Formosa, temos cerca de 10 mil pessoas nesta altura do ano e o Ministro da Defesa Nacional e a Direção Geral da Autoridade Marítima Nacional reconhecem esta nossa preocupação. Olhão assume-se cada vez mais como a capital da Ria Formosa e somos nós que procuramos soluções para os seus problemas junto dos governantes, porque estamos próximos das pessoas e compreendemos as suas necessidades”, reforçou o edil olhanense.
No uso da palavra, o Ministro da Defesa Nacional salientou a forma como se tem conseguido otimizar recursos e disponibilidades em proveito do bem comum. “É pouco habitual ver ministérios que sejam capazes de falar uns com os outros, pois há uma tendência para cada um considerar uma «coutada» aquilo que tem como sua área de governação. Aqui, damos o exemplo de uma questão patrimonial bem resolvida e que tem o efeito útil de aproximar fisicamente a Polícia Marítima da população da Ilha do Farol”, destacou José Azeredo Lopes. “Está demonstrado que, quando se trabalha com seriedade e há empenho, as questões patrimoniais passam a ser questões de relação, as questões de jurisdição passam a ser questões de articulação e, no fim, o que mais interessa é o bem-estar das populações e a prossecução do interesse público”.


Para Ana Paula Vitorino, os dois protocolos assinados primam por ser muito simples, mas bastante significativos. “A Autoridade Marítima Nacional, através da Capitania de Olhão, vai prestar alguns serviços acrescidos que, em tese, são da competência da Administração dos Portos de Sines e do Algarve. Do mesmo modo, assegura-se uma vigilância acrescida que a APS não tem possibilidade de realizar. É uma parceria em que cada um disponibiliza os recursos que possui e aos quais podem ser dados uma maior utilização. É isto que queremos que aconteça em toda a Administração Pública”, salientou a Ministra do Mar.
Sobre o segundo protocolo assinado, referente à requalificação das três rampas de acesso às Ilhas Barreiras, a governante recorda os benefícios diretos para a população e para as atividades que desenvolvem. “Não estando em condições, as rampas colocam em causa a segurança das pessoas e bens, levam a que a economia local seja menos competitiva e prejudicam as relações sociais entre as Ilhas Barreiras e Olhão. Haverá um financiamento através do programa Mar 2020, mas não estamos aqui a anunciar obras de milhões. São intervenções pouco expressivas do ponto de vista financeiro, mas importantíssimas do ponto de vista social, económico e humano”, enalteceu Ana Paula Vitorino.
Antes disso, os dois governantes já tinham estado em Portimão, para presidirem às cerimónias de inauguração do módulo de radar do Sistema «Costa Segura», que permitirá, em tempo real, monitorizar as embarcações na costa do Algarve, ao largo de Portimão. Na ocasião, foi igualmente assinado o Auto de Consignação da empreitada de reabilitação de escadas e defensas nos Portos de Pesca do Arade, na bacia portuária de Lagoa e Portimão, de Lagos e de Sagres, e houve lugar ao anúncio da Reabilitação das redes de água e de energia elétrica.

Texto: Daniel Pina  | Fotografia: Daniel Pina



A Praça 1.º de Maio, em Castro Marim, volta a ser «Palco do Acordeão», naquela que é a 12.ª edição desta iniciativa que visa a promoção da musicalidade deste instrumento, fundido com as raízes da cultura algarvia. O evento acontece no dia 28 de julho, sexta-feira, pelas 21h30.
As honras de abertura do «Palco do Acordeão» cabem à Escola de Acordeão de Castro Marim, que é hoje uma referência regional e nacional no ensino deste singular instrumento musical, contando nas suas fileiras com alunos do concelho, mas também de Mértola, Alcoutim, Vila Real de Santo António, Tavira e Ayamonte. O Festival Internacional do Acordeão marca a segunda parte deste Palco, com a atuação de reconhecidos acordeonistas, designadamente Tino Costa, Iuri Chiforisin, Manuel Matias, Helder Barracosa, José Gabriel, Jaime Gomes, Sérgio Conceição, Valter Romeira, Pedro Constâncio, Joao Saboia, Hugo Madeira e Vitalino Custódio.
A 12.ª edição do «Palco do Acordeão» em Castro Marim é uma organização da Associação Mito Algarvio, do Centro de Cultura e Desporto da Câmara Municipal e da Câmara Municipal de Castro Marim.




O Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira tem vindo a ser um espaço privilegiado para a realização de pequenos espetáculos musicais, inseridos no projeto «Momentus … Música no Museu», acontecendo o próximo no dia 27 de julho, às 21h, com um concerto do professor acordeonista do Conservatório de Música de Albufeira, Gonçalo Pescada, acompanhado por Albano Neto no trompete.
Os «Momentus…» decorrem todas as quintas-feiras e vão continuar em agosto. No dia 3, o destaque vai para o concerto de João Galante, pianista, compositor e cantor. Atualmente é professor de piano, guitarra clássica e bateria na Escola de Música de Albufeira e tem desenvolvido um grande percurso como concertista. Na semana seguinte, dia 10, haverá um solo de guitarra elétrica do algarvio Vítor Bacalhau, cantor e guitarrista, grande promessa do blues/rock nacional.
A não faltar, igualmente, à apresentação, no dia 17 de agosto, do Nebuchadnezzar Group, um projeto de jazz contemporâneo de quatro músicos portugueses, todos com percursos diferentes em diversas áreas da música. No dia 24 poderá assistir a um concerto de música Islâmica a cargo de Eduardo Ramos. Rui Mourinho, professor de guitarra clássica no Conservatório de Música de Albufeira, fecha o programa musical na última quinta-feira do mês, dia 31. 

É inaugurada, no dia 27 de julho, na Galeria Pintor Samora Barros, uma Exposição Coletiva de Artistas de Albufeira, das áreas de Pintura, Escultura e Fotografia. Ao todo, são 28 artistas que oferecem ao visitante um pouco do trabalho que tem marcado a sua vida artística. São estéticas diferentes para apreciar até 28 de agosto.
Por ordem alfabética, os artistas atualmente a residir em Albufeira são Anabela Alambre, António Alvélua Correia, Brian Mehl, Bruno Fernandes, Fernanda Nogueira, Graça Cabanita, Hugo Santos, Irene Carolas, João Brazão, Joaquim José Veiga, Joaquim Pargana, Jorge Cabrita Matias, José Dâmaso, Lino Gonçalves, Luísa Soares, Manuel Ribeiro, Maria Jesus Feliciano, Pedro Pereira, Rosa Barriga, Sandra Caetano, Sérgio Ferraz, Sónia Balão, Susana Gonçalves, Taras Panovyk, Verónica Martins, Vitor Sousa, Zélia Rebelo e Zorba. A mostra pode ser visitada entre as 17h e as 23h, de segunda-feira a sábado.

Tem lugar, no dia 27 de julho, pelas 18h, no requalificado e histórico Café Calcinha, em Loulé, a apresentação da «Abaladiça», a primeira cerveja artesanal produzida em Loulé.
Abaladiça é o termo que popularmente designa a última bebida a tomar antes de ir embora e a cerveja é uma criação de Tiago Caldeira. A história começa com uma viagem a Amesterdão, que o inspirou a lançar-se na produção de cerveja caseira. Após um par de anos e umas quantas experiências, tomou-lhe o gosto e decidiu fazer da cerveja profissão.
Para aprofundar o seu conhecimento do negócio, fez um estágio na cervejeira dinamarquesa com o nome impronunciável de «Refsvindinge». Esteve por lá três meses, nos quais teve a oportunidade de aprender com o experiente cervejeiro Jonh Rasmussen e de lançar uma cerveja no mercado dinamarquês. Após estagiar na Dinamarca, lançou-se ao trabalho e o resultado está agora à frente de todos na primeira Abaladiça, a 35º C/95º F, uma cerveja de trigo aromatizada com lima kaffir ideal para combater as ondas de calor Algarvias.

No âmbito da iniciativa Loulé Criativo, a Câmara Municipal de Loulé vai abrir, no início do mês de setembro, um espaço dedicado ao design e à incubação de projetos nas indústrias criativas. Sediado no Convento Espírito Santo, o «Loulé Design Lab» é um laboratório de criação, investigação e experimentação, com eixo no design, numa forte ligação à cultura e à economia local e em rede alargada com outras instituições e projetos de referência.
As principais linhas programáticas são o acolhimento e a incubação de criadores em espaços de coworking, oficinas partilhadas e showroom; a promoção de projetos de investigação aplicada à produção local; um laboratório de criação e desenvolvimento de produtos; uma rede de oficinas parceiras e uma programação regular com residências artísticas, workshops, conferências e exposições. Destinado a designers, artesãos, investigadores e outros empreendedores das áreas criativas, o «Loulé Design Lab» oferece mentoria específica, uma rede de mestres artesãos e uma programação regular com conferências, workshops, exposições e seminários de empreendedorismo entre outras facilidades, a troco de uma contribuição para uma bolsa de horas que visa, acima de tudo, dinamizar a própria comunidade.
As candidaturas para a primeira geração de residentes no espaço estão abertas até 11 de agosto.

A Câmara Municipal de Albufeira decidiu apoiar financeiramente a aquisição de vários equipamentos destinados à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Albufeira, num valor aproximado de 188 mil euros, para ajudar a Corporação a melhorar a resposta em todas as situações de risco no âmbito da sua missão, nomeadamente na proteção de pessoas e bens, no combate a incêndios, proteção civil, socorrismo e transporte de doentes, socorro a náufragos e queda de falésias.
Das necessidades mais prementes apresentadas pela Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Albufeira à Câmara Municipal fazem parte a aquisição de um veículo polivalente com cabine dupla e caixa aberta, duas motos de emergência médica e 100 pares de botas, meios que irão contribuir para a melhoria das condições de trabalho dos bombeiros, quer no seu dia-a-dia, quer no teatro de operações. A lista inclui ainda a substituição da cobertura do Quartel, composta por telhas de fibrocimento contendo amianto e que apresentam zonas a requer intervenção imediata, de forma a evitar riscos em matéria de saúde para os utilizadores do espaço.
De acordo com informação disponibilizada pelo Comando, o contínuo aumento da atividade operacional, principalmente no âmbito da emergência médica, tem confrontado os Bombeiros de Albufeira com a impossibilidade de responder a um número significativo de ocorrências por indisponibilidade de meios. “Só este ano, até 30 de junho, registámos 2684 ocorrências, mais 193 do que no período homólogo de 2016. Do total, não conseguimos responder a 488 solicitações porque não tínhamos meios disponíveis. No ano passado recebemos 5467 ocorrências, das quais 1220 ficaram sem resposta porque todos os meios estavam ocupados”, refere o comandante António Zua Coelho.


Face a esta situação “urge encontrar respostas alternativas”, destaca o presidente da Direção da Associação dos Bombeiros Voluntários de Albufeira. “A solução encontrada passou pela aquisição de duas motos de emergência médica, devidamente equipadas com desfibrilhadores e equipamentos de suporte básico de vida, que, em caso de não haver ambulâncias disponíveis, irão garantir a primeira assistência às vítimas. Com este projeto, que é pioneiro na região, iremos conseguimos ganhar tempo até que cheguem os meios apropriados. Tempo que é precioso para salvar vidas”, sublinha José Carlos Rolo.
Graças à sua rapidez e agilidade, os veículos permitem, igualmente, uma rápida intervenção em caso de alerta de incêndio e noutro tipo de ocorrências, principalmente dentro do perímetro urbano. O veículo de cabine dupla e caixa aberta destina-se a fazer face às necessidades permanentes de transporte de pessoal e de material. A sua aquisição irá permitir a substituição de duas viaturas, uma no ativo com mais de 22 anos e outra com 19 anos que foi abatida por já não se justificar a sua reparação.
Refira-se que, no final de 2016, a Câmara Municipal comparticipou, com a atribuição de uma verba no valor de 244 mil e 860 euros, a aquisição de nova viatura de combate a incêndios urbanos. O veículo dispõe de equipamento com grande mobilidade e capacidade de intervenção em zonas de difícil acesso. Para além disso, tem todas as condições necessárias para combater fogos urbanos, efetuar salvamentos e desencarceramentos, escoramentos, resgates em espaços limitados e intervenção em zonas de risco elétrico.


Juntamente com os veículos e pessoal bem treinado é necessário que os Bombeiros estejam devidamente equipados para que possam atuar com eficácia em todo o tipo de situações. Assim sendo, no início de julho, a autarquia albufeirense entregou 100 novos equipamentos de proteção individual, no valor de 72 mil euros, para utilização no combate a incêndios urbanos, com vista a melhorar as condições de segurança dos operacionais no terreno. No início do ano, a Corporação recebeu um equipamento que é único no país - uma motobomba de elevado caudal (a Super Betsy)) - que permite intervir em situação de cheias e inundações, bem como no abastecimento de água a veículos e outros equipamentos de combate a incêndios a partir de fonte natural ou artificial.
Carlos Silva e Sousa refere que os apoios à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Albufeira inserem-se no âmbito objetivos estratégicos do Município destinados a garantir a segurança da população, área em que os Bombeiros desempenham um papel fundamental. “Albufeira é um dos destinos turísticos mais procurados a nível nacional e internacional, o que leva a que durante o verão a população aumente cerca de quatro vezes em relação aos restantes meses do ano. Temos uma enorme pressão e todos os holofotes concentrados em nós, razão por que as questões relacionadas com a segurança de residentes e turistas estão na linha da frente das preocupações de quem intervém na gestão do Concelho”, destaca o presidente da Câmara Municipal de Albufeira. 

O Município de Faro vai promover, de 28 de julho a 13 de agosto, no Jardim Manuel Bívar, a 41.ª edição da Feira do Livro da Cidade de Faro. Assim se completam mais de quatro décadas sobre a primeira edição, realizada em 1976, de um certame que, para além da presença de alguns dos vultos maiores da literatura portuguesa, tem sempre primado pela divulgação dos jovens valores e dos escritores algarvios.
Com um vasto programa de animação, esta edição conta com a presença de vários autores nacionais que, para além de apresentarem as suas obras, debaterão com o público presente sobre a problemática literária, bem como de um conjunto de concertos, dos quais se destacam: no dia 6, Napalma – música eletrónica/percussão; dia 7, Fenoid + China – Live Act; dia 8, Sheila Na Gig – música tradicional irlandesa, dia 9, Poesia Bruxa – Poesia e música por Paulo Silva e Pedro Monteiro; e dia 13, Fried Fanekas – blues. Entre os escritores presentes na Feira salientam-se: no dia 30, às 21h30, Adão Contreiras e Adília César, com debate moderado por Reinaldo Barros; nos dias 31 de julho, 1 e 2 de agosto, às 21h terá lugar o Festival de Oralidades Fronteiras Perdidas; dia 1 e 2 de agosto, às 22h, a Associação Literária Reunida promoverá, respetivamente, «Dizer Faro», com Luís Alexandre, Hélio Pereira, Fernando Grade e Mário Nogueira, e «Ler Alto», com Luís Ene, Rogério Cão e Pedro Cerdeira; dia 3 de agosto, às 22h, Maria Luísa Francisco moderará o encontro com os escritores Teresa Rita Lopes, Fernando Pinto do Amaral e Cláudio Guimarães dos Santos.
No dia 5 de agosto, às 22h, estarão na Feira os escritores Pedro Chagas Freitas, Pedro Inocêncio e Alberto S. Santos; no dia 8, às 21h, Lina Vedes, João Carlos de Brito e Miguel Brito de Oliveira; no dia 10, às 21h30, será a vez de Fernando Guerreiro, Fernando Pessanha e Paulo Moreira. A encerrar o evento, no dia 13, às 21h30, estarão presentes os escritores Rui Cardoso Martins, Miguel Real e Alberto Riogrande. Todos estes encontros serão moderados por Maria Luísa Francisco.
O certame, que conta com a presença das principais livrarias da cidade e editoras nacionais, estará patente ao público, todos os dias, entre as 20h e as 24h.

Os reconhecidos fadistas Camané e Kátia Guerreiro sobem ao palco com a Orquestra Clássica do Sul em agosto, com concertos ao ar livre e um palco inesperado a serem os ingredientes selecionados para completar a programação dos próximos meses.
A zona ribeirinha da Fuseta volta a receber a formação completa da Orquestra Clássica do Sul para um concerto do Ciclo «Clássicos Light». No dia 2 de agosto, quarta-feira, o Maestro John Avery vai dirigir as sonoridades de um espetáculo imperdível, a partir das 22h, com entrada livre. No dia seguinte, 3 de agosto, às 19h, o Mezzo Caffé, em Faro, será palco do momento «A Música e as Palavras», um concerto de música de câmara, por um quarteto de cordas. A atuação contará com a participação de Rogério Oliveira, recitante de poesia.  
A programação de Verão prossegue em Nisa, no tradicional «Nisa em Festa», com um concerto na companhia da fadista Kátia Guerreiro e dos solistas Carlos Alves (clarinete) e Sérgio Charrinho (trompete). Numa aliança perfeita, a voz inconfundível da fadista portuguesa acompanhará os músicos da Orquestra dirigidos por Rui Pinheiro, Maestro Titular, no primeiro dia do evento, 11 de agosto, a partir das 22h. Novamente no Algarve, a OCS sobe ao palco, no dia 12, na companhia do aclamado fadista Camané, para uma nova experiência que junta dois géneros musicais distintos, no Calçadão Nascente em Quarteira. O espetáculo tem início às 22h, com entrada gratuita.
No dia 18, sexta-feira, a partir das 22h, a zona exterior à Fundação Manuel Viegas Guerreiro, em Querença, vai ganhar uma nova vida com a presença da OCS, também com entrada livre. A viagem musical passa ainda pela Igreja do Carmo, em Tavira, um espaço sublime que acolhe um concerto de orquestra no dia 26, sábado, pelas 21h30. Ambos os concertos contam com o Maestro Rui Pinheiro na direção. O programa de Concertos de Verão culmina nos dias 31 de agosto, 1 e 2 de setembro, com atuações diárias da Orquestra Clássica do Sul, na sua composição completa ou mediante agrupamentos de câmara, no Festival F, sempre na Igreja da Sé em Faro, às 19h.   

A última das três noites temáticas de 2017 do «Mercado Fora d’Horas» tem lugar, a 9 de agosto, maus uma vez no Mercado Municipal de Silves, desta feita sobre a Visão e com um programa dedicado à cultura visual. Depois de se terem sentido os cheiros e nuances das ervas aromáticas e ouvido o som dos legumes e da palavra, de se ter passeado por entre as bancas animadas e descoberto que o Mercado Municipal de Silves pode surpreender e converter-se num espaço de arte e cultura, mas também de confraternização, diversão e encontro, vai-se agora aprender a Olhar para a cultura através da comida e deliciar-se com belas iguarias.


O «Mercado Fora d'Horas» é um evento gastronómico sobre cultura local e teve origem num projeto de design comunitário, «Consumirlocal», que explora como o design pode auxiliar a comunidade a relacionar-se com os espaços de consumo. Foi concebido no âmbito do Mestrado Design Comunicação para Turismo e Cultura- UAlg-ESEC da Universidade do Algarve, de autoria de Alexandra Santos, sob a orientação de Joana Lessa, Phd. Conta com diferentes atividades: abertura do mercado à noite, mercado de produtores, mercado de artesanato, jogos sobre produção local, momentos relacionados com a gastronomia, música, animação de rua, apresentação de produtores e exposição temática.
No decorrer do evento misturam-se valores tradicionais com criações contemporâneas, em ações de sensibilização sobre as tradições dos mercados municipais no contexto mediterrânico. O foco da mensagem que se pretendem passar aos visitantes são as tradições alimentares, a cultura local e os produtos de proximidade. 

Foi apresentado, no dia 25 de julho, no Roof Top do Hotel Mundial, em Lisboa, a quarta edição do Festival F, que terá lugar nos dias 31 de agosto e 1 e 2 de setembro, afirmando-se no roteiro dos festivais de música como o último grande festival de Verão. Serão três noites de programação, em vez das habituais duas, e a lotação do espaço também aumentou em 20 por cento, saindo pela primeira vez para fora da muralha, mas mantendo a Vila Adentro como o coração do festival. 
Rui Veloso, Carminho, Miguel Araújo, AGIR, Salvador Sobral, Dengaz, Mão Morta, Jorge Palma e Xutos & Pontapés são alguns dos destaques do alinhamento. A par da programação musical, dividida por sete palcos, o Festival F abrange outras áreas culturais como as artes plásticas, literatura, cinema, tertúlias, artesanato de autor, stand up comedy e ainda várias áreas de street food.
Ao longo de três edições, o Festival F tem promovido Faro como local privilegiado para a realização de um festival de música, valorizando o património através da escolha da zona histórica de Vila Adentro, e a cultura, com uma programação de referência, dinâmico e abrangente. Em 2017, o evento consolida-se definitivamente no panorama dos grandes festivais de música em Portugal, sendo incluído no projeto «Portuguese Music Festivals», promovido pelo Turismo de Portugal. 
O Festival F é uma iniciativa do Município de Faro, do Teatro Municipal de Faro, S.M., da Ambifaro e da produtora «Sons em Trânsito», sendo reconhecido pela «Europe Festivals Association» que, após um processo de avaliação, o distinguiu com o selo EFFE - Europe for Festivals, Festivals for Europe, por dois anos consecutivos, em 2016 e 2017. Também nestes últimos dois anos foi eleito enquanto «Escolha do Consumidor».

De 1 a 15 de agosto, as praias do Algarve voltam a receber a campanha «Verão de Campeão», desenvolvida pela Fundação Vodafone Portugal, em parceria com a Direção-Geral da Autoridade Marítima através do Instituto de Socorros a Náufragos. No local, será possível participar em várias modalidades de animação, tais como jogos em que são ilustrados os riscos provocados por atitudes descuidadas nas praias, e ainda receber informação sobre o melhor modo de estar em zonas balneares, sempre transmitida através de processos didáticos, simples e divertidos.
No âmbito do programa Praia Saudável, serão promovidas diversas ações de sensibilização nas vertentes de Segurança, Ambiente e Acessibilidades, dirigidas a jovens e crianças, nas praias de Meia Praia, Porto de Mós, Alvor, Praia da Rocha, Armação de Pêra, Galé, Pescadores Albufeira, Praia do Inatel, Maria Luísa, Rocha Baixinha, Vilamoura, Quarteira, Ilha de Faro, Alagoa e Monte Gordo. Nos últimos 11 anos, foram realizadas mais de 350 campanhas, impactando diretamente cerca de 300 mil crianças e jovens. Estas iniciativas, como a campanha Verão de Campeão, têm vindo a contribuir para se reduzir o número de acidentes em zonas balneares.

Fernando Mendes está de regresso ao Tempo – Teatro Municipal de Portimão, com o espetáculo «Noivo por Acaso», a partir do dia 3 de agosto, ficando em cena às quintas, sextas e sábados, às 22 horas, até 26 de agosto, num total de 12 espetáculos.
Após as temporadas em Lisboa e Porto e de uma grande digressão nacional, é a vez de Fernando Mendes, Carla Andrino, Patrícia Tavares e Frederico Amaral subirem de novo ao palco desta sala, na cidade de Portimão. Vítor Moreira (Fernando Mendes) é um empreiteiro que é chamado para fazer um orçamento para uma obra de remodelação de uma empresa. Acontece que essa empresa não é uma empresa qualquer, trata-se de uma agência matrimonial, facto que Vítor Moreira não sabia. E não só não sabia que era uma agência matrimonial, como também não sabia o que era uma agência matrimonial.
O que supostamente seria um dia de trabalho normal, rapidamente se transformou no dia mais longo da vida de Vítor (e não só). Isto porque no dia e na hora em que Vítor vai fazer o orçamento, o dono da agência matrimonial está à espera de um cliente milionário (um português que é banqueiro em Nova Iorque), que por sua vez também está à espera de sair daquela agência já noivo, nesse mesmo dia.
Vítor é confundido com o banqueiro e, por força das circunstâncias, terá de se fazer passar por ele junto do grupo de candidatas que o dono da agência já selecionou para o banqueiro escolher para sua futura mulher. Isto porque o dono da agência o alicia com uma boa quantia de dinheiro, proveniente das inscrições das candidatas.
Ora, Vítor, como bom empreiteiro à portuguesa, adora dinheiro fácil, está disposto a tudo para não deixar escapar esta oportunidade. Acontece é que, com o passar do tempo, o dinheiro que parecia fácil, parece cada vez mais difícil. De facto, as candidatas têm cada uma delas características e traços de personalidade muito próprios e vincados e farão destas pequenas entrevistas um inferno para Vítor, que, ainda para mais, é casado e terá de esconder da sua ciumenta e possessiva mulher o que se está a passar, para estar a demorar tanto.



A Banda Musical Castromarinense tem levado música às praias de Castro Marim. De facto, de um modo espontâneo e informal e com um animado reportório, a Banda anima os finais de tarde nas três praias do concelho - Praia da Alagoa/Altura, Praia do Cabeço e Praia Verde.
Esta animação musical nas praias é promovida pelo quarto ano pela Câmara Municipal de Castro Marim e deverá repetir-se até ao final da época balnear. “Há que valorizar a oferta das nossas praias, que são já das melhores praias do país, as três com bandeira azul, bandeira praia acessível e galardão qualidade de ouro, para além de estarem equipadas com desfibrilhadores automáticos externos, que permitem uma atuação rápida em caso de paragens cardíacas, mais frequentes que o afogamento”, afirma o presidente da Câmara Municipal de Castro Marim, Francisco Amaral, acrescentando que esta é também uma forma de divulgar e promover o trabalho meritório da Banda Musical Castromarinense, “que orgulha e dignifica o nome de Castro Marim”.



Um grupo de reclusos do Estabelecimento Prisional de Olhão está a proceder, até 4 de agosto, à pintura do Estádio Municipal de Olhão. Os trabalhos incidem na pintura externa do equipamento, com particular incidência na vedação.
Esta atividade resulta de um protocolo de cooperação entre a Câmara Municipal de Olhão e a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, assinado em fevereiro passado. A colaboração entre as duas entidades, que se insere na política de reinserção social e gestão articulada dos sistemas tutelar educativo e prisional da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, concretiza-se, na prática, na disponibilidade por parte do Município em colaborar na reintegração de cidadãos que se encontram a cumprir pena no Estabelecimento Prisional de Olhão.
Nesta perspetiva, os reclusos têm oportunidade de executar tarefas ao serviço da Autarquia de Olhão, sejam de manutenção geral, limpeza, arranjos exteriores, ou outros trabalhos considerados necessários. Este é um modelo de cooperação já testado no passado com resultados animadores. De recordar que os trabalhos de pintura do Pavilhão Municipal que decorreram o ano passado foram executados por reclusos do Estabelecimento Prisional de Olhão, bem como uma ação de limpeza da Ilha da Armona, que ocorreu no final de maio.



«Karl Valentin Kabarett» e «A Freguesia» são os dois espetáculos que o Teatro do Eléctrico leva à cidade de Quarteira, no âmbito da animação de verão desta cidade. No dia 29 de julho, pelas 22h, o grupo apresenta, na Praça do Mar, «Karl Valentin Kabarett», com textos do dramaturgo alemão Karl Valentin. Com encenação de Ricardo Neves-Neves, o espetáculo reúne 16 peças curtas do autor que ficou conhecido como o «Chaplin Alemão», protagonizadas por 11 atores, entre eles os «históricos» Fernando Gomes e Elsa Galvão, cruzando-as com o repertório musical popular alemão, pela voz de um coro polifónico de atores/cantores e um quarteto de saxofones.
Este espetáculo representa a celebração do teatro de Karl Valentin (1882-1948), o comediante e dramaturgo bávaro que é reconhecido, hoje, como um dos mais influentes do século XX. Às peças curtas, repletas de humor e de absurdo, o encenador junta um conjunto de temas do repertório tradicional alemão do final do século XIX e princípio do século XX, proporcionando um entusiasmante espetáculo de cabaret, a lembrar o imaginário fervilhante da Alemanha de Weimar.


Depois de ter assinalado o encerramento das comemorações do Centenário da Freguesia de Quarteira, a peça «A Freguesia» volta a ser apresentada na Praça do Mar, dia 4 de agosto, pelas 22h. Criada para marcar esta efeméride, «A Freguesia» cruza o passado da cidade com a sua atualidade, com vertentes que combinam o Teatro Documental e o Teatro Musical. Uma equipa de mais de 50 pessoas trabalham para um espetáculo onde a Memória e a (Multi)Culturalidade de Quarteira estarão em primeiro plano. O espetáculo conta com 15 atores em cena, uma orquestra de 14 elementos, vídeo-projeção de um cenário desenhado ao vivo, envolvendo também vários artistas da terra. A direção do projeto cabe a Ricardo Neves-Neves, natural de Quarteira.
Na Praça do Mar, vários palcos estarão dispostos no espaço e irão envolver o público, criando uma dinâmica viva nas apresentações, num espetáculo sobre a Identidade, a Tradição e a Contemporaneidade. Com a participação especial da atriz Maria João Luís, o elenco conta com Ana Valentim, Bruno Xavier, Catarina Rôlo Salgueiro, Elsa Galvão, Joana Almeida, Joana Campelo, Joana de Carvalho, Márcia Cardoso, Rafael Gomes, Rita Cruz, Rui Melo, Sílvia Figueiredo, Tadeu Faustino e Vítor Oliveira. Ambos os espetáculos têm entrada livre.

A Câmara Municipal de Lagoa e a Academia de Música de Lagos/Conservatório de Música de Lagoa promoveram, pelo oitavo ano consecutivo, o Estágio Juvenil de Sopros e Percussão – Nova Filarmonia, incluído nos Concertos da Academia 17, para o qual foram convidados professores e alunos das Bandas Filarmónicas de todo o país para integrarem uma semana intensiva de música. Este Estágio destinou-se a alunos dos 10 aos 18 anos (idades correspondentes ao ensino básico e secundário), proporcionando-lhes a oportunidade de criarem hábitos de trabalho e desenvolverem o gosto de tocar em conjunto e em público.
A estratégia pedagógica foi direcionada para uma vertente orquestral – com flauta transversal, oboé, fagote, clarinete, saxofone, trompete, trompa, trombone, eufónio, tuba, percussão, violoncelo, contrabaixo e piano – com um repertório eclético que passou pelo infantil, cinematográfico, pop, blues, erudito e algumas peças a solo, de acordo com as capacidades dos alunos que nele participaram. De 8 a 14 de julho foram feitos ensaios abertos à comunidade no Conservatório de Música de Lagoa, no dia 11, realizou-se uma arruada pela cidade e, no dia 15, decorreu o concerto de encerramento junto à praia do Carvoeiro.


Entretanto, e no âmbito de um Protocolo com a Universidade do Algarve, a Câmara Municipal de Lagoa apoiou cinco jovens, pertencentes ao quadro de excelência da Escola Secundária Padre António Martins de Oliveira, na sua participação nos Cursos de Verão da academia algarvia, em que adquiriram experiências nas diversas áreas de ensino e investigação, facilitando assim o processo de escolha vocacional no Ensino Superior. De 3 a 7 de julho, os lagoenses tiveram contato com alunos e docentes da UAlg, vivenciaram a realidade académica dos Campus da Penha e das Gambelas e experimentaram diversas áreas de estudo: Ciências, Comunicação e Design, Desporto, Saúde, Economia, Gestão e Turismo, Empreendedorismo, Engenharias e Tecnologia e Línguas e Humanidades.



Oito alunos que terminaram o Mestrado Integrado em Medicina, na Universidade do Algarve, no ano letivo 2015/2016 e que realizaram, em novembro do ano transato, a prova que garante o acesso à especialidade, encontram-se neste momento a exercer funções em unidades hospitalares espalhadas por todo o Algarve. Com especialidades que vão da Anestesiologia à Radiologia, passando pela Medicina Geral e Familiar e pela Urologia, são cada vez mais os que escolhem a região algarvia para desenvolver a sua carreira profissional.
Para Bruno Morgado, antigo aluno do curso de Medicina da UAlg, atualmente a desenvolver funções no Centro Hospitalar do Algarve, as razões da escolha são evidentes: “É do conhecimento de todos que os hospitais dos grandes centros estão saturados de internos. Em determinadas especialidades cirúrgicas, os internos chegam ao fim dos seis anos de especialidade sem o número mínimo de cirurgias para a concluírem. Os hospitais distritais têm menos internos e proporcionam melhores oportunidades de aprendizagem, além de oferecerem a possibilidade de realizar estágios noutros locais de modo a aprimorar a técnica e aprofundar conhecimentos”.


No entanto, também o sol do Algarve e as suas belas praias parecem constituir um indiscutível argumento no momento da escolha. Como confirma o médico, a especializar-se em urologia, a qualidade de vida proporcionada pela região é também um dos fatores a pesar na balança. “O Algarve em geral, e Faro em particular, tem praticamente tudo o que uma capital tem, com uma maior proximidade, o que liberta mais tempo para estudar ou para atividades de lazer”, salienta, destacando ainda a possibilidade de se associar com a Universidade, aliando-se a “um projeto de elevada qualidade, extremamente bem orquestrado e único na esfera da educação médica portuguesa”.
O médico também não poupa elogios ao Curso de Medicina da Universidade do Algarve, por ter uma “formação sólida, sem par em Portugal” e uma “excelente formação básica proporcionada por um método inovador”. A Bruno Morgado juntam-se mais sete médicos que garantem que, se as pessoas conhecessem a fundo este projeto já sedimentado e com provas dadas, não teriam problema em relocalizar-se para o Algarve. 

O Festival do Contrabando conseguiu, logo na primeira edição, registar a afluência de milhares de visitantes, as ruas encheram-se de pessoas e a animação foi muita, com a oportunidade única de realizar a travessia pedonal do Rio Guadiana. As datas da segunda edição já foram, entretanto, anunciadas pela Câmara Municipal de Alcoutim, com o evento a acontecer nos dias 23, 24 e 25 de março de 2018.
A realização deste festival integra-se numa estratégia de desenvolvimento turístico do concelho, assente na promoção do património natural, histórico, gastronómico e cultural, onde as vilas de Alcoutim e Sanlúcar de Guadiana se «vestem» a rigor e proporcionam aos visitantes um variado cartaz de eventos culturais, espetáculos de música, teatro, artes e ofícios tradicionais, arte circense, animação musical, personagens como os contrabandistas e guardas-fiscais a passear pelas ruas, workshops de ofícios tradicionais, Jornadas do Contrabando, Concurso de Fotografia. A tudo isto soma-se a visita a monumentos da história da região e do contrabando e muita mais animação, tendo sempre presente a beleza e imponência do Rio Guadiana.
Os Sabores da Serra e do Rio são mais uma das propostas deste festival, apreciar a diversidade que a gastronomia local oferece nesta época do ano e encontrar os doces tradicionais, sabores autênticos e inconfundíveis. A iniciativa é organizada pela Câmara Municipal de Alcoutim, em parceria com o Ayuntamiento Sanlúcar de Guadiana, e conta com o apoio do Governo de Portugal, Turismo de Portugal, Região de Turismo do Algarve e do Programa «365 Algarve».

A Associação de Capoeiragem Malta do Sul – Grupo Muzenza de Capoeira do Algarve vai estar representada, por seis atletas, no 9.º Campeonato Mundial Muzenza, que se disputa em Fortaleza (Brasil), entre 24 a 26 de Agosto. Destes, dois são do Concelho de Lagoa, nomeadamente o graduado Filipe Barros (Tricampeão Europeu) e o monitor Ricardo Castro (Campeão Mundial, categoria avançados).
No âmbito do Campeonato Mundial Aberto vão decorrer uma série de atividades, entre as quais cursos e palestras dirigidos pelas figuras mais sonantes da Arte Capoeira. Ricardo Castro já se encontra no Brasil, aproveitando para participar em vários eventos, workshops e formações de capoeira que antecedem o 9.º Campeonato Mundial Muzenza. Recorde-se que Ricardo Castro subiu ao pódio, no dia 22 de julho, obtendo um 2.º Lugar no VII Mundial Maculelê, prova organizada pelo Grupo Maculele do Brasil.



A dupla Beto Correia/Miguel Pinheiro, do Clube Desportivo da Póvoa, sagrou-se vencedora da III Etapa do Campeonato Nacional de Futevólei 2017, que teve lugar, nos dias 22 e 23 de julho, em Tavira. Miguel Pinheiro, campeão europeu em título, alinhou com Beto Correia e conquistou mais esta competição.
O pódio voltou a ser preenchido só por duplas do CDP, ficando no 2.º lugar Filipe Santos/Vítor Vilaça, enquanto Jorge Gamboa/Júlio Alves foram os terceiros classificados.

Foto: Federação Nacional de Futevólei / Vítor Pina
O Circuito de Manutenção e Corrida Carlos Boto, localizado na reta de Vale de Deus, vai ser oficialmente inaugurado no dia 30 de julho, pelas 10h30, numa cerimónia promovida pela União das Freguesias de Lagoa e Carvoeiro em conjunto com a Câmara Municipal de Lagoa. Pelas 10h30 terá lugar a cerimónia de descerramento da placa alusiva à inauguração do Circuito de Manutenção e Corrida ao qual foi atribuído o nome de Carlos Boto, distinto cidadão do concelho e grande impulsionador da prática desportiva e do associativismo, que marcou e ainda marca várias gerações de jovens e adultos. Segue-se uma aula de circuito tranning e outra de zumba, promovidas pelo Muv Gym. Os interessados em participar deverão comparecer no local pelas das 10h00.
O circuito é composto por uma pista mista com cerca de 1500 metros em pavimento betuminoso colorido e em argamassa sintética colorida. Contará ainda com duas zonas de equipamentos de manutenção, que permitirá aos utentes diversificar o tipo de exercício físico nas duas zonas verdes do circuito. Esta era já uma área bastante procurada pelos lagoenses para as suas corridas e caminhadas, pelo que as obras vêm conferir maior segurança ao local, pretendendo ainda atrair mais praticantes de caminhadas e corrida. “Este circuito surge de forma natural, num local para onde muitos lagoenses já se deslocavam para realizarem as suas caminhadas. Perante este facto só tínhamos duas opções: ou fazíamos que não víamos ou então tentávamos dar-lhes mais segurança e condições para as pessoas continuarem a praticar esta atividade física. Foi o que fizemos”, explica Joaquim João, presidente da União das Freguesias de Lagoa e Carvoeiro.
Quanto à atribuição do nome Carlos Boto a este circuito, “é uma pequena homenagem de todos os lagoenses e o reconhecimento do fantástico trabalho que ele realizou e que ainda hoje é visível em cada um de nós”. “Por mais homenagens que se possam fazer ao Carlos, elas serão sempre poucas", salientou o autarca.