A convite da Comissão Europeia, o Município de Lagos participou na “European Mobility Week - Workshops and Award Ceremony», iniciativa que decorreu, nos dias 20 e 21 de março, em Bruxelas. Malmö (Suécia) ganhou o Prémio EuropeanMobilityWeek 2016 pelo seu foco, de longo prazo, em modos de transporte ativo como o ciclismo ou as caminhadas. Lisboa (Portugal) e Skopje (República da Macedónia) foram os outros dois finalistas para a obtenção desta distinção. O 5.º Prémio de Planeamento de Mobilidade Urbana Sustentável foi atribuído a Bruxelas (Bélgica).
O contacto direto com realidades e experiências diferentes e inovadoras nas áreas da mobilidade e transportes, bem como o conhecimento sobre vários outros projetos que servirão de inspiração e estudo para a aplicabilidade no concelho, foram as mais-valias que o Município de Lagos recolheu com a sua participação neste evento. 
O Governo, através do Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. (IPDJ), lançou, no dia 13 de março, um novo Programa de Reabilitação de Instalações Desportivas destinado a clubes e associações desportivas de base local, com o objetivo de contribuir para a modernização e reabilitação de instalações desportivas ao serviço das populações. As candidaturas a este novo programa, efetuadas por via eletrónica, estão abertas até ao dia 13 de abril e vão dar prioridade aos projetos que envolvam a comparticipação financeira das autoridades locais e das próprias entidades candidatas.
As despesas elegíveis abrangem intervenções relacionadas com a renovação, reabilitação e conservação de instalações afetas à prática desportiva dos clubes e associações, designadamente, pisos, coberturas e paredes; ampliação e modernização de instalações sanitárias, vestiários-balneários e valências; construção e reparação de vedações, rampas e corrimãos, e redes e equipamento de gás, água e eletricidade. As melhorias que tenham como fim a eficiência energética das instalações existentes e a redução do consumo energético e melhorias de apoio a pessoas com mobilidade condicionada são igualmente contempladas.
Para fornecer mais informação acerca do PRID terá lugar uma sessão de esclarecimento, no dia 30 de março, na Biblioteca Municipal Lídia Jorge, em Albufeira, pelas 14h30. A entrada é livre, mas carece de confirmação de presença através do e-mail: ana.estanqueiro@cm-albufeira.pt.

A AmbiFaro, E.M. vai levar a efeito, no dia 5 de abril, o 2.º Encontro Empresarial de Faro, no Campus da Penha da Universidade do Algarve, no Auditório da Escola de Gestão, Hotelaria e Turismo (ESGHT), tendo como tema em discussão a «Diferenciação e Marketing Empresarial». “O encontro pretende contribuir para a criação de um concelho economicamente mais forte e atrativo, remetendo para um crescimento inteligente, sustentado e inclusivo, fomentando novas dinâmicas, novas tendências e novas estratégias, como fontes de valor acrescentado para a diferenciação, para a dinamização económica e para a criação de emprego”, explica Bruno Lage, presidente da AmbiFaro.
O encontro visa também fomentar e reforçar o relacionamento empresarial (networking) e promover atividades empresariais cada vez mais competitivas e eficientes, bem como fomentar sinergias e promover parcerias comerciais entre empresas de forma a estimular a criatividade, a inovação, o desenvolvimento e a competitividade empresarial.

O IV Festival Internacional de Acordeão de Olhão sobe ao palco do Auditório Municipal, no dia 31 de março, pelas 21h. Pelo quarto ano consecutivo, a Junta de Freguesia de Quelfes e o Grupo Etnográfico de Quelfes, com o apoio da Câmara Municipal de Olhão, promovem mais um certame com vários intérpretes nacionais e internacionais daquele que é um dos instrumentos tradicionais mais importantes da música portuguesa, com particular incidência no Algarve.
Atuam nesta noite Jeremy Lafont e Michel (França), Pietro Adragna (Itália), Rodrigo Maurício, Jorge Alves e Francisco Sabóia (Portugal). O objetivo da iniciativa é a promoção e valorização do acordeão enquanto instrumento.

A Área Desportiva da Praia da Rocha, em Portimão, foi o local escolhido pela Federação Portuguesa de Futebol para a realização do estágio da seleção, que decorrerá entre os dias 30 de março e 7 de abril. O Selecionador Nacional Mário Narciso chamou 15 jogadores para mais esta etapa de treino, com jogos de preparação agendados para as 16h30 dos dias 5 e 6 de abril contra a Polónia.
No Mundial das Bahamas, a decorrer de 27 de abril a 7 de maio, a equipa portuguesa, que defende o título, estreia-se frente ao Panamá, seguindo-se no dia 30, a equipa do Paraguai e a terminar a fase de grupos, a 2 de maio, diante dos Emirados Árabes Unidos.

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve e o Programa Operacional do Algarve (CRESC Algarve 2020) promovem um seminário, no dia 4 de abril, no Auditório da CCDR Algarve, em Faro, tendo por tema «Turismo e Transporte Aéreo na Era do Conhecimento». São vários os desafios que se colocam à afirmação do Algarve como Região Inteligente, que conta, não só, com a colaboração sinérgica dos agentes regionais, mas com o complexo das atividades turísticas, enquanto ativo primordial, para promover o desenvolvimento regional, estimular o empreendedorismo e a empregabilidade, alavancando interações profícuas com os restantes setores de atividade.
O evento partilhará novas tendências e visões, macro e micro, dos negócios turísticos e do transporte aéreo, enquadrados na realidade do Algarve. Recorde-se que a incorporação de conhecimento e inovação no quadro das atividades do cluster turístico, seja na programação e planeamento, seja na operação e gestão do destino, dos produtos, dos recursos e dos equipamentos, coloca oportunidades que urge promover e aproveitar, potenciando acessibilidades, mobilidade e distribuição, componentes fundamentais no desenvolvimento do turismo no Algarve e no fomento da procura nacional e internacional. 

O Aeroporto de Faro e a companhia aérea Ryanair inauguraram, no dia 26 março, a nova rota Faro – Varsóvia - Modlin. Operada durante toda a temporada de Verão com dois voos semanais pela companhia Ryanair, num Boeing 738, a rota vai representar uma oferta total de 23 mil e 436 lugares.
Além da Rota de Varsóvia-Modlin, a companhia aérea irlandesa com base em Faro vai oferecer mais nove novos serviços regulares este Verão: Aberdeen, Belfast, Cardife, Frankfurt-Main, Hamburgo, Londres-Luton, Marselha, Newquay e Newcastle. “A oferta alargada de mais 10 novos serviços regulares pela Ryanair vai permitir transportar 2,4 milhões de clientes por ano e apoiar mil e 800 empregos no Aeroporto de Faro, o que resulta do nosso compromisso em continuar a trazer turismo e a criar novos empregos no Algarve e em Portugal”, explicou Barbara Casanova, responsável pelas vendas e marketing em Portugal e Espanha.
A Ryanair é a companhia aérea que mais passageiros transporta de/e para Faro, tendo representado, em 2016, mais de 27 por cento do tráfego deste aeroporto.

Nos dias 20 e 21 de março, uma delegação de Loulé marcou presença na cidade de Cracóvia, num encontro transnacional juntamente com representantes daquela cidade polaca e também de Budapeste (Hungria). A delegação de Loulé foi composta por João Martins, vereador da Câmara Municipal de Loulé, Tiago Guadalupe, coordenador local do projeto «Vital Cities», Júlio Guerreiro, Gabinete de Comunicação, Adriana Cavaco, técnica da ação social da Câmara Municipal de Loulé e, Luís Vicente, dirigente do Clube de Ténis de Loulé, um dos parceiros locais da Autarquia louletana neste projeto europeu.
A delegação louletana deslocou-se a Cracóvia para dois dias intensos de reuniões que se consumaram num «mergulho profundo» (deep dive) nos projetos em curso na cidade polaca com 800 mil habitantes, no âmbito do projeto europeu «Vital Cities», rede europeia liderada por Loulé e constituída por 10 municípios europeus, que visa a promoção de estilos de vida ativos e saudáveis no combate ao sedentarismo e fomento da coesão social. Esta foi uma oportunidade para uma partilha de experiências mas também para uma melhoria das atividades levadas a cabo pelo município polaco, inscritos na filosofia da «Vital Cities», através das propostas e sugestões apresentadas pelos parceiros portugueses e húngaros e, pelo leader expert, Twan De Bruijn.
A título de balanço, Tiago Guadalupe, coordenador local do projeto europeu, considerou muito interessante constatar que locais diferentes têm problemas similares, sublinhando o facto da cidade de Cracóvia “ter o mesmo tipo de desafios que Loulé, apesar da singularidade em termos culturais, do contexto específico, da tradição e dos valores democráticos, pelo que as respostas, em cada um dos casos, serão necessariamente diferentes”. “Este encontro transnacional consumou-se numa troca de experiências extremamente positiva para além de permitir tomar contacto com as novas tendências a nível europeu e, por estarem a ser dados passos significativos no velho continente de forma a tornar as cidades mais ativas e vitais”, concluiu.
Este Deep Dive constituiu um dos 10 encontros transnacionais em que cada cidade será anfitriã por dois dias, de outros dois parceiros da rede, para troca de experiências e análise dos projetos locais. Neste sentido, no mês de abril, representantes louletanos vão estar em Budapeste, na Hungria para participarem no segundo e último Deep Dive.

Tavira acolhe, no dia 29 de março, a estafeta «Chamada para os Jogos», no âmbito do projeto «Jogos de Quelfes». A corrida termina em Ayamonte (Espanha), no dia 5 de maio, e envolve a transmissão de um testemunho, sob a forma de mensagem, dirigida a alunos e professores.
Em Tavira, a partida dos atletas terá lugar na Escola Básica da Conceição, prevendo-se a passagem pela EB1 de Cabanas, Jardim-Escola João de Deus, Centro Escolar da Horta do Carmo, Fundação Irene Rolo, EB1 n.º 1 D. Manuel I, EB1 de Santa Luzia, Luz de Tavira e Santo Estevão. A estafeta termina com a entrega do testemunho no limte do concelho com São Brás de Alportel.
Este evento visa promover, junto da comunidade escolar, o olimpismo enquanto filosofia de vida humanista e instrumento pedagógico transversal; um modelo de desporto inclusivo, potenciador das capacidades pessoais e sociais; a Dieta Mediterrânica enquanto regime alimentar estruturante na promoção da saúde física e mental; o ambiente e a sustentabilidade dos recursos disponíveis e a apologia da paz. A iniciativa conta, este ano, com a participação de 12 concelhos das regiões do Algarve, Lisboa e Andaluzia, sendo que as provas terão lugar, nos concelhos de Ayamonte, Faro, Loulé, Olhão, São Brás de Alportel e Tavira. 

O Museu Municipal de Loulé vai ser integrado na Rede Portuguesa de Museus, após a emissão de parecer positivo do Conselho Nacional de Cultura. Recorde-se que, após um período de reestruturação técnica, foi entregue, a 27 de janeiro de 2016, junto da Direção-Geral do Património Cultural, o pedido de credenciação do Museu Municipal de Loulé na Rede Portuguesa de Museus. No dia 8 de fevereiro do corrente ano, realizou-se a quinta reunião da secção dos museus, da conservação e restauro e do património imaterial do Conselho Nacional de Cultura, no qual foi analisado o relatório técnico de apreciação desta candidatura, tendo esta secção emitido, por unanimidade, um parecer positivo sobre a integração.
A requalificação do Museu Municipal de Loulé, enquanto instituição museal, foi objeto de um trabalho de equipa no qual intervieram muitos técnicos da área cultural da Câmara Municipal, tendo-se delineado uma estratégia concertada no âmbito da ação museológica, através do desenvolvimento de várias ações, entre as quais se destacam: a realização dos documentos obrigatórios; a reorganização das reservas; a informatização do inventário; o fomento na área da investigação; a criação de uma loja; a acessibilidade com áudio descrição e braille; a elaboração de uma aplicação animada acessível aos visitantes, referente a alguns objetos presentes no núcleo sede do Museu; o reforço da equipa, suprimindo as carências na área de conservação e restauro; e a criação do website que vem permitir aumentar o raio de ação na captação de públicos a nível mundial e de internacionalização do conhecimento do património do Concelho de Loulé.
No âmbito dessa estratégia foram adquiridos vários espaços junto ao Museu Municipal para constituição de um quarteirão cultural que conjugue e permita a visita integrada do Núcleo sede, Cozinha Tradicional, Castelo e Banhos Islâmicos sobre os quais reiniciaram o ano passado novamente escavações. Este espaço (quarteirão) irá permitir reforçar as áreas de exposição, o laboratório, a acessibilidade às áreas expositivas e técnicas, valorizando inclusive duas áreas do conhecimento que diferenciam a nível regional, nacional e internacional o Concelho de Loulé – a escrita do sudoeste e a paleontologia.
Num Museu por onde passam mais de 142 mil visitantes por ano, o grande desafio que se lhe coloca é o de provocar um diálogo constante entre o passado e o presente, criando proximidade com as comunidades que o rodeiam e que espelham na prática a identidade cultural que o mesmo pretende transmitir. Por outro lado, sendo o Museu um local de questionamento e de abertura às novas culturas que se vão manifestando no território, torna-se imprescindível ser uma instituição que se relaciona com o futuro, participando como agente de integração e mudança para a construção da identidade e da memória contemporâneas.

A AMAL - Comunidade Intermunicipal do Algarve encontra-se a preparar uma candidatura, em parceria com os 16 municípios algarvios, ao CRESC Algarve 2020 no âmbito dos PAMUS – Planos de Ação de Mobilidade Urbana Sustentável, depois de ter sido aprovado por unanimidade, no dia 27 de março, o plano para o Algarve. Com um investimento de 13,2 milhões de euros, e com um financiamento a 50 por cento do FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, o projeto engloba a criação de vias cicláveis e pedonais, uma melhoria significativa nos transportes públicos e nas acessibilidades e a gestão de parques de estacionamento.
A criação, consolidação, expansão ou revitalização da Ecovia do Algarve constitui um dos pontos fortes deste plano, que adapta o investimento a efetuar à situação atual de cada concelho e prevê ter a ciclovia concluída até o ano de 2020. Nos municípios que não são abrangidos pela ciclovia, o investimento será aplicado noutras propostas. É ainda de destacar que, no âmbito do PADRE - Plano de Ação e Desenvolvimento de Recursos Endógenos, está também previsto um investimento de cerca de dois milhões de euros para aplicar em vias cicláveis.
Responsável pela coordenação do Plano de Mobilidade Urbana Sustentável e Transportes Intermunicipal, integrado na Estratégia Integrada de Desenvolvimento Territorial, a AMAL vai investir na capacitação da Autoridade de Transportes Intermunicipal, uma nova valência assumida pela Comunidade Intermunicipal. Com uma clara preocupação em reforçar a aplicação prática do conceito de mobilidade sustentável na região, o plano aprovado pelos municípios e coordenado pela AMAL pretende incentivar, junto da comunidade, a utilização de formas de mobilidade mais eficientes, como o recurso a transportes coletivos de passageiros ou a opção por veículos não poluentes. Nesse sentido será necessário implementar novas estratégias e soluções que ofereçam à população algarvia um conjunto de opções com vista a privilegiar a mobilidade suave, o objetivo central desta candidatura conjunta, entre a AMAL e os municípios, ao CRESC Algarve 2020 no âmbito dos PAMUS.

Decorre a segunda fase de inscrições para o programa de ocupação de tempos livres «Férias Super Fixe – Páscoa» de Silves, que deverão ser efetuadas junto do sector de Desporto da Câmara Municipal de Silves, localizado nas Piscinas Municipais de Silves. Neste momento estão por preencher um total de 49 vagas distribuídas pelas seguintes localidades: Silves B - 7 vagas; Algoz e Tunes – 11 vagas; Armação de Pêra, Alcantarilha e Pêra – 10 vagas; São Bartolomeu de Messines - 16 vagas e S. Marcos da Serra - 5 vagas.
As inscrições têm um custo associado de 50 euros e incluem a oferta de transporte (nas EB 2,3 e Junta de freguesia de São Bartolomeu de Messines e/ou nas Piscinas Municipais de Silves), almoço, seguro, t-shirt, diploma e acompanhamento de técnicos e monitores qualificados para as várias atividades previstas. Os participantes deverão utilizar equipamento adequado para as atividades (que têm lugar das 9h às 17h), nomeadamente a t-shirt das «Férias Super Fixe», fato de treino ou calções, sweatshirt e ténis. Em dia de atividades aquáticas é necessário fato de banho, touca, toalha e chinelos. Também deverão acompanhar-se de um lanche para o meio da manhã e da tarde e água.

A Câmara Municipal de Lagoa apresentou, no dia 18 de março, na Bolsa de Turismo de Lisboa, a edição deste ano da «Carvoeiro Noite Black & White», evento de animação que teve início em 2014. A 17 de junho, a celebração do solstício de Verão trará a esta vila mais uma ação de promoção turística e cultural, a preto e branco, que a organização espera que seja a maior enchente de sempre, ultrapassando as 25 mil pessoas que encheram as ruas e a praia de Carvoeiro em 2016.
Em apenas três anos, a «Carvoeiro Noite Black & White» assumiu-se como a primeira grande festa de Verão no Algarve, tornando-se um megaevento de referência a nível regional e nacional, com grande importância na economia local, no início da época alta de turismo. Este ano vai haver várias novidades, entre as quais um reforço considerável na linha regular de autocarros de ligação entre Carvoeiro e os vários estacionamentos previstos. Outras novidades são o alargamento da área do evento à Rua dos Pescadores, Anfiteatro junto à Ermida e extensão da Estrada do Farol e o prolongamento da mega pista de dança do areal até ao largo da praia, com som e ecrãs led em simultâneo nas duas áreas.

Integrado no ciclo de conferências «Ambiente com Livros – Livros com Ambiente» acontece, no dia 6 de abril, pelas 18h, na Biblioteca Municipal Álvaro de Campos, um momento de reflexão com a autora de «Portugal: Ambientes de Mudança», Luísa Schmidt, o qual conta com a colaboração de João Manuel Alverinho Dias e Miguel Proença. A iniciativa visa fomentar o debate acerca das temáticas ambientais da atualidade, a relação com a natureza e o compromisso com um futuro sustentável. O ciclo contará com a presença de autores que com o seu trabalho influenciam e contribuem para o desenvolvimento de uma cultura contemporânea direcionada para as causas ambientais.
Luísa Schmidt é socióloga e investigadora do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e coordenadora do OBSERVA – Observatório de Ambiente, Território e Sociedade. Participa em diversos projetos, nacionais e internacionais relacionados com Educação, Participação e Sustentabilidade. Publicou já diversos livros e é colunista regular do jornal Expresso.
João Manuel Alveirinho Dias é investigador no CIMA (Centro de Investigação Marinha e Ambiental) da Universidade do Algarve e doutorado em Geologia Marinha e Costeira. Desenvolveu a carreira profissional nos Serviços Geológicos de Portugal, no Instituto Hidrográfico e nas Universidades do Algarve, de Lisboa e de Aveiro. Foi professor visitante/convidado, entre outras, nas universidades de Bordéus (França), Cádis (Espanha), Duke e Grand Valley (USA), Nápoles (Itália), São Paulo, Santa Catarina e Rio de Janeiro (Brasil), bem como em Southampton (Reino Unido). Tem mais de 200 artigos publicados, cerca de metade dos quais em revistas internacionais credenciadas. Dedica-se, atualmente, à investigação nas áreas das interações homem-meio, de história do clima e de história ambiental.
Miguel Proença é fotógrafo e o seu trabalho centra-se, neste momento, no ordenamento de território agrícola e florestal no Algarve, em particular, e, da paisagem, em geral. Licenciado em Agronomia, pela Universidade da Flórida (Gainesville), concluiu uma pós-graduação em Estudos de Fotografia,  no IADE (Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing), e o mestrado, em História de Arte, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas na Universidade Nova. Frequenta o doutoramento em fotografia e paisagem, na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa.
A Associação Turismo de Portimão e a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica promovem, no dia 3 de Abril, pelas 15h, no auditório do Museu de Portimão, uma sessão de esclarecimento dirigido à comunidade empresarial da região. No decorrer da iniciativa, que conta com a presença do inspetor-geral da ASAE Pedro Portugal Gaspar, bem como da Presidente da Câmara Municipal de Portimão, Isilda Gomes e do Presidente da ATP, Pedro Lopes, serão abordadas as diferentes áreas pelas quais esta autoridade é responsável pelo cumprimento da legislação vigente, nomeadamente em termos de segurança alimentar e fiscalização económica para os sectores restauração, bebidas, venda ambulante e alojamento local.
A ação visa contribuir para uma maior informação dos agentes económicos sediados no concelho de Portimão, oferecendo-lhes a oportunidade de esclarecimento de dúvidas e dotando-lhes de ferramentas que possam contribuir para o desenvolvimento da sua atividade económica dentro das normas legais em vigor. 

Com a chegada da Primavera, o Aeródromo Municipal de Portimão volta a ser o local de eleição para algumas centenas de paraquedistas de todo o mundo que, até 15 de abril, participam no «Festival Spring Boogie 2017». Depois do sucesso da edição do ano transato, cerca de 200 paraquedistas oriundos de diferentes países estão envolvidos neste evento promovido pela Skydive Algarve, das 8h às 20h, com adrenalina no top para mais uma época de saltos.
Durante este festival serão utilizados dois aviões Dornier G92, aeronaves de duas turbinas com capacidade para transportar simultaneamente 15 paraquedistas, que realizaram os seus saltos a partir dos 14 mil pés de altitude, em cerca de 13 minutos. Estas aeronaves são usadas no Reino Unido para a maior competição de paraquedismo do mundo: o Campeonato Nacional Britânico de Paraquedismo (British Skydiving Championships).
De 5 a 9 de abril, irá ter lugar a atividade «Sequential Games» que contará com a participação de mais de 100 pessoas oriundas de todo o mundo que vão saltar em simultâneo de três aviões, para, juntos, realizarem espetaculares formações com diferentes figuras nos céus de Alvor. Esta é uma oportunidade única de experienciar o ambiente enérgico, divertido e multicultural que um «Festival Boogie» oferece num espaço que é já uma referência internacional. 

A partir das 11h do dia 1 de abril, as portas do Festival do Medronho, em Monchique, abrem-se ao público, com exposição e venda de aguardente e melosa pelos produtores, debates, mostras gastronómicas, exposições, animação, concertos e muitas outras atividades a garantirem dois dias bastante preenchidos para os apreciadores do medronho.
Na Capital do Medronho, os debates vão estar em destaque, com boas ideias, boas práticas e bons exemplos, histórias de sucessos que desafiam as leis do empreendedorismo. Assim, no dia 1, vai falar do «O que é português é bom! Da internacionalização do Medronho e de outros produtos tradicionais/regionais». No dia 2, será a vez de «As boas ideias não têm idade, nem se gastam. Da modernização dos produtos tradicionais como o medronho».
As demonstrações culinárias serão outro atrativo desta edição do Festival do Medronho de Monchique, divididas em quatro níveis: Internacional, com a Chef Valeria a criar dois pratos típicos do seu país de origem, o Perú; Nacional, com o Chef Emídio Concha de Almeida a realçar os sabores nacionais; Regional, com a presença da Associação de Cozinheiros e Pasteleiros do Algarve; Local, com a Chef Augusta Gervário a trazer ao certame sabores locais, enriquecidos com o medronho, com propostas irresistíveis. 
A programação inclui ainda «Doçaria Tradicional Reinventada» pela Pastelaria «Ana Maria» e pela Pastelaria «Doce&Arte»; Degustação de doces e compotas de medronho por «Doces da Julinha»; Mostra de bombons de Medronho, por Maria Aline Ramos; Lounge Bar; Encontros Artísticos com teatro nas catedrais do medronho, pelo «Lavrar o Mar»; Espetáculo de Magia com Carlos Rivotti; Fado com Adriana Marques, Custódio Castelo e o João Chora; Stand-Up Comedy com Sandro Colaço; Atuação do Grupo de Cantares da Confraria do Medronho; VII Passeio TT Rota do Medronho; Concurso de Rótulos das Garrafas dos Produtores de Aguardente de Medronho de Monchique presentes no Festival; Desmonstrações do processo de destilação com alambique ao vivo; Exposição de aguardentes do mundo; Exibição do documentário sobre a produção de Aguardente de Medronho – Casa do Medronho de Marmelete; Apresentação do projeto «Terra», trabalho discográfico de carácter solidário que surge na sequência dos incêndios de Setembro de 2016, na Serra de Monchique. 

A Câmara Municipal de Esposende convidou a Autarquia de Loulé, através da iniciativa Loulé Criativo, a participar, no dia 21 de março, num Seminário Internacional subordinado ao tema «O Turismo Criativo como construtor de dinâmicas de desenvolvimento local», evento que contou com a participação de oradores nacionais e internacionais. Dirigido ao público em geral, particularmente à comunidade estudantil e agentes ligados ao turismo, a ação pretendeu despertar para o Turismo Criativo enquanto processo gerador de dinâmicas locais, setor que propicia o desenvolvimento de atividades e que atenua a sazonalidade.
O certame contou com as intervenções dos docentes universitários Adalberto Dias de Carvalho, do ISCET - Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo, Paula Remoaldo, do Lab2PT da Universidade do Minho, e Carlos Fernandes, da Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Relativamente ao Município de Loulé, o projeto «Loulé Criativo» esteve em foco, apresentou as suas valências, as diversas iniciativas desenvolvidas ao longo do ano, as estratégias e planos para o futuro, numa intervenção que despertou consciências e curiosidade por parte do público estudantil, painel de oradores e profissionais do turismo e das indústrias criativas da região norte.
O encontro contou igualmente com intervenções de agentes internacionais de renome no segmento de turismo criativo, tais como Caroline Couret, do Creative Tourism Network, que falou sobre «O turismo criativo, uma alavanca de desenvolvimento territorial», e Elena Paschinger, do CreativElena, que apresentou a sua longa experiência enquanto seguidora dos destinos criativos pelo mundo. Ao longo do certame diversos destinos criativos deram a conhecer as suas iniciativas e projetos tais como Mari Angels, do Município de Tossa del Mar, Girona, Catalunha, Aida Carvalho, do EsACT-IPB / Município de Mirandela e Sandra Touza, do Ponelacaraalturismo, Galiza.
O Turismo Criativo é considerado uma nova geração de turismo que implica a oportunidade de diversificar a oferta turística de um destino, incluindo a possibilidade de se abrir a um turismo de qualidade otimizando os recursos materiais e imateriais existentes, assim como as infraestruturas, os equipamentos culturais e o património de monumentos (by Creative Tourism Network®).

Já abriram as inscrições para aquela que se tem tornado umas das iniciativas mais conhecidas da Associação Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora (ARCDAA), o Peddy Paper da Cumeada da Alta Mora. Pelo 14.º ano consecutivo, no dia 23 de abril, a Cumeada espera pelas dezenas de participantes que todos os anos aderem à divertida e desafiadora prova.
A promoção e valorização do potencial dos recursos endógenos e culturais da freguesia de Odeleite é o principal objetivo da iniciativa, que encerra com um almoço de confraternização, seguido da entrega de prémios até ao 5.º classificado. As inscrições decorrem até ao dia 18 de abril, estando limitadas a 40 equipas, de quatro a seis elementos. Para mais informações ou inscrições, os interessados podem consultar a página da ARCDAA – www.arcdaa.com – ou usar os contactos 96 5284657 | arcdaa@gmail.com.
A XIV edição do Peddy Paper «Cumeada de Alta Mora» conta, uma vez mais, com o apoio da Câmara Municipal de Castro Marim e da Junta de Freguesia de Odeleite e com a colaboração da Associação Odiana, do Centro de Cultura e Desporto do Pessoal da Autarquia de Castro Marim (CCD) e de várias empresas da região.



A Câmara Municipal de Lagoa levou a cabo a plantação de 320 árvores de espécies autóctones em vários pontos do concelho, no âmbito do Projeto de Educação Ambiental «Semana Verde - Green Week», com a atividade «Planta a tua árvore», que promoveu a biodiversidade e a melhoria da paisagem no concelho, bem como a salvaguarda e valorização do património paisagístico. A ação envolveu os alunos do Ensino Pré-Escolar e os que frequentam o 1.º ano do 1º. Ciclo da rede pública e privada do concelho.
De 20 a 24 de março, os jovens plantaram as espécies autóctones no Parque Municipal Sítio das Fontes em Estômbar, durante o período da manhã e, da parte da tarde, a iniciativa desenrolou-se nos recintos dos Agrupamentos de Escolas Rio Arade e Padre António Martins de Oliveira de Lagoa, nomeadamente nos Jardins de Infância Parchal 1 e de Lagoa e nas Escolas Básicas de Ferragudo e de Lagoa. Também participaram nesta ação duas turmas do 2.º ano da Escola Básica do 1.º Ciclo Major David Neto, do Agrupamento de Escolas Prof. José Buisel, de Portimão.
Ao longo da «Semana Verde - Green Week», as Juntas de Freguesia do concelho também receberam algumas plantas autóctones, nomeadamente medronheiros, sobreiros, freixos, que plantaram em locais públicos das freguesias. A Câmara Municipal de Lagoa promoveu esta iniciativa não só como uma forma de tentar sensibilizar a população para um concelho mais verde, mas também por ser parceiro do projeto «Green Cork» da QUERCUS.

A XVIII edição da Feira do Folar de S. Marcos da Serra abre portas nos dias 14, 15 e 16 de abril. O evento é organizado pelo Município de Silves, com o apoio da Junta de Freguesia local, do Serrano Futebol Clube, da Associação Humanitária de S. Marcos e da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de São Bartolomeu de Messines e São Marcos da Serra e da Região de Turismo do Algarve.
Produtores tradicionais de folar e de outras iguarias serranas estarão presentes neste certame que procura promover o interior do concelho e a cultura popular, designadamente da freguesia de S. Marcos da Serra, veiculando o saber fazer das gentes locais, as suas tradições, gastronomia e artesanato e envolvendo agentes e representantes da comunidade local. S. Marcos da Serra é conhecida pelo fabrico do pão e do «Folar», o doce mais tradicional da Páscoa, doce e perfumado por canela e erva-doce, decorado com ovos inteiros e feito a partir de uma massa levedada com fermento de padeiro. 

Celebraram-se, no dia 25 de março, em Roma, os 60 anos da assinatura dos Tratados que instituíram a atual União Europeia. Na véspera, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve e a Universidade do Algarve promoveram, em Faro, uma sessão comemorativa que contou com as participações de Adriano Moreira, da Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal, Sofia Colares Alves, do presidente da CCDR Algarve, Francisco Serra, do Reitor da Universidade do Algarve, António Branco e de António Covas, professor da UAlg.
No final da tarde foi inaugurada, na CCDR Algarve, a exposição «Europa 60 anos depois. A vida na arte», que reuniu trabalhos de alunos de mobilidade obras que revelam o que é viver, estudar e criar, no contexto proporcionado pela adesão à União Europeia, diferentes olhares perante uma mesma realidade: infância, velhice, identidade, género, empatia, partilha, conectividade, transformação, tempo. Olhares de que sobressaem três valores basilares: paz, liberdade e diversidade, comuns à arte e à vida na Europa. A exposição está patente ao público de 27 de março a 30 de abril, entre as 10h e as 18h, com entrada livre. 

O Verão de 2017 vai trazer ao Aeroporto de Faro mais 11 novas rotas e 15 novos serviços regulares. Budapeste, Dresden, Erfurt, Gotemburgo, Lille, Muenster, Newquay, Nice, Varsóvia, Maastricht e Ostend são os grandes destaques do Algarve no Verão IATA de 2017.
O aumento da ordem dos 17 por cento na oferta global de lugares de e para a região do Algarve neste Verão, estimado em 8,4 milhões de lugares, consolida a tendência de crescimento que se tem registado. Este incremento vai representar, na temporada, um acréscimo estimado de um milhão de lugares na oferta de lugares regulares, se comparado com período homólogo (Verão2016). Na temporada que se inicia, o Aeroporto de Faro e a região do Algarve vão ficar ligados a mais de uma centena de aeroportos de 20 países e serão servidos por mais de 50 companhias aéreas regulares.
Ao nível dos mercados, o grande destaque deste Verão IATA vai para o Reino Unido, Alemanha e França. O Reino Unido vai manter a habitual relevância e vai ficar ligado à Região do Algarve por mais de 30 aeroportos. Com um crescimento previsto de 15 por cento na oferta global de lugares, este mercado pode atingir, no final do Verão IATA de 2017, uma quota de mercado ligeiramente acima dos 50 por cento.
O mercado alemão tem um assinalável crescimento na oferta global de lugares (cerca de 26 por cento), com a oferta de três novas rotas (Dresden, Erfurt e Munster), servidos pela companhia aérea Germania, configurando uma revigorada procura pelo Algarve como destino turístico de eleição. A destacar ainda neste segmento, o reforço da conectividade a Frankfurt, pela companhia aérea Ryanair, que passa a assegurar um novo serviço diário a este que é um dos principais e mais importantes hubs da Europa, e vai ser servido, neste Verão, por três companhias aéreas a partir de Faro: Lufthansa, Ryanair e TUI.
O mercado francês, que na temporada anterior apresentou um inusitado crescimento na procura do Algarve enquanto destino turístico, vai ficar ligado ao Aeroporto de Faro através de 10 aeroportos e vai consolidar um elevado crescimento na oferta de lugares, na ordem dos 30 por cento, se considerarmos igual período do ano anterior. Entre o Algarve e França vão abrir duas novas rotas (Lille e Nice pela EasyJet) e vão ser lançadas quatro novas frequências regulares: Bordeaux, Marselha e Nantes pela Volotea e Paris pela EasyJet. 

Tavira promove, de 31 de março a 23 de abril, o Festival de Gastronomia Serrana. Pelo 14.º ano, os sabores do interior do concelho poderão ser degustados nos oito restaurantes aderentes de Cachopo, Santa Catarina da Fonte do Bispo, Santo Estêvão e Tavira. Os apreciadores da cozinha tradicional, dos produtos locais e da época, assim como do estilo de vida mediterrânico tem ao dispor nos restaurantes Retiro dos Caçadores (Cachopo), O Constantino, Taberna Barriga, O Convívio, O Monte Velho, Herdade da Corte, Quinta do Marco (Santa Catarina da Fonte do Bispo) e Monte Baleeira (Tavira), diferentes pratos caraterísticos da região.
Queijos frescos com mel ou especiarias, saladas, chouriço, presunto, azeitonas, canja de galinha caseira, caldo verde integram as entradas dos menus dos vários restaurantes, os quais apresentam no seu cardápio borrego, javali, porco, galinha, devidamente, acompanhados por vinhos da região. Digestivos de aguardente de medronho e figo, assim como sobremesas de laranja, amêndoa, ovos e fruta da época completam as ementas.
Todos os que se deslocarem até aos estabelecimentos aderentes e provarem as ementas do Festival habilitam-se a ganhar, por sorteio, a uma estadia num dos seguintes alojamentos turísticos: Herdade da Corte, Hotel Rural Quinta do Marco (freguesia de Santa Catarina da Fonte do Bispo), Pensão Agrícola (Valongo - freguesia de Conceição e Cabanas), assim como usufruir de uma atividade de animação turística.

O Clube Karaté de Olhão voltou a estar em evidência em Marrocos, no Open Internacional de Karaté de Tânger, tendo conquistado vários títulos nas modalidades de kata e kumité em escalões diferentes. A participação de equipa olhanense deveu-se a um convite feito à Liga Karaté do Sul por parte da organização e na comitiva estavam mais duas equipas, num total de 33 elementos. A competição juntou cerca de mil karatecas, oriundos de Espanha, França, Itália, Inglaterra, Marrocos e Portugal.
Na competição, destaque para os primeiros lugares de Eduardo Garcia em kata seniores, Natacha Fernandes em kata juvenil, Filipa Oliveira em kumité juvenil e Angelina Rodrigues e kumité infantil. Subiram ainda ao pódio Melissa Formigo e Beatriz Cadete, segundas classificadas em kumité juvenil e infantil, respetivamente, bem como Filipa Oliveira, terceira em kata juvenil. No Open marcaram presença dois árbitros olhanenses, Luís Magalhães e João Efigénia. 



Encontram-se abertas, até 31 de março, as candidaturas ao «Prémio Municipal de Arquitetura e Arquitetura Paisagista», que tem como objetivo promover e incentivar a qualidade arquitetónica, a dignificação da imagem urbana, a valorização e distinção das obras mais relevantes a nível municipal, bem como a salvaguarda do património do concelho. Com a atribuição deste prémio pretende-se traduzir publicamente o reconhecimento do Município ao autor do projeto, ao promotor e ao construtor.
Podem concorrer entidades públicas e privadas e os autores dos projetos de arquitetura e arquitetura paisagista das obras que tenham obtido a correspondente autorização de utilização nos últimos três anos. O prémio será distribuído por três secções distintas: Obra Nova; Recuperação/Reabilitação e Espaços Exteriores, tendo o valor de mil e 500 euros por secção. O Regulamento do Prémio pode ser consultado no sítio da internet do Município, http://www.cm-faro.pt
Recorde-se que o projeto de regulamento do «Prémio Municipal de Arquitetura e Arquitetura Paisagista» foi aprovado pela autarquia e Assembleia Municipal em 2012 mas, por constrangimentos financeiros, não tinha sido implementado até à data. Antes disso fora instituído, em 1995, o Prémio Municipal de Arquitetura, com o objetivo de incentivar as boas práticas desta disciplina e contribuir para a melhoria da qualidade ambiental e construída do concelho. No entanto, com o passar do tempo, este prémio deixou de se realizar com a regularidade preconizada, retomando agora com uma novidade, a inclusão da arquitetura paisagista como uma das disciplinas a distinguir.

A 31 de março, sexta-feira, pelas 21h30, os Artistas Unidos sobem ao palco do Cine-Teatro Louletano com a peça «A Noite da Iguana», no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Teatro (27 de março). Uma modesta pensão junto ao mar, na costa do Pacífico. Um ex-pastor no limiar de um colapso nervoso.
Uma viúva, Maxine, é quem se ocupa do hotel. E surge uma pintora amadora que tenta vender os seus quadros, enquanto passeia o seu avô moribundo de hotel em hotel, sem dinheiro. E uma iguana presa que se vai soltar naquela noite. E, ao fim da carreira, há uma redenção. Os conflitos que vimos na Gata em Telhado de Zinco Quente, o lamento do Doce Pássaro da Juventude, a ansiedade do Jardim Zoológico de Vidro, as peças de Tennessee Williams que temos andado a fazer desde 2015, desvanecem-se aqui. É dolorosa a noite, agitam-se os corpos, é tormentosa a vida. Mas há uma redenção, chega a sabedoria, neste hotelzito longe da louca multidão.
«A Noite da Iguana», de Tennessee Williams, encenada por Jorge Silva melo e produzida por João Meireles, tem como protagonistas Nuno Lopes (Lawrence Shannon), Maria João Luís (Maxine Faulk), Isabel Muñoz Cardoso (Judith Fellowes), Joana Bárcia (Hannah Jelkes), Pedro Carraca (Hank Prosner), Tiago Matias (JakeLatta), João Meireles (Herr Fahrenkopf), Ana Amaral (Frau Fahrenkopf), Pedro Gabriel Marques (Pancho), Catarina Wallenstein (Charlotte Goodall), Américo Silva (Nonno), João Delgado (Pedro), Bruno Xavier (Wolfgang), Vânia Rodrigues (Hilda).
A peça tem a duração de 120 minutos e um custo associado por pessoa de 12 euros, passando para 10 euros no caso de maiores de 65 e menores de 30 anos. O Cartão de Amigo é aplicável a este espetáculo. 

O Grupo de Apoio à Pessoa Idosa (GAPI) presta, desde o final de 2016, apoio à população mais idosa do concelho de Silves. Criado pela Câmara Municipal de Silves, integra diversas outras entidades, entre as quais a Segurança Social, GNR, Centro de Saúde de Silves, Delegação da Cruz Vermelha de Silves, Santa Casa da Misericórdia de Silves, Santa Casa da Misericórdia de Armação de Pêra, Santa Casa da Misericórdia de Alcantarilha, Centro Social João de Deus de São Bartolomeu de Messines, Centro Paroquial de Pêra e Associação Humanitária de São Marcos da Serra.
Trabalhando em rede e em parceria, procura-se identificar, avaliar e resolver as situações-problema dos idosos que possam eventualmente encontrar-se em situações de perigo, através de uma atuação mais ampla, célere e concertada, tendo em vista assegurar o bem-estar e a qualidade de vida da população idosa deste concelho, que é um dos maiores do Algarve (e do país) e onde o isolamento do interior é visível. Informar os seniores e sensibilizar a população em geral e as famílias em particular para os problemas vividos pelos mais idosos, bem como desenvolver ações de prevenção e de remoção de dificuldades sociais e económicas desta população são algumas das propostas do GAPI.
Qualquer munícipe poderá e deverá sinalizar situações de idosos que se encontrem em situação de alguma vulnerabilidade e/ou risco e os próprios idosos ou familiares poderão recorrer aos serviços deste grupo, bastando para isso contactar os serviços de Ação Social da Câmara Municipal de Silves, através de email apoio.idoso@cm-silves.pt, ou dirigir-se diretamente ao Setor de Ação Social (Rua João de Deus, Silves, ao lado da Junta de Freguesia de Silves), ou através do telefone 282 440 831.

Tiveram lugar, na Santa Casa da Misericórdia de Albufeira, as eleições para o Secretariado Regional das Misericórdias de Faro, que representa a União das Misericórdias na região do Algarve. O Secretariado eleito para o mandato de 2017/2019 é presidido por Patrícia Seromenho, Provedora da Misericórdia de Albufeira, contando na sua equipa com Rui Gingeira, Secretário da Misericórdia de Monchique e Armindo Vicente, Provedor da Misericórdia de Vila do Bispo.
O ato eleitoral contou com a presença de 15 Misericórdias do Algarve, tendo a União das Misericórdias Portuguesas sido representada pelo seu Vice-Presidente, Carlos Andrade, que é também o responsável pela articulação do Secretariado Regional com o Órgão Nacional. O anterior Secretariado Regional, presidido pelo Ex-Provedor da Misericórdia de Lagos, Eduardo Andrade, desenvolveu um trabalho relevante na articulação entre as Misericórdias da Região, fomentando um trabalho de parceria entre instituições, promovendo um trabalho de equipa e de complementaridade de ação. Esta forma de atuação foi mencionada pela Presidente eleita, Patrícia Seromenho, que enalteceu o trabalho desenvolvido pelo seu antecessor. A par disso, manifestou a intenção de continuidade de ação, seguindo a mesma linha estratégica utilizada, unindo as Misericórdias da Região e fazendo-as representar junto da União das Misericórdias, defendendo todas as especificidades inerentes à região.
No distrito de Faro existem 23 Misericórdias, duas delas sem atividade, tendo sido as mais antigas fundadas em 1498. Estas instituições asseguram um trabalho essencial, tanto na área social, como na área da saúde. Diariamente, são mais de nove mil pessoas que recebem o apoio destas instituições, sendo dois mil e 300 os colaboradores diretos destas Instituições. Com a consciência da dimensão e da responsabilidade da representação regional das Misericórdias do Algarve, o Secretariado Regional agora eleito compromete-se a dar voz a todas as Misericórdias da Região, num trabalho de equipa em prol de uma ação sempre melhor na ajuda ao próximo. 

Portugal venceu, no dia 26 de março, o Grande Prémio «Vilamoura World», com Luís Sabino Gonçalves a ser o mais rápido na «barrage» da prova a 1.50m, tendo efetuado os dois percursos sem faltas. O cavaleiro português recorreu à sua mais recente montada, o castrado de 11 anos, Scott Império Egípcio (Lord Calando x Nidor Platiere). No dia 24 de março, Luís Sabino Gonçalves já tinha vencido a prova de 1.35m e ficou em 6.º lugar na prova de Ranking (1.45m), realizado no dia 25.
O Grande Prémio «Vilamoura World» contou com 45 conjuntos num percurso inicial composto por 13 obstáculos e 16 esforços. Ficaram apurados para a «barrage» sete conjuntos, quatro dos quais terminaram sem faltas, ambos os percursos. A holandesa Charlotte Verhagen, com Abache HL, foi a segunda classificada. Ellen whitaker, pelo Reino Unido, ficou em terceiro lugar.
Nas restantes provas de domingo, o conjunto britânico Chloe Aston e Amigo T venceu a competição de 1.40m. Duarte Seabra com Ahg Whiterock Cruise Down foi o segundo classificado. Na prova com obstáculos a 1.30m, a vitória voltou a ser portuguesa, com António Matos Almeida a terminar em primeiro lugar (com Ulena Mail). Na prova de 1.20m, Mariana Campos Nunes foi a melhor com Talent du Clem. O segundo lugar coube a outro conjunto português, José Maria Godinho Carvalho com Romeo de La Loge. A romena Luca Ruxandariu conquistou a terceira posição.



A oitava edição dos Jogos de Quelfes foi apresentada, oficialmente, no dia 24 de março, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Olhão, e são muitas as novidades deste evento que fomenta o espírito do olimpismo junto dos mais novos e que este ano chega igualmente à vizinha Ayamonte.

Texto: Daniel Pina | Fotografia: Daniel Pina

Os Jogos de Quelfes são uns velhos conhecidos de Olhão, concelho onde tudo começou, há sete anos, dando corpo a um projeto lançado em 2008. Inicialmente com a participação de apenas seis escolas, foram crescendo, abrangeram, numa primeira fase, todo o concelho, depois, espalharam-se por outros municípios algarvios, até chegarem, em 2017, a algumas localidades do Alentejo e da Grande Lisboa, bem como da vizinha Ayamonte.
Muito para além de um encontro desportivo dirigido aos alunos do 3.º e 4.º ano do primeiro ciclo do ensino básico, os Jogos de Quelfes são uma chamada de atenção para uma filosofia de vida, o olimpismo, um verdadeiro programa de educação para a cidadania. E o arranque dá-se com a estafeta «Chamada para os Jogos», na escola de Marim, no dia 28 de março, que percorrerá os vários concelhos envolvidos até à data de início do evento propriamente dito, a 5 de maio, na cidade espanhola de Ayamonte, prolongando-se depois até 19 do mesmo mês. “Quero enaltecer os municípios que, empregando os seus recursos, decidiram estabelecer, aqui no sudoeste da Península Ibérica, uma nova Olimpíada, uma iniciativa preocupada com o humanismo e o perfil do ser humano. Mas também quero agradecer a todas as juntas de freguesia, associações, pessoas individuais, grupos de voluntários, que se empenham no sucesso dos Jogos de Quelfes e nesta demanda que é o olimpismo”, afirmou Gustavo Marcos, da Comissão Geral Organizadora.


O membro da Academia Olímpica de Portugal transmitiu uma palavra especial de agradecimento aos agrupamentos de escolas envolvidos, pois é neles que recai a tarefa de mobilizar alunos e professores para os Jogos de Quelfes, assim como aos técnicos que andam no terreno para colocar tudo em marcha. Logo de seguida, Gustavo Marcos deu a primeira novidade da oitava edição, a criação da «Atlantíada», um projeto mais amplo que visa dar corpo à demanda educativa por detrás do olimpismo. “Os jogos são direcionados aos alunos do primeiro ciclo do ensino básico, onde não existe desporto escolar, onde os professores, se calhar, não estão despertos para esta temática, por uma simples razão: o cérebro de qualquer ser humano passa por um período de desenvolvimento crucial nos primeiros 10 anos de vida, que terá uma influência permanente nos interesses futuros da criança. Envolver os jovens em programas de educação para a cidadania e de atividade física, que sejam divertidos, inclusivos, educativos e estimulantes, ajuda a garantir uma experiência positiva, aumentando a probabilidade de continuarem ativos ao longo da vida e a integrar esses valores e ideais como património próprio”, justificou o advogado de profissão.   
Outra novidade da 8ª edição é o relançamento do manual educativo «Kelfi e os Jogos Olímpicos», que faz parte do Plano Nacional de Leitura em três categorias mas que estava esgotado desde 2002. “Este ano, com o auxílio do Instituto Português do Desporto e Juventude, através do Programa «Desporto para Todos», vamos publicar uma edição de mil exemplares, que não terá uma distribuição comercial, sendo, sim, colocado onde mais interessa, nas bibliotecas escolares, para que esteja próximo dos alunos e dos professores”, revelou Gustavo Marcos, sempre salientando que o desporto deve ser encarado como um «meio» e não como um «fim». “Quando trabalhamos com as crianças, o nosso foco não é que todas elas se tornem atletas profissionais ou grandes campeões. O desporto é um meio motivador e integrador que procura ser uma correia de transmissão de valores, ativar um estado de espírito, desenvolver a relação do aluno consigo próprio e com os demais, em suma, com tudo aquilo que o rodeia”, destacou o «pai» dos «Jogos de Quelfes». “Num mundo onde se erguem muros e onde se pretendem cavar diferenças, a multiculturalidade deve ser encarada como um dos grandes valores da humanidade. São as nossas diferenças que nos tornam mais ricos”, frisou.


O olimpismo é, contudo, uma filosofia de vida que se pretende levar a toda a comunidade e não apenas aos mais jovens, e para tal são importantes o «Centro de Estudos do Guadiana», como centro formador, a estafeta «Chamada para os Jogos» e o «we move», um projeto voluntário de promoção da prática desportiva para todos e para o olimpismo. Estafeta que envolve a transmissão de um testemunho e que percorre as escolas dos diversos concelhos intervenientes nos «Jogos de Quelfes», com o objetivo de difundir, junto da comunidade escolar, a ação pedagógica da «Atlântíada» e as causas que lhe estão associadas. A estafeta tem início, a 28 de março, em Olhão, seguindo depois para Tavira, São Brás de Alportel, Faro, Albufeira, Loulé, Silves, Portimão, Odivelas, Sevilha e Ayamonte, onde chegará a 5 de maio.

Desporto não é só para quem tem jeito

Em dia de apresentação de novidades, Gustavo Marcos deixou a ambição da Estafeta «Chamada para os Jogos» chegar, até 2020, a 50 cidades de toda a Península Ibérica e uma estrutura 100 por cento voluntária já está a trabalhar nesse sentido. Mas o fundador dos «Jogos de Quelfes» chamou igualmente a atenção para o projeto «we-move», avisando que as crianças de hoje podem vir a ser a primeira geração a ter uma esperança média de vida inferior à dos seus pais. “O desporto é para todos e não apenas para aqueles que têm jeito, porque essa ideia pode conduzir à autoexclusão da prática desportiva, ao sedentarismo e obesidade, a doenças crónicas, à quebra da autoestima e do rendimento intelectual, a dificuldades de socialização, ao bullying, ao desenvolvimento de estigmas e preconceitos e à redução do nível de felicidade. Não é isto que queremos para as próximas gerações, portanto, não podemos ficar parados”, defendeu. “Se queremos motivar as crianças para o desporto, temos que as incluir a todas e, acima de tudo, encontrar formas inovadoras e estimulantes para as colocar em movimento”, reforçou.
Este dado médico e científico preocupa António Miguel Pina, presidente da Câmara Municipal de Olhão, lamentando que, nas escolas do primeiro ciclo do concelho, existam 20 por cento de alunos obesos e outros 20 por cento de pré-obesos. “Hoje, à medida que as crianças crescem, só as melhores é que continuam a praticar desporto, as menos boas vão desistindo, porque não jogam, não são tão bem-sucedidas como as outras. Há que encarar o desporto como uma questão cultural e de saúde, onde o convívio com os outros faz parte do crescimento pessoal”, salientou o edil olhanense, antigo atleta de basquetebol, deixando ainda um recado: “Gostaria que o Comité Olímpico Português desse a atenção e o investimento que esta iniciativa merecem”.


A finalizar as intervenções oficiais, Custódio Moreno, diretor regional do Instituto Português do Desporto e Juventude de Faro, destacou o papel de Gustavo Marcos na promoção do olimpismo no Algarve. “É um sonhador e quem não sonha nunca terá projetos concretizados. Os Jogos de Quelfes são, sem dúvida, o maior evento de educação olímpica do nosso país e não sei se, na Europa, haverá muitos outros com esta profundidade”, referiu. “Às vezes as pessoas passam ao lado de determinados momentos, sem perceberem a grandiosidade do que estão a ver. O desporto não é um pódio, é incluso, é de igualdade de géneros, não tem cor e é para todas as idades. Conceber um projeto com esta dimensão e diversidade, para formar cidadãos para além das quatro paredes das salas de aulas, não está ao alcance de todos”, assegurou.
Jogos de Quelfes cuja festa de encerramento, a 19 de maio, terá lugar, precisamente, na sede do IPDJ, em Faro, para grande satisfação de Custódio Moreno. “É importante que o governo e as entidades que estão ligadas ao desporto percebem a grandiosidade do que está aqui a acontecer e só por algum imprevisto de última hora é que não teremos cá o Secretário de Estado do Desporto nessa data especial”, adiantou. “Em todas as iniciativas dos Jogos de Quelfes existe uma forte componente de amizade e companheirismo e a educação é muito mais do que ensinar conteúdos, é ensinar e transmitir valores. Esta é uma sementeira cujos frutos não veremos já amanhã, mas este projeto, sem qualquer margem para dúvida, vale a pena”



A seleção nacional masculina de cadeira de rodas concluiu, no dia 25 de março, a sua participação na Fase de Qualificação Europeia do Campeonato do Mundo de Equipas de Ténis em Cadeira de Rodas, com um 10.º lugar, depois da derrota por 2-0 frente à Croácia. O evento da Federação Internacional de Ténis (ITF), coorganizado pela Premier Sports e a Federação Portuguesa de Ténis (FPT), encerrou com a vitória da Polónia na Vilamoura Tennis Academy.
Depois de dois triunfos seguidos frente a Irlanda e a Estónia, Portugal tinha a esperança de vergar a Croácia e conseguir o 9.º lugar, entre 13 países participantes no torneio masculino, apesar da equipa nacional ter perdido por 2-1 no ano passado. No entanto, num dia chuvoso, que teve de começar algumas horas mais tarde do que o previsto, a Croácia mostrou-se sempre superior e nem foi preciso disputar-se o encontro de pares, dado que Portugal perdeu os dois singulares, sempre em dois sets. Carlos Leitão soçobrou diante de Anton Joskic por 6-4 e 6-0, enquanto João Sanona, de novo promovido a n.º 1 português, foi desfeiteado por Drazen Miksic por 6-4 e 6-4.
Também a final masculina prescindiu do duelo de pares, tal a superioridade da Polónia, a primeira cabeça de série, sobre a Áustria, a segunda pré-designada da prova. Em encontros que decorreram em simultâneo e em courts contíguos, para acelerar a programação atrasada pela chuva, a Polónia venceu os dois singulares, que se concluíram com poucos minutos de diferença. Tadeusz Kruszelnicki, um antigo n.º 1 mundial e, aos 62 anos, ainda 31.º da hierarquia da ITF, derrotou Martin Legner (33.º ITF) por 6-0 e 6-4; enquanto Kamil Fabisiak, o 17.º do ranking (o melhor cotado do torneio) levou a melhor sobre Nico Langmann (26.º ITF) por 6-2 e 6-1.
O Centro Cultural de Vila do Bispo acolhe, no dia 28 de março, uma sessão do «Autarquia INOVA», um roadshow de empreendedorismo e inovação que tem como objetivo estimular iniciativas empreendedoras que resultem na criação de novas empresas (autoemprego), e promover a incorporação de inovação no tecido empresarial da região, através da disseminação de boas práticas e a apresentação de testemunhos de empresas algarvias que desenvolvem projetos de investigação e desenvolvimento tecnológico e de inovação. As sessões decorrem durante o dia e estão divididas em duas partes, a primeira orientada para potenciais empreendedores, e a segunda também para empresários já estabelecidos
A sessão de abertura está marcada para as 9h45 e conta com as intervenções de Adelino Soares, presidente da Câmara Municipal de Vila do Bispo e Hugo Barros, coordenador do CRIA (Universidade do Algarve). «Da ideia aos primeiros euros – principais etapas na criação de um negócio», «Sistemas de incentivos à criação de empresas» e «Empreendedorismo na primeira pessoa» são os painéis a apresentar no decorrer da manhã. Na parte da tarde, a partir das 14h15, serão apresentados os seguintes temas: «A Universidade do Algarve como parceiro de projetos de inovação empresarial», «Apoios financeiros à inovação empresarial: CRESC2020, MAR2020, PDR2020, Valorizar» e «Testemunhos de Inovação nas empresas».
Este evento, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Vila do Bispo, é organizado pela Universidade do Algarve em colaboração com o NERA - Associação Empresarial da Região do Algarve, a AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve e o IEFP - Instituto de Emprego e Formação Profissional, e é financiado pelo Sistema de Apoio a Ações Coletivas do Programa Operacional CRESC Algarve 2020, através dos projetos CRIA START + Projeto de Fomento e Apoio ao Empreendedorismo e à Criação de Novas Empresas Inovadoras e TT 2.0. - Projeto de Aceleração dos Processos de Transferência de Tecnologia e Conhecimento para o Mercado.

A cidade de Quarteira volta a receber uma das principais provas de Triatlo em Portugal, nos dias 1 e 2 de abril. O Triatlo Internacional de Quarteira - Prof. Carlos Gravata 2017 insere-se na Taça da Europa de Elites, Taça da Europa de Juniores e Campeonato Nacional de Clubes. À semelhança de edições anteriores, o evento conta com cerca de 300 atletas estrangeiros (provenientes de 35 países), nomeadamente europeus, mas também a presença dos melhores triatletas nacionais. Os participantes começam a prova com o percurso de natação, segue-se o ciclismo e finalmente a corrida.
No sábado, dia 1, decorre a Taça da Europa de Elites, com a prova feminina a arrancar às 13h45 e a prova masculina às 16h30. No domingo, dia 2, é a vez dos juniores femininos (8h45) e masculinos (10h) entrarem em ação na Taça da Europa. Às 11h30, decorre o Campeonato Nacional de clubes, que contará com a presença da nata do triatlo português. Com a realização desta prova internacional pretende-se igualmente prestar homenagem ao principal promotor da prova, o Professor Carlos Gravata, que foi o grande mentor, organizador e impulsionador deste Triatlo.
A edição de 2017 ficará marcada por uma das mais fortes comitivas lusas a competir no Algarve nos últimos anos. João Pereira e Miguel Arraiolos encabeçarão a seleção sénior masculina. Os dois Olímpicos procuram afinar o seu momento de forma em Quarteira e conquistar pontos para o Ranking Mundial, particularmente João Pereira, que alinha à partida como um dos principais favoritos à vitória na prova, depois de uma temporada que culminou com a conquista do quinto lugar nos Jogos Olímpicos.
Outra das grandes figuras da competição será Vanessa Fernandes. A estrela mundial da modalidade marca, em Quarteira, o regresso às competições internacionais. Um palco importante para a atleta, tanto em termos de carreira como a nível emocional, e onde poderá contar com o apoio de milhares de portugueses que todos os anos preenchem os percursos do evento. Melanie Santos também marcará presença na elite feminina e ajudará a fortalecer a representação internacional portuguesa. Nas seleções Júnior, Portugal terá excelentes condições para ambicionar a disputa de lugares cimeiros na competição. Vasco Vilaça, vencedor da edição do ano passado, apresenta-se como uma das principais figuras da competição masculina, ao passo que nas senhoras, Gabriela Ribeiro, quinta classificada no ano anterior, lidera a comitiva lusa.
As seleções nacionais terão, em Quarteira, excelentes argumentos para ambicionar lugares cimeiros nas demais competições que irão compor os dois dias de provas. A Delegação Nacional será constituída por 31 atletas que procuraram, individualmente, superar as suas capacidades e representar o nosso país da melhor forma possível. Com eles seguem as principais esperanças no futuro da modalidade e a confiança na obtenção de excelentes resultados.
O Triatlo de Quarteira é uma organização conjunta da Câmara Municipal de Loulé, Federação de Triatlo de Portugal, European Trithlon Union e Junta de Freguesia de Quarteira.

A Câmara Municipal de Faro decidiu reativar a Comissão Consultiva para a Edição (CCE), à qual compete a elaboração de pareceres técnicos sobre as propostas de apoio editorial que lhe são remetidas. Sendo reconhecido que a existência de uma atividade editorial regular é um fator de primordial importância no desenvolvimento sociocultural, bem como um garante da preservação do património cultural local, é entendido pela autarquia como fundamental que desenvolva uma política editorial própria, sem, no entanto, esquecer que lhe incumbe enriquecer a produção editorial, através do incentivo e apoio à edição privada, mormente aquela cujo conteúdo apresente qualidade e interesse local.
Nesta conformidade, torna-se necessária a definição de regras e critérios para atribuição de incentivos pela Câmara Municipal, pelo que foram recentemente aprovadas, em reunião do Executivo, as Normas de Apoio à Edição, que contemplam a criação desta Comissão Consultiva. A Comissão, presidida pelo Vice-Presidente Paulo Santos, integra os seguintes membros: Carina Infante do Carmo e Luís Filipe Oliveira, docentes da UAlg; Sandra Martins, Chefe de Unidade de Bibliotecas e Arquivos; Natércia Magalhães, em representação da Direção Regional de Cultura; e Paulo Cunha.
A CCE já está a trabalhar, tendo a sua primeira reunião de avaliação marcada para o mês de maio. Podem ainda candidatar-se a apoio, a ser analisado nesta reunião, as propostas que cheguem até dia 15 de abril. Todas as propostas de candidatura que sejam enviadas depois desta data, transitarão para próxima reunião. A candidatura pode ser efetuada através do formulário, disponível no site do Município, que depois de preenchido, deverá ser remetido para a Unidade de Bibliotecas e Arquivos, Rua Carlos Porfírio, s/n, 8000-241 Faro, ou pelo endereço biblioteca.arquivo@cm-faro.pt.

Reza a tradição que março é mês de Festival de Artes Infantil e Juvenil de Albufeira e a final da 15ª edição, disputada no dia 18, foi um espetáculo verdadeiramente digno de se ver, com 20 concorrentes, individuais e em grupo, divididos em duas categorias etárias, a fazerem as delícias do público que esgotou o Auditório Municipal de Albufeira.

Texto: Daniel Pina | Fotografia: Daniel Pina

Depois das eliminatórias realizadas nos dias 4 e 11 de março, a grande final da 15ª edição do Festival de Artes Infantil e Juvenil de Albufeira encheu por completo o Auditório Municipal da cidade capital do turismo algarvio. Foi, sem dúvida, uma tarde repleta de talento, em alguns casos mesmo de uma qualidade impressionante, ainda mais se pensarmos que os jovens que subiram ao palco tinham idades compreendidas entre os 6 e os 17 anos. Foram autênticos diamantes aqueles a que tivemos o privilégio de assistir, alguns ainda por lapidar, outros já num nível altíssimo, os chamados génios, virtuosos, todas as palavras são poucas para os descrever.
A iniciativa promovida há década e meia pela Câmara Municipal de Albufeira é de louvar, afirmando-se como uma montra do melhor que existe na dança, canto e música, nesta faixa etária, no Algarve, já que os concorrentes chegam de todos os pontos do sotavento e do barlavento, do litoral e do interior. Prémios monetários existem, claro, para os três primeiros classificados em cada categoria – dos 6 aos 11 e dos 12 aos 17 anos – mas o dinheiro é quase secundário, uma simples ajuda para prosseguirem os seus estudos, a confirmação de que estes jovens têm talento e de que devem ser acarinhados, uma motivação extra para as famílias continuarem a despender parte do orçamento com a formação artística dos seus filhos.
E eles merecem, todos aqueles que passaram pelo palco do Auditório Municipal de Albufeira no dia 18 de março, mas também muitos daqueles que ficaram pelo caminho nas duas meias-finais, porque, nestas coisas de concursos, por vezes a diferença é ditada por pequenos pormenores e não ir à final não significa que não se tenha talento. Na hora da verdade, apenas 20 concorrentes podiam disputar a grande final e, desses, apenas havia prémios monetários para os três primeiros de cada vertente, se bem que, no escalão dos mais velhos, tenham existido, este ano, dois segundos classificados. 
Nos mais pequenos, dos 6 aos 11 anos, a competição começou com três violinistas provenientes de Faro, Lana Petrova, Leonor Sampaio e Sofia Rushnyazeva, que interpretaram uma dança inglesa folclórica e o Coro dos Caçadores de Weber. Seguiu-se um miúdo da casa, nove anos de idade, Tiago Mendes, ao piano, com a particularidade de não saber ler pautas, apenas toca de ouvido. Tocou «River Flows in You» e «Nuvale Bianche», mais uma vez fantástico, e a plateia irrompeu em aplausos no final da sua prestação. No canto apresentou-se Maria Cardoso Revez, olhanense de 11 anos, que trouxe o hit «Diamonds» de Riahnna. De volta ao piano, mais um jovem que toca de ouvido, irreverente do alto dos seus nove anos, Pedro Rebelo, olhanense, que tocou «Tarantella» de William Gillock e «Toccatina» de D. Kabalevky. 

O Hilton de Vilamoura recebeu, no dia 17 de março, a mega festa dos 30 anos de carreira de Eliseu Correia e a fina nata do turismo algarvio reuniu-se para dar os parabéns ao fundador da EC Travel. Uma noite de gala onde a boa-disposição, a amizade e a informalidade foram notas dominantes e que foi abrilhantada pelas atuações de Camané, Pete Tha Zouk, Fernando Leal e, claro está, dos Bubba Brothers.

Texto: Daniel Pina | Fotografia: Daniel Pina

O conhecido empresário e filantropo Eliseu Correia assinalou, no passado dia 17 de março, três décadas de carreira, 30 anos de ligação ao turismo, primeiro como animador cultural e desportivo em unidades hoteleiras, depois como comercial em rent-a-cars, antes de se mudar para o ramo das agências de viagem e de criar a EC Travel, considerada, no ano passado, como a melhor PME do setor dos serviços pela prestigiada revista Exame. Animador porque começou por baixo, como tantos outros, não nasceu num berço de ouro que lhe permitisse ir logo para chefe disto ou diretor daquilo. Tirou o 12.º ano e, como não havia, na época, grandes alternativas em termos de futuro profissional, apontou a mira ao turismo. “Praticamente desde os 15 anos que era financeiramente independente e, mal acabei o liceu, decidi concorrer para os hotéis. Ainda sou do tempo em que se escrevia os currículos à mão, porque à máquina era foleiro, um sinal de desrespeito para com os potenciais empregadores. Devo ter enviado umas 40 ou 50 candidaturas, por correio, manuscritas, a responder aos anúncios que saiam no Correia da Manhã”, recorda o entrevistado, no seu escritório em Olhão.
Sem um destino perfeitamente definido, o objetivo era entrar para um cargo que lhe permitisse crescer, como homem e como profissional, nada de trabalhar seis meses durante o Verão e passar o resto do ano em casa, a receber o subsídio de desemprego, ou a viver do que ganhara na labuta. Das dezenas de candidaturas recebeu apenas duas respostas, numa espera angustiante junto à caixa do correio, todos os dias a perguntar ao carteiro se trazia algo para si. “Na primeira entrevista disseram-me que tinha um perfil fabuloso, falava inglês e alemão, mas depois perguntaram-me o que é que eu sabia fazer. Só tinha trabalhado como empregado de mesa em restaurantes de praia ou no Montenegro, durante as férias da escola, para ganhar algum, portanto, os meus conhecimentos não eram muitos. Fui logo despachado”, lembra, com um sorriso.
A segunda entrevista correu melhor, no Alfa Mar, com um alemão de poucas conversas mas que achou piada ao facto de Eliseu ter nascido na sua terra-natal, em Hamburgo. “Queria que eu fosse trabalhar para o bar, mas eu pretendia algo diferente, onde pudesse evoluir para outras funções. O homem olhou para mim, a pensar ‘este indivíduo não tem onde cair morto e é esquisito’, mas teve pena de mim e mandou-me para as relações públicas”, conta Eliseu Correia. A experiência, contudo, foi curta e, volvidos alguns meses, rumou ao Atlantis de Vilamoura, atualmente Crown Plaza. Mais alguns meses e novo destino, o Quinta Nova Alvor Ténis Club, como chefe de animação e desportos. “Solteiro, roupa lavada, apartamento, comida, e levar 70 contos para casa, em 1988, era para mim um luxo”.
Tudo estava bem encaminhado até que recebeu a notícia, em maio de 1989, de que tinha que se apresentar para cumprir o serviço militar obrigatório, quatro meses e meio na Escola Prática de Administração Militar, no Lumiar, em Lisboa, de onde saiu como furriel, seguindo-se um ano na Madeira. “Sem desprimor para quem segue a carreira militar, quando cheguei a Lisboa, beijei o chão, parecia o Papa. Tudo o que tenha a ver com impor-me vontades é contra o meu ADN”, justifica, antes de prosseguir com a sua história. O próximo capítulo é passado no Vilamoura Marinotel, mas esse ano, 1990, é sobretudo marcado pelo seu casamento. Entretanto, começam os zunzuns de que ia nascer um Sheraton no Algarve e Eliseu Correia é um dos eleitos para abrir o empreendimento de luxo. As coisas, todavia, não correram como previsto, recorda. “Basicamente estive de férias, porque ainda não havia hotel construído. Passei um mau bocado, porque não nasci para ser pago e não fazer nada. Claro que, para muita gente, aquilo foi ouro sobre azul, porque a situação lhes permitia fazer uns serviços por fora”, explica.

O Festival Internacional de Albufeira começou da melhor forma, no dia 23 de março, com «O Sal de Marim», pela Companhia de Teatro Contemporâneo de Albufeira, recordando a figura de Felipa de Sousa, tavirense que dá nome ao principal Prémio Internacional dos Direitos dos Homossexuais. A noite contou igualmente com uma emotiva homenagem de Luís Ene ao falecido ator Rui Cabrita.

Texto: Daniel Pina | Fotografia: Daniel Pina

O Auditório Municipal de Albufeira foi palco, no dia 23 de março, da abertura da 10ª edição do Festival T – Festival Internacional de Teatro de Albufeira, com a noite a iniciar-se com uma pequena homenagem de Luís Ene a Rui Cabrita, falecido a 26 de dezembro do ano transato. Ator e encenador, com um vasto trabalho em várias áreas ligadas ao teatro, Rui Cabrita chegou a colaborar em duas situações com a c:t:c – Companhia de Teatro Contemporâneo, a organizadora deste festival criado em 2006.
Seguiu-se o primeiro espetáculo de cinco dias dedicados ao teatro na capital do turismo algarvio, «O Sal de Marim», da c:t:c, com encenação e texto de Luísa Monteiro e interpretações a cargo de Cátia Cassapo, Josefa Lima, Larisa Maria e Cheila Correia, com técnica de Miguel Martinho. A peça parte da contemporaneidade para relevar a figura de Felipa de Sousa, mulher de Tavira que personifica o principal prémio internacional dos direitos dos homossexuais. Como pano de fundo, estão as sucessivas condenações das mulheres homossexuais desde o degredo de Marim, pelo Santo Ofício, passando pelas casas de correção, as casas de saúde mental onde a prática mais comum era a dos choques elétricos, até aos encarceramentos nas caves por parte das próprias famílias.
O trabalho dramático resulta de pesquisas documentais e de testemunhos vivos de quem viveu essas realidades e é a segunda incursão de Luísa Monteiro sobre o tema da homossexualidade, depois de «As lágrimas amargas de Petra Von kant», de Fassbinder. “Penso que as mulheres homossexuais estão muito sozinhas, fechadas, no nosso país e isso não as defende em nada. Basta pensar que há muitos casais de namoradas ou em comunhão de facto ou mesmo casadas, onde a violência é imensa”, referiu a diretora da c:t:c:. “O mundo colocou as mulheres homossexuais num certo isolamento e a insegurança acaba por gerar ainda mais insegurança. Em grupo, são quase sempre fortes, contudo, quando o meio é reduzido, nas suas casas, longe dos olhares, a violência instala-se, seja ela física, ou simplesmente a perseguição, o controlo, a chantagem emocional, a tortura psicológica”, observa.
Para combater esta realidade nasceu «O Sal de Marim», cuja base foi, de facto, a documentação histórica existente sobre Felipa de Sousa, a que se somaram, depois, testemunhos de mulheres que foram mais ou menos próximas da própria Luísa Monteiro. “Estão todas vivas excetuando uma agradeço-lhes imenso, eu e todas as gerações que lhes sucedemos, independentemente da orientação sexual de cada uma. Não são heroínas, apenas sobreviventes e mereciam uma estátua nos jardins como os sobreviventes da guerra”.